Harry Potter Wiki
Advertisement
Harry Potter Wiki
Padlock.png
A edição desta por usuários recém-registrados está atualmente desativada.
Esses usuários podem discutir mudanças, ou solicitar desproteção.

"Eu realmente acho que não deviam deixar outro tipo de gente entrar, e você? Não são iguais a nós, nunca foram educados para conhecer o nosso mode de viver. Alguns nem se sequer ouviram falar de Hogwarts até receberem a carta, imagine. Acho que deviam manter a coisa entre as famílias de bruxos."
— Draco demonstra seus preconceitos com apenas onze anos de idade[fnt]

Draco Lúcio Malfoy é um bruxo sangue puro[1] britânico nascido em 5 de junho de 1980[1] e o único filho de Lúcio e Narcisa Malfoy. Sendo filho de um Comensal da Morte, o garoto foi criado para acreditar fortemente na importância da pureza de sangue. Ele frequentou a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts dentre 19911998 e foi classificado para a Casa Sonserina. Durante seus anos escolares, Draco se tornou amigo de Vicente Crabbe, Gregório Goyle, Pansy Parkinson e alguns outros Sonserinos — desenvolvendo assim, uma rápida rivalidade com Harry Potter[14].

Em seu quinto ano, ele se tornou um membro da Brigada Inquisitorial e foi nomeado monitor de sua casa. Em meio a esta mesma época, seu pai foi preso e condenado em Azkaban após os acontecimentos envolvendo a Batalha do Departamento de Mistérios. Devido a isso, Lorde Voldemort o acusa de prolongar o fracasso de Lúcio e o torna um Comensal da Morte com apenas dezesseis anos; Draco rapidamente se desiludiu do estilo de vida e começa a questionar suas escolhas.

Sendo incapaz de cumprir com a missão dada por Voldemort de assassinar Alvo Dumbledore, o garoto permite que Severo Snape a faça e continua a cumprir com outras funções da organização por medo e relutância. Durante pouco tempo antes do fim da Segunda Guerra Bruxa, Draco, juntamente de seus pais, deserta do exército do Lorde das Trevas temendo por sua vida.

Eventualmente, Draco se casou com Astória Greengrass e teve um filho chamado Escórpio.

Biografia

Início da vida (1980–1991)

Draco Malfoy nasceu em 5 de junho de 1980, sendo o único filho de Lúcio e Narcisa Malfoy (nascida Black). Ambos, vindos de famílias altamente aristocratas, acreditavam fielmente nas crenças da supremacia puro-sangue. Tanto os Malfoy quanto os Black foram, tradicionalmente, classificados para a Casa Sonserina durante séculos, desaprovando assim, qualquer parente que não seguisse tal tradição, como Sirius Black.[15]

A família aristocrata e supremacista de Draco

Sendo criado em uma atmosfera de pesar por Lorde Voldemort não ter conseguido assumir o controle total da comunidade bruxa, Draco fora ensinado de forma prudente que tais sentimentos não deveriam ser expressos fora do pequeno círculo de sua família e amigos próximos. Os Malfoy orgulhavam-se muito de sua pureza de sangue e status social; até 1996, a família foi capaz de preservar uma imagem pública respeitável enquanto, ao mesmo tempo, estava aliada a Lorde Voldemort. Lúcio se tornou um Comensal da Morte ainda na Primeira Guerra Bruxa — e, após o fim da mesma, escapou de sua condenação alegando estar sob a Maldição Imperius —. Já Narcisa, por outro lado, apenas concordava com a ideologia supremacista que a organização possuía.

Os Malfoy acabaram mimando seu filho, dando-o tudo de bom e de melhor no que se diz respeito aos bens materiais. As duas únicas coisas de segunda mão as quais Draco herdou foram o antigo preconceito familiar contra trouxas, nascidos trouxas, mestiços e traidores de sangue — em suma, possuía preconceito com qualquer um que não fosse um bruxo sangue puro ou qualquer outro que apoiassem tal tipo de gente — e a coleção de artefatos poderosos das trevas que recontam à história da família.

Preparo para Hogwarts

Draco, junto de seu pai e Dumbledore, durante sua visita à Hogwarts

Durante a infância, Draco se associou principalmente com sangues puros filhos de ex-Comensais da Morte, amigos de seu pai. Portanto, quando chegou em Hogwarts, o garoto já possuía um pequeno grupo de amigos, o qual incluía Teodoro Nott e Vicente Crabbe[1]. Ele mesmo visitou a escola junto do pai quando Lúcio foi inspecioná-la — ele confiou ao irmão de Jacob e a Mérula Snyde para cuidar de seu filho (uma decisão a qual não agradou a nenhum dos dois) —. Lúcio solicitou vê-los particularmente já que o irmão de Jacob fora, ostensivamente, considerado o melhor aluno do ano e Snyde era filha de dois ex-Comensais da Morte amigos de Lúcio, sendo assim, portanto, o tipo de pessoa "certa" para que Draco pudesse se associar. O menino acabou não agradando a nenhum dos estudantes, particularmente devido a suas atitudes esnobes e desdenhosas em relação a eles e suas frequentes demonstrações de preconceito.

Durante a visita, ele também roubou a varinha de seu pai, dado que ele era muito jovem para ter a sua própria, e queria fazer magia depois de ver Mérula executar o Feitiço das Pernas Bambas no irmão de Jacob. Lúcio, inicialmente, culpou seu elfo doméstico Dobby pelo roubo, já que o perpetrador sabia que ele a mantinha dentro de sua bengala, algo que não era de conhecimento geral. O irmão de Jacob acabou investigando o ocorrido e devolveu a varinha para Lúcio[16].

Quando chegou o momento de Draco frequentar a escola em 1991, seu pai, inicialmente, queria que ele frequentasse o Instituto Durmstrang (uma escola localizada no norte da Europa que admitia o uso de Magia das Trevas e não aceitava estudantes nascidos trouxas). No entanto, sua mãe, Narcisa, não gostou da ideia de mandar seu filho para longe, algo que acabou fazendo com que Draco estudasse em Hogwarts[17].

Quando foi ao Beco Diagonal comprar seu material escolar no mesmo ano, Draco conheceu Harry Potter na Madame Malkin Roupas para Todas as Ocasiões, sem saber quem ele era. Malfoy acaba fazendo um discurso bastante intolerante sobre minorias e Rúbeo Hagrid. No entanto, por outro lado, ele age de maneira bastante amigável com Harry[18].

Anos de Hogwarts (1991–1996)

Primeiro ano

"Sabe como eu acho que eles escolhem jogadores para o time da Grifinória? Escolhem as pessoas que dão pena. Vê só, o Potter, que não tem pais, depois os Weasley, que não tem dinheiro. Você também devia estar no time, Longbottom, você não tem miolos."
— Draco zomba do time de quadribol da Grifinória[fnt]

Draco é classificado para a Casa Sonserina

A bordo do Expresso de Hogwarts pela primeira vez, Draco oferece sua amizade a Harry Potter e tenta impressioná-lo, para que, eventualmente, pudesse transmitir algumas informações para seus pais em casa. No entanto, Harry nota sua semelhança com seu primo Duda e acaba não gostando das atitudes desdenhosas que o garoto expressa ao conhecer Rony Weasley[19]. Sendo assim, ele rejeita a proposta e, no mesmo instante, cria uma animosidade mútua que posteriormente duraria até o final de seus anos escolares.

Uma vez na escola, Draco é classificado para a Casa Sonserina como vários outros de sua família. Ele também, de forma rápida, desenvolve uma amizade com seus colegas de casa e permanece hostil a presença de Harry, chegando ao ponto de desafiá-lo para um duelo logo após o garoto lhe superar durante sua primeira aula de voo[20].

No entanto, sua proposta para um duelo foi, na verdade, uma tentativa de pôr Harry em problemas ao colocá-lo para fora de seu dormitório logo após o toque de recolher. A rivalidade entre a dupla aumenta com a atenção que Harry recebe derivada de sua fama e de sua prodigiosa habilidade de voar; algo que o faz ser autorizado a se juntar ao time de quadribol de sua casa e se tornar o apanhador mais jovem do século.

Draco, ao lado de Harry e Canino, durante sua detenção

Posteriormente, Draco acaba descobrindo o plano de Harry em contrabandear o dragão de estimação de Hagrid, Norberto, para fora do castelo e, em outra tentativa de colocá-lo em problemas, Draco conta a Professor McGonagall sobre o ocorrido. No entanto, o garoto também é detido por estar andando pela escola logo após o toque de recolher. Em sua detenção, Draco tem de ajudar Hagrid, Harry e Hermione, que são pegos por contrabandear o dragão, e Neville Longbottom, que é pego ao tentar avisar a dupla sobre o plano de Draco, a encontrar um unicórnio ferido. Ele acaba se ressentindo do trabalho por o considerar uma "coisa para empregados"[21]. Eventualmente, ele e Harry testemunham Voldemort, habitando o corpo de Quirino Quirrell, beber o sangue da então criatura machucada; Draco acaba fugindo e deixa Harry para trás.

Já no final do ano letivo, Draco fica, inicialmente, muito feliz com o caminho que a Sonserina estava de vencer a Taça das Casas mais uma vez. No entanto, ele fica completamente devastado ao ver que é a Grifinória que ganha a taça, uma vez que Alvo Dumbledore concede a Harry, Rony, Hermione e Neville pontos adicionais por suas corajosas ações[22].

Segundo ano

"São Potter, o amigo dos sangues ruins. Ele é outro que não tem espírito de bruxo, ou não andaria por aí com aquela Granger sangue ruim metida a besta. E tem gente que acha que ele é o herdeiro de Sonserina!"
— Draco sobre as especulações de que Harry fosse o herdeiro de Sonserina[fnt]

Draco encontra com Harry e os Weasley na Floreios e Borrões

Pouco antes de seu segundo ano escolar começar, Draco vai à Floreios e Borrões no mesmo dia em que Harry, os Weasley e os Granger vão até a livraria comprar os novos livros escolares de Gilderoy Lockhart. Após Harry receber um exemplar gratuito de todas as obras de Lockhart pessoalmente, Draco o intercepta e lhe insulta, sendo eventualmente, desafiado por Gina Weasley. Logo depois, Lúcio, seu pai, chega até a Floreios e Borrões e acaba conhecendo Harry pela primeira vez, encontrando também com Arthur Weasley, a quem ele insulta por se associar a trouxas; a discussão resulta em uma briga, que por sua vez, faz com que todos ali presentes abandonem o estabelecimento[23].

Já em Hogwarts, Draco é nomeado o novo apanhador do time de quadribol de sua casa. Seu pai, diante o acontecimento, compra novas Nimbus 2001 para o todo o time — algo que faz Hermione Granger especular que havia sido isso que o colocara na equipe. Draco a responde com raiva e a chama de "sujeitinha de sangue ruim"[24], fazendo com que todo o time de quadribol da Grifinória lhe atacasse; Rony, por sua vez, tenta o azarar, mas o feitiço acaba saindo pela culatra devido à sua varinha estar quebrada.

Draco e Harry são postos como adversários no clube de duelos

Ironicamente, Draco é a razão pela qual a Sonserina perdeu para a Grifinória no quadribol naquele ano. Tudo por que ele não sabia que o pomo de ouro estava à centímetros de sua orelha esquerda — estando ocupado demais insultando Harry Potter para notar —. Harry acaba aproveitando seu lapso de concentração e permite que a Grifinória ganhe a partida. Draco, eventualmente é repreendido por seu capitão Marcos Flint por sua estupidez.

Durante uma das reuniões do clube de duelos daquele ano, Draco duela contra Harry Potter. Ele conjura uma cobra e, eventualmente, fica abalado quando Harry frusta seu ataque ao falar com a serpente em Ofidioglossia. Isso leva muitos estudantes a suspeitarem que Harry fosse o herdeiro de Sonserina que, por sua vez, iria reabrir a Câmara Secreta e liberar um "monstro" que lá jazia. O ocorrido também deixa Draco bastante frustado por fazer todos pensarem que o "São Potter, amigo dos sangues ruins" fosse o herdeiro do fundador de sua casa, um boato o qual ele considerava completamente ridículo[25].

Draco encontra com Harry e Rony disfarçados sob a Poção Polissuco

Harry, Rony e Hermione, por suspeitarem que Draco pudesse ser o verdadeiro herdeiro — diante a sua intolerância preconceituosa com nascidos trouxas e de sua família 'completamente sangue pura' ser totalmente classificada para a Sonserina —, armam um plano para interrogá-lo. Hermione prepara um pouco de Poção Polissuco no interior do então abandonado banheiro feminino do terceiro andar para fazer com que ela, Harry e Rony, disfarçados de Emília Bulstrode, Gregório Goyle e Vicente Crabbe, respectivamente, pudessem entrar na sala comunal da Sonserina e confirmar tal argumento. Com uma parte do plano dando certo, Draco revela, de forma involuntária, que ele não era o herdeiro e que não sabia quem era. No entanto, ele os diz que a Câmara havia sido aberta há cinquenta anos atrás e que ele gostaria de ajudar o verdadeiro herdeiro.

Com o desenrolar da história, é revelado que o próprio Lúcio Malfoy havia planejado abrir a Câmara ao plantar o velho diário de Tom Riddle no caldeirão de Gina Weasley, embora seu verdeiro alvo fosse seu pai, Arthur. Não é revelado se Draco estava realmente ciente disso, já que a instrução de Lúcio para seu filho fosse "manter a cabeça baixa". O diário era na verdade uma Horcrux que, por sua vez, foi destruída dentro da Câmara quando Harry a apunhalou com um dente de Basilisco.

Terceiro ano

Draco: "Tem visto o seu amigo Hagrid, ultimamente?... Acho que ele não vai continuar professor por muito tempo. Meu pai não ficou nada satisfeito com o meu ferimento... ele apresentou queixa aos conselheiros da escola. E ao Ministério da Magia. Meu pai tem muita influência, sabe. E um ferimento permanente como este, quem sabe se o meu braço vai voltar um dia ser o mesmo?"
Harry Potter: "Então é por isso que você está fazendo toda essa encenação. Para tentar fazer Hagrid ser despedido."
Draco: "Bom, em parte, Potter. Mas tem outros benefícios, também"
— Harry e Draco discutem sobre a lesão do último em meio a uma aula de Poções[src]

Draco inicia seu terceiro ano escolar zombando da reação de Harry perante aos Dementadores, os quais estavam alojados próximos à Hogwarts devido a fuga de Sirius Black em Azkaban. O garoto também insinua os crimes de Black com relação a Harry e a seus falecidos pais, dizendo que se alguém tivesse traído e matado seus pais — como se acreditava que Sirius havia feito — ele procuraria vingança.

Hermione ameaça Draco antes de socá-lo

Em meio a uma partida de quadribol entre Grifinória e Corvinal, Draco, junto de Vicente Crabbe, Gregório Goyle e Marcos Flint, tenta sabotar o desempenho de Harry ao se passar por um Dementador. Apoiado nos ombros de Goyle, Malfoy acabou sendo derrubado pelo primeiro feitiço do Patrono automático de Harry, ficando claramente inconsciente devido ao efeito que as criaturas tinham sobre o garoto. A falha tentativa de frustar o desempenho de Harry acabou custando 50 pontos à Casa Sonserina[26].

Durante uma aula de Trato das Criaturas Mágicas, Draco, "involuntariamente", provocou o Hipogrifo Bicuço e acabou sendo ferido[27]. Embora não tenha sido uma lesão grave, Malfoy exagerou no ocorrido no intuito de chamar atenção e causar a demissão de Rúbeo Hagrid. Quando admitiu o fato e zombou do ocorrido, Hermione Granger lhe estapeou. Eventualmente, seu pai, Lúcio, tentou fazer de tudo para que a criatura fosse executada e, embora tenha obtido sucesso com a sentença, Bicuço foi salvo pelos esforços de Harry e Hermione com a ajuda de um vira-tempo.

Quarto ano

"Granger, eles estão caçando trouxas. Você vai querer mostrar suas calcinhas no ar? Porque, se quiser, fique por aqui mesmo... eles estão vindo nessa direção, e todos vamos dar boas gargalhadas."
— Draco intimida o trio durante a rebelião na Copa Mundial de Quadribol[fnt]

Draco, acompanhado de seu pai, na Copa Mundial de Quadribol

Em 1994, Draco comparece à 422ª Copa Mundial de Quadribol acompanhado de seus pais. A família, devido a uma grande doação de Lúcio, se senta ao lado do Ministro da Magia Cornélio Fudge como convidados em um camarote privado. O garoto, sentado diretamente atrás dos Weasley e do trio, zomba de Harry, Rony e Hermione quando um grande grupo de Comensais da Morte começa a aterrorizar os campistas após a partida. Quando Draco diz que eles estavam caçando trouxas e sugere que Hermione seria um possível alvo, Harry lhe pergunta se seus pais, Lúcio e Narcisa, estavam participando do tumulto; algo que ele o responde com "se eles estivessem, eu não iria dizer a você"[28].

De volta à escola, Draco descobre que Hogwarts sediaria o Torneio Tribruxo e, para seu desespero e ciúme, Harry é escolhido como o quarto campeão apesar de ser muito jovem para competir. Durante grande parte do evento, Draco apoiou Cedrico Diggory, distribuindo vários distintivos com o slogan "Potter Fede" e afirmando que Harry não duraria mais do que alguns minutos na competição.

Draco é transformado em uma doninha por Bartô Crouch Jr.

Em meio aos inúmeros atritos que Harry e Draco tiveram ao longo do ano, quando Malfoy tentou azará-lo por trás das costas, o então professor de Defesa Contra as Artes das Trevas Bartô Crouch Jr. (disfarçado de Alastor Moody sob efeito da Poção Polissuco) o transformou em uma doninha e o debateu por todo o saguão de entrada. No entanto, embora a Professora McGonagall tenha detido o professor, Draco ficou muito envergonhado, fazendo com que vários estudantes se divertissem com o ocorrido; Rony o apelidou de "fantástica doninha quicante"[4], inúmeros alunos também passaram a lhe provocar dizendo-o que o Professor Moody estava atrás dele e até mesmo Hagrid afirmou que Draco daria uma ótima doninha. Posteriormente, Draco compareceu ao Baile de Inverno acompanhado de Pansy Parkinson.

Draco durante o memorial de Cedrico Diggroy

Malfoy também foi o informante e o ímpeto por trás dos vários artigos caluniosos e sensacionalistas que Rita Skeeter escreveu sobre Harry, Hagrid e Hermione para o Profeta Diário; esse ataque à credibilidade de Harry o prepararia, eventualmente, para o cenário de descrença generalizada sobre suas afirmações perante ao retorno de Lorde Voldemort no final daquele mesmo ano. Um dos artigos que Draco fizera parte foi intitulado de A Mágoa Secreta de Harry Potter[29].

Já no final do ano letivo, Draco zombou da escolha de Harry em se opor a Voldemort e também ridicularizou a morte de Cedrico Diggory. Antes que pudesse terminar tais ofensas, no entanto, Malfoy foi atingido por várias azarações lançadas por Harry, Rony, Hermione, Fred e Jorge Weasley.

Quinto ano

"Brigada Inquisitorial, Granger. Um grupo seleto de estudantes que apoia o Ministério da Magia, escolhidos a dedo pela Profª Umbridge. Em todo o caso, os membros da Brigada Inquisitorial têm o poder de tirar pontos... então, Granger, vou tirar de você cinco por ter sido grosseira com a nossa nova diretora. Do Macmillan, cinco por me contradizer. E cinco porque não gosto de você, Potter. Weasley, a sua camisa está para fora, por isso vou ter de tirar mais cinco. Ah, é, me esqueci, e você é uma Sangue ruim, Granger, então menos dez por isso."
— Draco se torna membro da Brigada Inquisitorial[fnt]

Em seu quinto ano, ao lado de Pansy Parkinson, Draco é nomeado monitor da Sonserina. Ele, obviamente, acaba zombando de Harry Potter por ele não ter recebido a mesma honraria, dado que Hermione Granger e Ronald Weasley haviam sido escolhidos como monitores da Grifinória. Malfoy também escreve uma canção humilhante denominada Weasley é o Nosso Rei no intuito de satirizar e ofender as habilidades de Rony como goleiro no quadribol. Foi a criação de tal música, juntamente com os insultos proferidos a Arthur e Molly Weasley e Lílian Potter, que levou Harry e Jorge Weasley a espancarem Draco[30]. A agressão resultou na proibição de ambos (ao lado de Fred Weasley) para sempre do quadribol — embora tal ordem tenha sida revogada após a saída de Dolores Umbridge da escola.

Draco, ao lado de outros Sonserinos, se junta à Brigada Inquisitorial

Posteriormente, Draco se junta à Brigada Inquisitorial e claramente gosta dos poderes que lhe são concedidos, tal qual, ele passa a usá-los de forma desvantajosa sobre outros estudantes, especialmente em Harry e seus amigos. Em certo momento, ele encontra Harry saindo de sua última reunião da Armada de Dumbledore e recebe cinquenta pontos por delatar o ocorrido a Umbridge. Draco também estava entre os membros da organização que detiveram Harry e seus amigos enquanto tentavam descobrir o então paradeiro de Sirius Black. No momento em que Umbridge tenta cumprir sua ameaça de utilizar a Maldição Cruciatus para fazer Harry contar o que estava planejando e Hermione a interrompe dizendo sobre uma "arma" que Dumbledore estava escondendo, Draco assume uma expressão de "ansiedade e cobiça" no intuito de acompanhá-los até o local da então "arma". No entanto, Umbridge o proíbe, juntamente com os demais membros da Brigada, e saí junto da dupla[31].

A Brigada detém alguns membros da AD no escritório de Umbridge

Com a saída da Alta Inquisidora, os membros restantes da Armada de Dumbledore executam uma série de Feitiços Estuporantes e Feitiços de Desarmamento no intuito de escapar do escritório; Draco acaba sendo atingido com a excelente Azaração para Rebater Bicho-Papão de Gina Weasley[31]. Eventualmente, é revelado que Hermione havia mentido sobre a tal arma e que Umbridge havia sido levada por um rebanho de Centauros; sendo assim, todos os seis membros da AD voam até Londres, mas precisamente até o Ministério da Magia, e participam da batalha que se segue.

Durante a batalha, seu pai, Lúcio Malfoy, se apresenta um Comensal da Morte e é preso em Azkaban por seus crimes. Draco fica notavelmente abalado e culpa Harry pelo ocorrido; levando a uma tentativa de atacá-lo no final do ano letivo com a ajuda de Vicente Crabbe e Gregório Goyle[32]. No entanto, outros membros da AD saem em defesa de Harry e disparam uma série de feitiços e azarações ao mesmo tempo, fazendo com que o trio acaba se aparente com "três lesmas gigantescas apertadas em uniformes de Hogwarts"[33].

Sexto ano

Narcisa Malfoy: "Estou vendo que o fato de ser o favorito de Dumbledore lhe deu uma falsa sensação de segurança, Harry. Mas Dumbledore não estará sempre aqui para protegê-lo."
Harry Potter: "Uau... quem diria... ele não está aqui agora! Então, por que não experimentar? Talvez lhe arranjem uma cela de casal em Azkaban para fazer companhia ao perdedor do seu marido!"
Draco: "Não se atreva a falar com a minha mãe assim, Potter!"
Narcisa Malfoy: "Tudo bem, Draco. Prevejo que Potter irá se reunir ao querido Sirius antes de eu me reunir ao Lúcio."
— Draco e sua mãe se encontram com Harry Potter na Madame Malkin[src]

Durante 1996, Draco, no lugar de seu pai, se junta aos Comensais da Morte. No entanto, apesar de se vangloriar constantemente sobre seu "feito", Draco, pelo decorrer do ano, passa a temer ainda mais a tarefa, aparentemente impossível, de assassinar Alvo Dumbledore. Fica implícito que a missão, dada pelo próprio Lorde Voldemort, é passada com o intuito de punir Lúcio por seu péssimo desempenho em meio à Batalha do Departamento de Mistérios. Além do medo e da pressão constante, o garoto também passa a carregar a segurança de sua família nas costas, dado que o bem-estar dos Malfoy dependia de seu sucesso para com a missão[34].

Draco em frente à Borgin e Burkes, preparando-se para conversar com o Sr. Borgin

Com a tarefa dada, Draco arma um plano envolvendo um velho Armário Sumidouro que residia em Hogwarts a fim de colocar alguns Comensais da Morte para dentro do castelo no intuito de ajudá-lo com sua missão de assassinar Dumbledore. Em seu ano letivo anterior, Malfoy fica sabendo que seu colega de casa, Graham Montague[35], havia sido forçado a entrar dentro desse armário pelos gêmeos Weasley e, como um último recurso para sair de dentro do móvel, Montague conseguiu aparatar para um lugar semelhante a um limbo, podendo ouvir alguns barulhos exteriores que, possivelmente, eram realizados tanto em Hogwarts quanto na Borgin e Burkes[36].

Em meio as férias de verão, Draco discute a possibilidade de haver um par do armário dentro da antiga e obscura loja de artefatos malignos com o Sr. Borgin, o dono do estabelecimento. O garoto chega a conclusão que, se o móvel quebrado fosse consertado, os armários poderiam funcionar como um tipo de passagem secreta para Hogwarts. Sendo assim, Malfoy ordena a Borgin para que mantivesse o armário de sua loja em segurança durante seu reparo com o armário da escola, revelando sua marca negra como prova de sua lealdade a Voldemort e mandando Fenrir Greyback ameaçar o comerciante[37]. A reunião acaba sendo ouvida brevemente por Harry, Rony e Hermione. No entanto, enquanto Harry começa a suspeitar das atividades de Draco, Rony e Hermione descartam tais possibilidades, afirmando que Malfoy estava apenas blefando.

Já a caminho da escola, a bordo do Expresso de Hogwarts, Draco delata sua missão para seus colegas Sonserinos e, inconsequentemente, deixa que Harry escute parte da conversa. Posteriormente, ele ameça Potter, azarando-o com o Feitiço do Corpo Preso e, como vinganças pelas alegações de Harry sobre seu pai ser um Comensal da Morte, Draco pisa em seu rosto, quebrando seu nariz[38].

Draco encontra o outro par do Armário Sumidouro dentro da Sala Precisa

Ao longo do ano, focado em consertar o Armário Sumidouro, Draco passa por várias mudanças visíveis em sua vida. Ele aparenta perder seu interesse em quadribol e permite — possivelmente pagando — que um colega de casa assumisse seu posto de apanhador no time da Sonserina[39]. Ele também se torna negligente em relação a seus deveres escolares, faltando a duas aulas de Transfiguração e deixando de cumprir com suas obrigações de monitor, as quais ele normalmente abusava como no ano letivo anterior. Outra evidente mudança, é que Draco para de confiar em Snape, estando disposto a difamá-lo e a tratá-lo de forma desrespeitosa. Socialmente, Malfoy, com uso da Poção Polissuco, força Crabbe e Goyle a assumirem formas de outras pessoas para ajudá-lo com seu empenho na Sala Precisa e, ao mesmo tempo que recusava a dizer o motivo[40], ele passa a se distanciar ainda mais da dupla. Surpreendentemente, o garoto também começa a passar seu tempo zombando cada vez menos de Harry e seus amigos, apesar de haver inúmeras possibilidades. Sua aparência física também começa a evidenciar seu estresse, como sua pele ficando ainda mais pálida, sua perda de preso e o aumento constante de olheiras.

Harry utiliza a Maldição Sectumsempra em Draco

Duas vezes ao longo do ano, temendo que não fosse capaz de consertar o armário, Draco recorreu a tentativas desesperadoras de assassinato, como tentar dar um colar amaldiçoado[41] e uma garrafa de hidromel envenenada a Dumbledore[42]; ambas as tentativas falhas resultaram no ferimento de duas pessoas inocentes. Com o passar do tempo, seu estresse passa a lhe afetar adversamente, fazendo com que ele até mesmo confessasse seus temeres a Murta Warren, uma fantasma residente na escola. Em uma dessas ocasiões, Harry encontra com Draco e a dupla acaba travando um tremendo duelo. Duelo esse que resulta no ferimento de Draco devido ao uso indevido de Harry para com a Maldição Sectumsempra[43].

Posteriormente, dado a seu grande esforço, Draco consegue reparar o Armário Sumidouro e o usa para deixar pelo menos seis Comensais da Morte entrarem no castelo: Corban Yaxley, Aleto e Amico Carrow, Gibbon, Thorfinn Rowle e o vicioso lobisomem Fenrir Greyback. Prosseguindo para o topo da Torre de Astronomia, Draco é capacitado de encurralar e desarmar Dumbledore, que, em contrapartida, estava significativamente fraco.

Draco, sentimentalmente abalado, encurrala Dumbledore

Entretanto, quando tem finalmente a oportunidade de assassiná-lo, Draco é posto em conflito interno devido a disposição de Dumbledore em proteger sua família, dizendo-lhe para que eles "viessem para o lado certo"[44]. Resumidamente, Malfoy não é capaz de cometer o assassinato, dado que, durante o tempo em que a dupla passa conversando sozinha, Dumbledore conclui que o garoto era incapaz de matá-lo[45]. Conforme o previsto, Draco no final das contas é incapacitado de realizar tal tarefa e, ao invés disso, acaba abaixando sua varinha. Snape, que havia feito um Voto Perpétuo com Narcisa Malfoy caso Draco viesse a falhar, usa uma Maldição da Morte contra o diretor; Snape prontamente leva Draco para fora dos terrenos escolares, provavelmente para um lugar seguro[46].

Entretanto, quando Draco desarma Dumbledore, ele, sem saber, acaba ganhando a lealdade da Varinha das Varinhas, uma das três Relíquias da Morte.

Após a Batalha da Torre de Astronomia, Draco não retorna mais a Hogwarts, dado que ele havia sido cúmplice, embora relutante, do assassinato de Alvo Dumbledore — principalmente por ter deixado Comensais da Morte entrarem no castelo —. O status real do crime é colocado sobre ele e, junto do medo da ira do Lorde das Trevas, Draco é levado a buscar um refúgio, acompanhado de seu família, em Voldemort, na esperança de cumprir suas ordens e evitar destaques ainda mais negativos.

Sua saída abrupta de Hogwarts deixa Vicente Crabbe e Gregório Goyle surpreendentemente solitários[47].

Sétimo ano

Conflito na Mansão Malfoy
"Não tenho... não tenho muita certeza."
— Draco se recusa a confirmar a identidade de Harry Potter na Mansão Malfoy[fnt]

Em meio ao verão de 1997, Draco, de forma relutante, acaba se tornando um membro ainda mais íntegro dos Comensais da Morte, como tal, o garoto participa de várias missões da organização. Devido a sua contribuição para com o assassinato de Alvo Dumbledore, Voldemort liberta seu pai, Lúcio, de Azkaban. Eventualmente, Draco presencia a morte de Caridade Burbage e tortura Thorfinn Rowle à mando do Lorde das Trevas. Julgando pelos comentários posteriores feitos por Vicente Crabbe, em meio a esse tempo, a família Malfoy aparentemente perde muito de sua influência entre os círculos sociais dos Comensais da Morte, dado que, em grande parte, Lorde Voldemort parou de favorecer Lúcio e começou a dar preferência para Belatriz Lestrange e Severo Snape, colocando-os, respectivamente, em seu pódio de favoritos.

Draco é chamado por seus pais para confirmar a identidade de Harry Potter

Draco cursa seu sétimo ano letivo em Hogwarts e, durante o feriado de Páscoa, é visto em sua casa na Mansão Malfoy. O garoto então é chamado por seus pais para confirmar as identidades de Harry, Rony e Hermione — o trio que até o momento havia sido capturado por um grupo de Sequestradores liderados por Fenrir Greyback — mas, no entanto, demonstra grande hesitação em realizá-lo. Eventualmente, quando Hermione, sob a Maldição Cruciatus, mente para Belatriz sobre a paradeiro da espada de Godrico Grifinória, Draco é enviado ao porão para buscar o duende Grampo e obter a confirmação da história contada pela jovem. Posteriormente, quando um conflito se segue, Draco tem sua varinha pega por Harry e toda a família Malfoy é detida na Mansão pelo próprio Lorde das Trevas.

Batalha de Hogwarts
Draco: "PARE! O Lorde das Trevas quer ele vivo..."
Vicente Crabbe: "Então? Eu não estou matando ele, estou? Mas, se eu puder, é o que farei, o Lorde das Trevas quer ele morto mesmo, qual é a dif...? [...] É aquela sangue-ruim! Avada Kedavra!"
Draco: "Não o mate! NÃO O MATE!"
— Draco tenta controlar seu comparsa Crabbe dentro da Sala Precisa[fnt]

Uma vez na escola e antes do início da Batalha de Hogwarts, Draco, junto de Crabbe e Goyle, escolhe permanecer no castelo, enquanto outros estudantes evacuavam Hogwarts, a fim de entregar Harry Potter pessoalmente a Lorde Voldemort. Dadas as observações anteriores feitas por Lúcio aludindo ao "perdão", é provável que Draco estava tentando realizar tal tarefa no intuito de redimir a falha de sua família aos olhos do Lorde das Trevas.

Draco, acompanhado de Gregório Goyle e Blásio Zabini [nos filmes], tenta adentrar a Sala Precisa para encurralar Harry

Eventualmente, ele, acompanhado de Crabbe e Goyle, segue o trio até a Sala Precisa, e lá, Draco tenta capturar Harry e recuperar o item o qual o garoto estava tentando localizar. No entanto, Draco acaba não conseguindo exercer o mesmo grau de controle em seus amigos que conseguia anteriormente, o que faz com que Crabbe — em sua tentativa insaciável de assassinar Harry — conjure a Maldição Fogomadito e cause a destruição total de todo o ambiente; Draco, junto de Goyle, é salvo por Harry, Rony e Hermione, enquanto Crabbe, entretanto, é morto durante o incêndio.

Em um momento posterior, o trio avista Draco novamente em meio a batalha; Malfoy implorava a um Comensal da Morte de que estava ao seu lado da luta. Harry estupora o Comensal enquanto Rony soca Draco, o chamando de "filho da mãe de duas caras", já que aquela havia sido a segunda vez em que os três salvavam a vida do garoto naquela mesma noite[48].

A família Malfoy durante a segunda metade da batalha

Após a derrota de Voldemort, Draco foi visto ao lado de seus pais sentado no Salão Principal. A família foi descrita como "se não soubesse se devia ou não estar nas celebrações de vitória"[49].

Embora não soubesse disso, no momento em que desarmou Dumbledore antes de sua morte, Draco foi capaz de dominar a Varinha das Varinhas — algo que resultou na derrota final de Lorde Voldemort pelas mãos de Harry Potter —. Isso se deve ao fato de que o Lorde das Trevas não foi capaz de compreender completamente a real lealdade do objeto ancestral e que, no momento em que desarmou Draco, Harry foi capaz de dominar completamente a Varinha das Varinhas.

Vida posterior (1998–2020)

"Eu gosto de pensar que Draco se tornou uma versão modificada de seu pai; rico de forma independente, sem a necessidade de trabalhar, Draco habita a Mansão Malfoy com sua esposa e filho. Vejo em seus hobbies mais uma confirmação de sua 'dupla natureza'. Sua coleção de artefatos das trevas retrata à história de sua família, embora ele os mantenha em caixas de vidro e não os use. No entanto, seu estranho interesse por manuscritos alquímicos, dos quais ele nunca tentou utilizar para fazer uma Pedra Filosofal, sugere um desejo incomum para algo além da riqueza, talvez até mesmo o desejo de se tornar um homem melhor. Tenho grandes esperanças de que ele criou Escórpio para ser um Malfoy muito mais gentil e tolerante do que ele próprio foi em sua juventude."
J. K. Rowling sobre a vida futura de Draco[fnt]

Draco sobreviveu ao cerco de Voldemort a Hogwarts tudo porque Harry e Rony salvaram sua vida. Após a batalha, seu pai, Lúcio, escapou da prisão à Azkaban porque forneceu evidências crucias contra outros Comensais da Morte, garantindo assim, a captura de vários seguidores de Lorde Voldemort que haviam se escondido ou até mesmo, desaparecido.

Os eventos finais de sua adolescência o mudaram para sempre. Draco possuía crenças em assuntos os quais ele cresceu sendo desafiado de uma maneira totalmente assustadora: experimentou terror e desespero, viu seus pais sofrerem perante a sua lealdade e testemunhou o desmoronamento de tudo em que sua família acreditava. Pessoas as quais Draco foi criado, ou então aprendeu a odiar, como Dumbledore, ofereceram-lhe ajuda e gentileza, assim como Harry Potter o salvou da morte em meio a Batalha de Hogwarts. Após os eventos finais da Segunda Guerra Bruxa, Draco se recusou a seguir a mesma e velha tradição de sangue puro que sua família prezava.

Draco e Astória acompanham Escórpio até a Plataforma Nove e Meia em 2017

Ele, eventualmente, se casou com Astória Greengrass, a irmã mais nova de sua colega de Casa Dafne Greengrass. Astória, que havia passado por uma redenção semelhante — embora menos violenta e assustadora — de ideais sangue puros para uma visão mais tolerante do mundo mágico, foi considerada uma decepção como nora para Lúcio e Narcisa Malfoy. Eles tinham grandes esperanças na garota cuja a família fazia parte dos 'Sagrados Vinte e Oito', mas assim como o esposo, Astória se recusou a criar seu único filho, Escórpio, com as crenças de que trouxas eram, na verdade, uma escória para os bruxos, portanto, todas as reuniões familiares eram frequentemente carregadas de tensão[50].

Posteriormente, em 1 de setembro de 2017, Draco e Astória acompanharam Escórpio até a Estação de King's Cross para embarcá-lo em seu primeiro ano letivo em Hogwarts. Na estação, Draco cumprimentou Harry, Rony, Hermione e Gina com um breve aceno de cabeça[51].

Já em 2020, Draco também se juntou a seus 'ex-inimigos' para voltar no tempo e acabar com os planos de Delphini Riddle em reviver Lorde Voldemort.

Aparência física

"Um adolescente pálido, de rosto pontudo e cabelos louro-brancos apareceu por trás da arara usando um belo conjunto de vestes verde-escuras, em que cintilavam alfinetes na barra da saia e das mangas."
— Descrição da aparência física de Draco[fnt]

Draco aos 13 anos

Draco era um garoto esguio que possuía cabelos louro-brancos[6], olhos frios e cinzentos[7][8], pele pálida e feições bastante definidas e pontudas[9]. Ele foi descrito como tendo uma boa aparência arrogante. Já na idade adulta, a linha capilar de Draco parecia estar diminuindo, fazendo com que suas feições aparentassem estar ainda mais pontudas[51]. Em seu primeiro e segundo ano, ele possuía um cabelo louro firmemente penteado para trás, sendo também, comumente, comparado ao pai no quesito de aparência física. Posteriormente, quando se juntou aos Comensais da Morte, Draco teve a Marca Negra queimada em seu antebraço esquerda. Desde a queda e morte de Lorde Voldemort, a Marca se tornou uma mera cicatriz.

Em seus primeiros cinco anos escolares, Draco mantinha uma aparência relativamente saudável. No entanto, a partir de seu sexto ano, quando o peso de sua missão passou a ficar ainda mais intenso, Draco perdeu seu semblante presunçoso, ficando também bastante magro, com sombras escuras sob os olhos e um tom acinzentado na pele.

Personalidade e traços

"Você escolheu o lado perdedor, Potter! Eu lhe avisei! Eu lhe disse que devia escolher com quem anda com mais cuidado, lembra? Quando nos encontramos no trem, no primeiro dia de Hogwarts? Eu lhe disse para não andar com ralé desse tipo! Tarde demais agora, Potter! Eles serão os primeiros a ir, agora que o Lorde das Trevas voltou! Sangues ruins e amantes de trouxas primeiro! Bom, em segundo lugar, Diggory foi o pr..."
— Draco provoca Harry Potter após o Retorno de Lorde Voldemort em 1995[fnt]

O comportamento arrogante de Draco

Draco foi, em geral, um valentão arrogante e rancoroso durante grande parte de sua educação em Hogwarts. Assim como Duda Dursley, sua natureza excessivamente narcisista foi derivada dos mimos que recebera de seus pais na infância, embora de acordo com o próprio Harry, Draco fosse ainda menos simpático do que o primo. Malfoy dizia-se superior à maioria das pessoas devido a linhagem inteiramente pura de sua família, bem como sua grande riqueza e posição social. Ele frequentemente portava-se de maneira cruel com nascidos trouxas, traidores de sangue, estudantes da Casa Grifinória e qualquer outro que fosse partidário de Harry Potter ou Alvo Dumbledore. Em meio grande parte de sua juventude, o garoto se igualou ao pai, Lúcio Malfoy, de forma fanática, gabando-se de sua influência e riqueza.

Draco era extremamente inteligente, astuto e perspicaz, sendo capacitado também de deduzir coisas facilmente e traçar planos brilhantes baseados em uma pequena quantidade de informações; ele descobriu através de uma experiência contada por Montague que os Armários Sumidoros de Hogwarts e da Borgin e Burkes estavam interligados, traçando assim, um meio de então, poder usar a tal passagem em seu benefício. No entanto, seus planos poderiam ter certas limitações quando relacionados a sua própria arrogância em lidar com outras pessoas; quando tentou sabotar Harry Potter durante uma partida de quadribol, Draco teve seu plano fraudado devido à sua não conclusão de que os dementadores poderiam possuir um forte efeito em Harry. Malfoy também era adepto em guardar suas emoções para si, sendo evidenciado por sua grande capacidade na área da Oclumência.

Draco começa a ceder a enorme pressão de sua missão

Porém, algo começou a mudar em sua mente quando, durante seu sexto ano letivo em Hogwarts, Draco se tornou um Comensal da Morte e teve como principal tarefa assassinar Alvo Dumbledore. O garoto, depois de uma série de tentativas inúteis de cumprir a tarefa, começou a ceder sob a enorme pressão que Lorde Voldemort vinha colocando sobre ele. Draco não tinha a certeza que seria capaz de realizar a missão, e por isso estava com medo de que ele e sua família pagassem o preço por seu fracasso; seu estresse o levou a imprudência, dado que suas duas tentativas haviam sido consideradas tolas por Severo Snape, e ele então, tentou amaldiçoar Harry Potter com uma Maldição Cruciatus.

Pelo decorrer do ano, a missão passada a Draco também o levou a negligenciar vários outros aspectos de sua vida escolar os quais ele anteriormente teria abusado ou desfrutado; ele rejeitou todos os seus deveres como monitor que antes teria abusado de bom grado; fingiu estar doente e pagou a outro estudante para substituí-lo durante uma partida de quadribol — ao contrário de três anos antes, quando ele assegurou que todas as partidas fossem adiadas até que sua lesão melhorasse; perdeu e não realizou dois deveres de casa de Transfiguração; se distanciou até mesmo de seus dois melhores amigos, Crabbe e Goyle, e os ordenou para que ficassem de guarda em frente a Sala Precisa sem lhes dizer nada; e ele também passou menos tempo zombando de Harry Potter e seus amigos, apesar das muitas oportunidades. No final das contas, Malfoy foi incapaz de assassinar Dumbledore.

Ao restante da Segunda Guerra Bruxa, Draco passou a ficar ainda mais desiludido com o estilo de vida dos Comensais da Morte. Ele relutantemente participou das atividades da organização e, no final da guerra, ainda permaneceu em cima do muro. Quando Harry, Rony e Hermione foram capturados por Sequestradores e levados até sua casa, Draco demonstrou grande hesitação em identificá-los na frente de Comensais da Morte. Além disso, em meio a Batalha de Hogwarts, o garoto mostrou uma preocupação genuína por Crabbe e Goyle — algo que raramente fazia.

Dado ao seu arrependimento por ter se tornando um Comensal da Morte e aos atos vis que eventualmente teve de realizar, quando se tornou adulto, Draco passou a ser um homem visivelmente mudado; abandonou qualquer tipo de preconceito que possuía em sua idade adolescente e se recusou a criar seu único filho com a velha e antiquada tradição sangue puro de sua família, já que ele próprio havia percebido o que tinha acontecido com sua família por conta disso. Por causas semelhantes, Draco se apaixonou profundamente por Astória Greengrass, apesar de a jovem não possuir a aprovação de seus pais por não atingir as expectativas que a família esperava de alguém que fazia parte dos Sagrados Vinte e Oito. Como esposo, Draco era muito amoroso e dedicado, estando totalmente disposto em abandonar a linhagem sucessora dos Malfoy para proteger a esposa de uma terrível maldição de sangue — já que o nascimento de uma criança colocava em risco toda a saúde e o bem-estar de Astória —. No entanto, apesar da antipatia de Lúcio, Draco acabou cedendo, pois Astória gostaria de deixar um filho para ele e não para crenças familiares. Sua sabedoria foi evidenciada pelo fato de que, embora estivesse tentado em usar o velho vira tempo de sua família para ver sua esposa por mais uma vez antes de sua morte, Draco abandonou o seu desejo e escolheu não arriscar colocar em risco toda a realidade que vivia, demonstrando o quão estava apaixonado por ela pois, embora estivesse com o poder de alterar o tempo para estar ao seu lado, ele foi capaz de, mesmo que por pouco, resistir a tal tentação avassaladora.

Um Draco adulto ao lado de seu único filho Escórpio

Embora o nascimento de Escórpio tenha causado a morte de Astória, o amor de Draco por seu filho era evidentemente grande, considerando também, o dia em que seu filho nasceu o melhor dia de sua vida. Tendo em vista o quanto seus pais o mimaram e que isso o levou a ser um jovem tão desprezível em sua juventude, Draco se esforçou ao máximo para criar seu filho como uma pessoa melhor. Ele não deixou que suas intrigas com Harry, Rony e Hermione atrapassem o vínculo que Escórpio tinha com Alvo Potter, apoiando totalmente a amizade dos dois; ele até a protestou contra Harry Potter após o último apoiar o afastamento da dupla, demonstrando o quanto ele valorizava a amizade de Alvo e Escórpio.

Seu relacionamento pessoal com seus "rivais de longa data" também passou de antagônico para tolerante; estando totalmente disposto para se juntar a Harry, Rony e Hermione para poder salvar Alvo e Scorpius e trabalhar efetivamente ao lado do trio para enfim derrotar Delphini Riddle que, apesar de ser uma parente de sangue — filha de sua tia Belatriz com seu "ex-mestre" Lorde Voldemort — Draco a tratava como se a garota fosse uma representação repugnante de seu passado como Comensal. Também em meio a tais acontecimentos, Draco passou a referir-se a Voldemort pelo seu próprio nome ao invés de "Lorde das Trevas" como fazia anteriormente em sua juventude, demonstrando sua autorredenção. Ele também passou a confiar na sorte e nos instintos de Harry e Hermione; obedecendo às ordens da Ministra da Magia sem hesitação e expressando seu impressionamento diante a seus ilustres comandos de batalha.

Capacidades e habilidades mágicas

"Ele não mentira, sabia voar bem."
— Harry admite a proficiência de Draco para voo[fnt]

Draco se provou um bruxo altamente capacitado desde jovem, possuindo uma série de habilidades mágicas impressionantes. Sua varinha era feita de pilriteiro, uma madeira que se acreditava colocar apenas sob posse de um bruxo cujo talento poderia ser realmente comprovado. Draco também, durante algum período de tempo, foi treinado por sua tia Belatriz para ser proeminente em vários ramos mágicos, como a Oclumência.

  • Oclumência: Conforme dito, em seu sexto ano escolar, Draco foi treinado por sua tia Belatriz para atingir um estado proeminente de magia durante sua missão. Como Malfoy já não possuía um nível alto de compaixão, ele conseguiu de forma fácil a capacidade para bloquear sua mente e se desassociar de suas emoções mais pessoais. Ele possuía habilidades suficientes em Oclumência para bloquear as inúmeras tentativas de Severo Snape — um poderoso Legilimens — de ler a sua mente.
  • Draco durante uma aula de poções em 1996

    Poções: Draco era proficiente neste ramo mágico por, possivelmente, ser favorecido por seu professor de poções, dado que Snape ocasionalmente lhe dava uma ajuda extra durante as aulas. Draco foi capaz de passar em seu exame dos N.O.M.s nesta matéria com uma nota entre "Excede Expectativas" e "Ótimo", já que ele, eventualmente, compareceu a primeira aula do Professor Slughorn em seu sexto ano escolar. Durante as aulas de Slughorn, Draco apresentou estar fora de controle; ele ficou coberto por "algo que se assemelhava a um gato adoentado" durante seu preparo de um antídoto misto e, eventualmente, Draco também produziu uma Solução dos Soluços apenas "passável". É implícito que tal desempenho pode ter sido causado devido ao imenso estresse e a ansiedade que Malfoy vinha sentindo ao longo daquele ano.
  • Defesa Contra as Artes das Trevas: Draco avançou para o nível N.I.E.M. desta matéria, o que significa que ele provavelmente alcançou uma nota entre "Excede Expectativas" e "Ótimo" em seu exame dos N.O.M.s. Ele demonstrou inúmeras habilidades em se defender de forma proficiente contra artes das trevas.
  • Magia não verbal: Draco dominou vários feitiços não verbais durante sua educação escolar, incluindo o bloqueio de muitos feitiços sem varinha; tal prática requer uma grande habilidade e concentração para ser realizada, dado ao alto nível de dificuldade e precisão que é exigido para executar feitiços dessa maneira.
  • Draco e Harry disputam a captura do pomo de ouro em 1992

    Voo: Evidenciando suas habilidades de voo já em seu primeiro ano letivo em Hogwarts, Draco era um ótimo voador, tal como, entrou para o time de quadribol de sua casa na posição de apanhador no ano letivo seguinte. Embora sua entrada na equipe tenha sido aprimorada pelo suborno que seu pai forneceu ao presentear todo o time com novas Nimbus 2001, Draco possuía talento o suficiente para jogar em campo — embora Harry Potter ainda pudesse superá-lo com sua habilidade nata, apesar da suposta experiência de Malfoy e de sua vassoura superior —. Quando Draco recusou-se a jogar em 1996, todo o time sofreu muito devido ao fato de que seu substituto se sobressaia de forma terrível — algo que sugere o fato de que nenhum membro da Casa Sonserina naquele ano jogasse de forma mais habilidosa que Draco.
  • Duelo: Draco foi um duelista bastante competente durante boa parte de sua infância, uma habilidade que ele provavelmente herdara de seus pais. Ele foi capaz de executar o Feitiço da Perna Presa já em seu primeiro ano escolar em Hogwarts, uma realização que, segundo Rúbeo Hagrid, nenhum primeiranista conseguiria realizar. Já no ano letivo seguinte, Draco conseguiu realizar um Everte Statum tão poderoso que arremessou seu oponente para o outro lado do salão, e, mesmo que estivesse submetido a um ataque de risos causado por um feitiço das cócegas, Draco conseguiu acertar Harry Potter com um Feitiço dos Pés Dançantes certeiro; a rodada do duelo se encerrou em uma paralisação como resultado. Eventualmente, ele foi capaz de enfrentá-lo outra vez, executando um feitiço de forma tão rápida quanto, fazendo com que ambas as magias ricocheteassem. Em seu sexto ano, tendo sido treinado por Belatriz Lestrange, as habilidades duelísticas de Draco evoluíram de forma considerável, dado que ele foi capaz de se sobressair contra Harry — queDraco-and-the-paper-crane-600x0-c-default.jpg na época teve de enfrentar vários Comensais da Morte muito mais experientes — entregando vários feitiços não-verbais com uma facilidade e velocidade surpreendente, algo que a maioria dos sextanistas eram incapazes de realizar. Ele também foi capacitado de resistir aos ataques de Harry; no entanto, o garoto foi mais rápido o suficiente para amaldiçoar Draco, lançando-lhe uma Maldição Sectumsempra antes que Draco pudesse lhe atingir com a Maldição Cruciatus. Aos quarenta anos, pelo que ele mesmo tenha admitido ter sido anos de prática, as habilidades mágicas de Draco haviam melhorado de forma considerável e, apesar da idade avançada, ele permaneceu um duelista formidável, capacitado de duelar contra Harry — que havia sido chefe do Departamento de Execução das Leis da Magia e da Seção dos Aurores por vários anos — até um empate, conseguindo acertar e desviar de vários feitiços que seu oponente conseguira lhe acertar.

Draco transfigura um pedaço de papel em um pássaro

  • Transfiguração: Draco também demonstrou ser talentoso neste campo mágico desde muito jovem, dado que ele foi capaz de conjurar uma serpente— uma área avançada da transfiguração que é aprendida apenas a partir do sexto ano adiante — em seu segundo ano letivo em Hogwarts. Ele também se qualificou com sucesso nessa matéria, avançando para o nível N.I.E.M. em 1996, o que significa que ele obteve uma nota entre "Excede Expectativas" e "Ótimo" em seu N.O.M. Eventualmente, em 2020, Draco executou facilmente o Feitiço Incarcerous quando duelou com Harry Potter e foi capaz de ajudar Rony, Hermione e Gina a transfigurá-lo em uma duplicata exata de Lorde Voldemort, exibindo seu alto nível de habilidade e conhecimento nessa área, dado que a Transfiguração Humana em um nível de personificação completo é um feito bastante complexo e exigente.
  • Feitiços: Draco provou-se ser um bruxo altamente proficiente com feitiços. Em seu sexto ano, o garoto foi capaz de executar o complicado e avançado feitiço de Proteu — a proeza foi ainda mais evidenciada como enigmática pois, a única estudante conhecida de mesma idade capaz de realizar tal magia tenha sido Hermione Granger; embora a garota tenha dominado o feitiço um ano antes de Draco sequer conhecê-lo. Malfoy também pôde executar com extrema eficacia o feitiço dos Pés Dançantes em Harry Potter durante uma reunião do Clube de Duelos em 1992. Posteriormente, Draco conseguiu desarmar Alvo Dumbledore, que possuía a Varinha das Varinhas, durante à Batalha da Torre de Astronomia em 1997. O jovem também foi capaz de lançar com sucesso um feitiço escudo contra os inúmeros feitiços ofensivos lançados por seu adversário Harry Potter em outro duelo. Já em seu sétimo ano, Draco conseguiu executar o Feitiço da Desilusão em si mesmo, e em Crabbe e Goyle, para que nem mesmo Harry, Rony e Hermione conseguissem detectá-los — algo que prova seu talento para com meios altamente avançados de magia. Ele também enfeitiçou um misero pássaro de papel para fazê-lo voar como um animal de verdade. Em 2020, Draco exibiu uma evolução notável em suas habilidades com feitiços, fazendo uso eficaz de tal durante um combate contra Harry Potter; ele foi notavelmente capaz de atalhar o feitiço de desarmamento lançado por seu adversário e propriamente utilizar o Mobilicorpus contra Harry, conseguindo colocá-lo embaixo de uma mesa. Eventualmente, ele usou com facilidade o feitiço de levitação para levitar Delphini Riddle e silenciá-la com um feitiço silenciador.
  • Artes das Trevas: Draco demonstrou proficiência para artes das trevas desde muito novo, dado que, foi capaz de executar rapidamente inúmeras azarações durante seus anos escolares em Hogwarts com o intuito de humilhar outros estudantes. Entre elas estão; o Feitiço da Perna Presa, a Maldição para Amarrar a Língua, Maldição Flipendo, Azaração Densaugeo, Azaração Melofors, o Feitiço do Corpo Preso e um feitiço escuro não especificado. Em seu sexto ano escolar, Draco se sobressaiu ao executar pelo menos duas das Maldições Imperdoáveis, sendo elas, a Maldição Cruciatus e a Maldição Imperius — algo que contribuiu para a sua formação como um Comensal da Morte —. Ambas são maldições extremamente complicadas e poderosas que nem mesmo muitos bruxos veteranos conseguem executar; sua incrivel e hábil tia Belatriz pode ter se encarrecado de ensiná-las enquanto ajudava o garoto com a arte da oclumência e uma série de feitiços não-verbais. A maldição Imperius de Draco foi poderosa o suficiente para segurar Madame Rosmerta por quase um ano, enquanto, em contrapartida, o garoto também utilizasse da Maldição Cruciatus para punir Thorfinn Rowle. É provável que Draco tenha a capacidade (mas não a vontade) de executar a Maldição da Morte também. Enquanto duelou contra Harry Potter em 2020, Malfoy foi capaz de lançar rapidamente uma série de azarações com facilidade, como aMaldição Levicorpus, juntamente com a Azaração Densaugeo e Flipendo, demonstrando suas capacidades para artes das trevas mesmo depois de não exercer como Comensal da Morte.
  • Alquimia: Após se formar em Hogwarts, Draco passou a estudar Alquimia como hobby.
  • Reparo mágico: Draco obteve êxito em consertar um Armário Sumidouro em seu sexto ano escolar — embora tenha obtido uma ajuda relativa do Sr. Borgin e tenha levado a maior parte do ano para repará-lo —. O armário havia sido danificado por Pirraça em 1992 e Draco o consertou, embora a ligação mágica que a peça possuía não fora quebrada durante o ocorrido.

Posses

Relacionamentos

Família

Seus pais

"Não tenho opções! Tenho de fazer isto. Ele me matará! Ele matará minha família toda!"
— Draco para Alvo Dumbledore sobre as ameaças do Lorde das Trevas[fnt]

A Família Malfoy em 1998

Lúcio e Narcisa Malfoy mimaram seu único filho. Em 1991, Narcisa enviava diariamente pacotes doces para o filho. Já em 1992, Lúcio presenteou toda a equipe de quadribol da Sonserina com as vassouras mais caras da época logo após Draco se tornar o apanhador do time[53]. Narcisa também se recusou a enviar o filho para o Instituto Durmstrang, como Lúcio originalmente desejava, insistindo que o queria mais perto de casa — apesar de Lúcio querer Draco afastado do convívio com nascidos trouxas em Hogwarts e, dado que Durmstrang era conhecida por ensinar artes das trevas ao invés de apenas defesas, o desejo de Narcisa foi cumprido, Draco foi mandado para não muito longe de casa, em Hogwarts[54].

Lúcio foi descrito como mais frio e exigente que a esposa, criticando o filho por tirar notas mais baixas que Hermione Granger, uma nascida trouxa. Apesar disso, Draco o admirava, gabando-se frequentemente de sua influência e poder, se esforçando para se igualar cada vez mais a Lúcio. Além disso, por ter tentado usar o nome de seu avô, Abraxas, para encantar Horácio Slughorn, é provável que Draco possuísse um nível de respeito semelhante por seu avô[55].

Draco e Lúcio em 1992

É evidente que, pelo menos durante a Segunda Guerra Bruxa, os Malfoy se importavam muito mais com a própria segurança do que seguir Lorde Voldemort. Draco realizou uma tarefa dada por Voldemort em seu sexto ano letivo em Hogwarts apenas para salvar a vida de seus pais que estava em jogo — parecendo estar tentado em aceitar a oferta de Alvo Dumbledore de mantê-los seguros antes que Severo Snape intercedesse e matasse o diretor —. Durante a Batalha de Hogwarts, Lúcio e Narcisa ao menos tentaram lutar, a invés disso, eles procuravam freneticamente pelo filho. Narcisa chegou a mentir diretamente para Voldemort sobre a morte de Harry Potter, com o intuito de retornar a Hogwarts e encontrar Draco — o que também segue a teoria de que Harry fora salvado pelo amor de uma mãe mais de uma vez.

Assim como os pais, Draco possuía habilidades formidáveis para duelo e Oclumência, podendo dominar as Maldições Cruciatus e Imperius.

No entanto, após a guerra, o relacionamento entre Draco e os pais parece ter oscilado um pouco, dado que Lúcio e Narcisa consideravam Astória uma decepção — principalmente pela jovem não possuir as ideologias supremacistas e preconceituosas que ainda perpetuavam o casal —. O próprio Draco havia perdido o fanatismo por bruxos sangues puros. Eventualmente, o fato de Draco estar completamente disposto em deixar a linhagem Malfoy acabar consigo para preservar a saúde de Astória devido a sua maldição ganhou a antipatia de Lúcio. Independentemente, o jovem não perdeu seu favoritismo dos pais, tendo herdado a Mansão Malfoy e uma coleção repleta de artefatos antigos[56].

Esposa e filho

Algum tempo após o fim da guerra, Draco se casou com Astória Greengrass, cuja a irmã mais velha estava no mesmo ano que ele em Hogwarts. Juntos, eles tiveram um único filho, nomeado de Escórpio.

Draco, Astória e Escórpio em 2017

Draco e a esposa evidentemente amaram e educaram o filho da maneira certa, criando-o para ser uma pessoa melhor do que Draco fora quando mais novo — isso foi comprovado pela maneira doce e sensível que Escórpio fora apresentado; o rapaz chegou a se apaixonar por Rosa Weasley, filha de dois ex-rivais de Draco, e se tornar o melhor amigo de Alvo Potter, filho do então arquirrival de Draco Harry Potter. Astória e Draco consideravam o dia do nascimento do filho o melhor dia de suas vidas[56].

A morte repentina de Astória deixou Draco desolado, fazendo-o considerar a utilizar um vira tempo de forma ilegal para poder ver sua amada novamente, embora ele tenha resistido à tentação[56]. O Malfoy também considerou deixar a linhagem da família Malfoy terminar consigo para preservar a saúde de Astória, desconsiderando as vontades de Lúcio. Draco certamente criou Escórpio de uma maneira mais estreita do que a qual fora criado; ele puniu Escórpio após todo o ocorrido com o vira tempo, estando altamente disposto em ouvir a punição que a diretora McGonagall aplicaria ao filho[56].

Belatriz Lestrange

"Ah... tia Belatriz tem lhe ensinado Oclumência, entendo."
Severo Snape[fnt]

Belatriz Lestrange, sua tia materna

Belatriz Lestrange era a tia materna de Draco, sendo assim, a irmã de Narcisa. Quando mais novo, Draco não teve muita interação com a tia graças a pena que Belatriz cumpria em Azkaban por torturar os dois aurores Franco e Alice Longbottom, pais do colega Grifinório de Draco, Neville Longbottom, até à insanidade. No entanto, Draco não sentiu vergonha alguma dos crimes que a tia havia cometido contra a sociedade bruxa, algo que muitos rotulavam como vergonhoso. Depois de Belatriz escapar de Azkaban quando Draco estava em seu quinto ano letivo em Hogwarts, ela duelou contra Harry Potter e seus amigos em uma batalha ocorrida no Ministério da Magia Britânico e foi a única Comensal da Morte a não ser capturada; O pai de Draco, que também estava no conflito, foi preso. Após Draco receber uma missão como Comensal, Belatriz o ajudou e o ensinou a arte da Oclumência, a como proferir feitiços não verbais e a Arte das Trevas. Ela também achava que sua irmã, Narcisa, deveria se orgulhar do filho ter se tornado um Comensal da Morte.

Em 1997, Belatriz residiu por alguns meses na Mansão Malfoy para ficar mais próxima de Voldemort, que também estava hospedado lá. Ela e Draco participaram da escaramuça que ocorreu na residência; Draco relutantemente assistiu a tia torturando Hermione Granger, uma colega de escola. Eventualmente, em 1998, Belatriz foi assassinada por Molly Weasley.

Não se sabe como Draco reagiu a sua morte, mas é provável que ele tenha ficado aborrecido, dado que Belatriz aparentou possuir afeição alguma pelo rapaz. No entanto, por Draco e sua família terem lamentado sua fidelidade para com Voldemort, e que Draco tenha abandonado suas crenças puros sangues após a guerra, é possível que sua opinião sobre a tia tenha mudado consideravelmente, dado que ela era fanaticamente leal e obcecada pelo Lorde das Trevas. Além disso, apesar de Delphini ser a filha de Belatriz e, portanto sua prima, Draco não hesitou em ajudar na prisão da garota após a mesma ameaçar a vida de seu filho, Escórpio.

Outros membros da família

Lorde Voldemort: "Estou falando de sua sobrinha. E de vocês também, Lúcio e Narcisa. Ela acabou de se casar com o lobisomem Remo Lupin. A família deve estar muito orgulhosa."
Belatriz: "Ela não é nossa sobrinha, Milorde... A fedelha não tem a menor ligação conosco, nem qualquer fera com quem se case."
Lorde Voldemort: "E você, Draco, que diz? Vai bancar a babá dos filhotes?"
Lorde Voldemort insulta os Malfoy em relação à Ninfadora Tonks[fnt]

Ninfadora Tonks, sua prima

Draco não era próximo de sua tia Andrômeda, que havia sido excomungada da família por se casar com um nascido trouxa Ted Tonks, ou de sua prima Ninfadora. Assim como a grande maioria da família, ele provavelmente os desprezava; Andrômeda foi considerada uma traidora do sangue e Ninfadora era uma metamorfomaga, em outras palavras, mestiça. Além disso, Tonks casou com Remo Lupin, um lobisomem. Foi mencionado que os Comensais da Morte utilizavam dessas alegações para humilhar Draco e, como o rapaz temia o Lorde das Trevas, seus sentimentos sobre o assunto são desconhecidos[57].

Tonks se referia a Draco como o "O menino Malfoy", indicando que ela ou não sabia seu nome ou o desprezava demais para se importar. Ela também não mencionou sua relação com o primo. Da mesma forma, Draco indiferente ao seu primo de primeiro grau Sirius.

Ambos foram assassinados por Belatriz; Sirius durante a Batalha do Departamento de Mistérios e Tonks durante a Batalha de Hogwarts. Também da família, sua prima Delphini, filha ilegítima de Belatriz e Lorde Voldemort, a qual Draco duelou ao lado de Harry Potter em 2020, foi tratada de forma indiferente por ele — após a garota realizar uma série de atrocidades, entre elas tentar assassinar o filho de Draco Escórpio, Draco ajudou em sua captura.

Vicente Crabbe e Gregório Goyle

"À mesa da Sonserina, Crabbe e Goyle cochichavam. Corpulentos como eram, pareciam estranhamente solitários sem a companhia da figura alta e pálida de Malfoy entre os dois, despachando ordens."
— Crabbe e Goyle após Draco deixar Hogwarts em 1997[fnt]

Draco, Crabbe e Goyle em 1992

Os dois companheiros constantes de Draco ao longo de sua vida acadêmica em Hogwarts eram Vicente Crabbe e Gregório Goyle. A dupla frequentemente se envolvia em meio aos confrontos de Draco com Harry, Rony e Hermione. Embora Malfoy tenha, muitas vezes, deixado claro que os considerava estúpidos demais — uma alegação legítima — e os tratado mais como lacaios do que como amigos, ele demonstrou uma preocupação genuína por eles e pelo resto de seu grupo em algumas ocasiões; quando Goyle foi mordido por Perebas, o rato de Rony, Draco o esperou antes de sair correndo, e também se apresentou preocupado quando Goyle foi azarado por Harry Potter. Eventualmente, Dumbledore expressou seu desgosto com Draco por admitir Fenrir Greyback "na escola onde seus amigos vivem" — o Malfoy negou, dizendo que não sabia da possibilidade de Greyback integrar a missão[58] —. A saída abrupta de Draco e de suas atividades criminosas deixou Crabbe e Goyle estranhamente solitários para Harry, já que eles, normalmente, eram visto entre Draco, seguindo ordens.

Durante o confronto final entre Harry e Draco na Sala Precisa, em meio à Batalha de Hogwarts, Malfoy já não exercia muito controle sobre a dupla; Crabbe, em particular, respondeu duramente às tentativas de Draco de impedi-los de assassinar Harry. Eventualmente, Draco tentou desesperadamente salvá-los do fogomaldito que Crabbe havia desencadeado sobre a sala, ajudando Goyle a ser colocado para cima da vassoura de Rony e Hermione, e ficou bastante alarmado com a morte de Crabbe. Embora tenha sido Rony e Hermione que salvaram Goyle do fogo, se não fosse por Draco ter arrastado o colega para um local seguro, Rony e Hermione nunca teriam salvado Goyle, então, pode-se considerar, que fora Draco quem salvou a vida de Goyle[59].

Já em 2020, Draco admitiu para Harry e Gina que seu relacionamento com Crabbe e Goyle nunca poderia ter sido chamado de amizade, dado que eles possuíam pouco em comum, exceto pelos preconceitos que haviam herdado de suas respectivas família. Malfoy também apresentou a inveja que sentia da amizade genuína de Harry com Rony e Hermione, em contraste ao vazio superficial de sua amizade com seus dois "melhores amigos" em Hogwarts.

Pansy Parkinson

Draco: "Quero dizer, talvez eu nem esteja em Hogwarts ano que vem, que diferença faz se um velho gordo e decadente gosta ou não de mim?"
Pansy Parkinson: "Como assim, você talvez não esteja em Hogwarts no ano que vem?"
Draco: "Ora, nunca se sabe. Eu talvez venha... ãh... a me dedicar a coisas maiores e melhores."
Pansy Parkinson: "Você está se referindo a... ele?"
— Draco conta a Pansy sobre sua iniciação como Comensal da Morte[src]

Pansy Parkinson, uma amiga íntima

Pansy Parkinson era uma garota da Sonserina e amiga íntima de Draco que estava no mesmo ano escolar que ele em Hogwarts. Ela, comumente, o bajulava, rindo alto de suas piadas sarcásticas, demonstrou uma grande preocupação com o garoto quando Draco foi arranhado por Bicuço, o Hipogrifo, em 1993, e o acompanhou ao Baile de Inverno em 1994. Os dois integraram à Brigada Inquisitorial e se tornaram monitores em 19951996. Eles também foram descritos como "particularmente" próximos durante o ano letivo de 1996–1997; Draco foi visto com a cabeça deitada no colo de Pansy, enquanto tinha seus cabelos acariciados pela garota a bordo do Expresso de Hogwarts. Pansy também não perdeu tempo ao espalhar para a escola toda que Harry tinha cortado Draco com uma maldição mortal, Sectumsempra. Algum tempo depois, no entanto, a amizade da dupla pareceu oscilar. Se ela já foi namorada de Draco é desconhecido, dado que ele eventualmente se casou com Astória Greengrass.

Teodoro Nott

Draco também foi amigo de Teodoro Nott, uma das poucas pessoas que ele considerava como igual; Teodoro era tão sangue puro e inteligente quanto ele. No entanto, Nott foi descrito como solitário e não sentia compelido o suficiente para integrar nenhum grupo, incluindo o de Draco. Os dois riram do status sanguíneo de Hermione em 1994, e Teodoro também foi visto ao lado de Draco e seu grupo após Harry listar os nomes de seus pais para um artigo d'O Pasquim em 1995. Também foi dito que eles já se conheciam antes de chegarem à Hogwarts.

Blásio Zabini

Blásio Zabini foi amigo de Draco durante o ano letivo de 1996-1997. Eles dividiram uma cabine no Expresso de Hogwarts e discutiram o fato de Harry Potter, Neville Longbottom e Gina Weasley integrarem o Clube do Slugue. Blásio também foi uma das poucas pessoas que Draco contou sobre sua missão, porém ele não pareceu pensar muito na nova posição de Draco.

Marcos Flint

Draco também aparentou ser amigável com Marcos Flint, como mostrado o quanto Flint o defendeu contra Fred e Jorge Weasley, e quando ele ajudou Draco e seu grupo em suas tentativas de perturbar Harry em meio a uma partida de Quadribol, disfarçando-se como um dementador. Flint, no entanto, não hesitou em repreender Malfoy após o garoto não conseguir capturar o pomo de ouro durante uma partida em 1993 — Draco estava ocupado demais tirando sarro de Harry para perceber sua presença.

Severo Snape

"Professor, por que é que o senhor não se candidata ao lugar de diretor? ... Vou dizer ao meu pai que o senhor é o melhor professor que temos [..]"
— A opinião de Draco sobre Severo Snape[fnt]

Severo Snape, seu professor, Mestre das Poções e diretor de casa

Severo Snape era o professor que Draco mais respeitava inicialmente, como tal, Snape era seu Mestre de Poções e Diretor de Casa. Ele, por sua vez, estabeleceu Draco como seu aluno favorito e mostrou-lhe clemência imerecida em várias ocasiões, algo que provavelmente foi derivado da "camaradagem" de longa data que Snape possuía com o pai de Draco, ou a pretexto disso, dado que Snape desertou dos Comensais da Morte. Draco até afirmou que o professor deveria logo se candidatar a diretor, depois de Dumbledore ter sido suspenso brevemente durante o ano letivo de 1992–1993.

No entanto, após a prisão de Lúcio em Azkaban, Draco passou a ressentir e a desconfiar de Snape, acreditando que ele havia armado para o pai de Draco com o intuito de substituí-lo como servo fiel de Voldemort. Como tal, Draco evitou Snape grande parte do ano letivo, recusando sua ajuda e até o agredindo verbalmente. No entanto, o Mestre das Poções continuou a protegê-lo; quando Draco foi pego espreitando do lado de fora da festa de Natal do Professor Slughorn, Snape não o puniu quando Draco se recusou a atender sua convocação em seu escritório. Eventualmente, ele tornou a proteger Malfoy logo após a Batalha da Torre de Astronomia; quando questionado por Voldemort sobre as atitudes de Draco para com o assassinato de Dumbledore, Snape mentiu, dizendo ao Lorde das Trevas que Draco não havia abaixado sua varinha e enfatizou a habilidade que o jovem estudante teve ao trazer Comensais da Morte para Hogwarts, bem como encurralar Dumbledore, o que permitiu sua morte. A defesa de Snape sobre Draco salvou a vida do garoto e convenceu Voldemort a libertar Lúcio de Azkaban — após isso, os dois se reconciliaram.

Não se sabe como Draco reagiu a morte de Snape em 1998, durante a Batalha de Hogwarts, ou de sua verdadeira lealdade à Ordem da Fênix. No entanto, dada a sua própria desilusão para com os Comensais, é provável que Malfoy tenha simpatizado com seu falecido professor.

Harry Potter

Draco: "Você não vai demorar a descobrir que algumas famílias de bruxos são bem melhores do que outras, Harry. Você não vai querer fazer amizades com as ruins. E eu posso ajudá-lo nisso."
Harry Potter: "Acho que sei dizer qual é o tipo ruim sozinho, obrigado."
Draco: "Eu teria mais cuidado se fosse você, Harry. A não ser que seja mais educado, vai acabar como os seus pais. Eles também não tinham juízo. Você se mistura com gentinha como os Weasley e aquele Rúbeo e vai acabar se contaminando."
— Harry e Draco discutem pela primeira vez a bordo do Expresso de Hogwarts[fnt]

Harry Potter, seu arquirrival de escola que mais tarde veio a se tornar um aliado e amigo

Draco se tornou o arquirrival de Harry Potter quase imediatamente depois que eles se encontraram pela primeira vez na Madame Malkin, pouco antes de seu primeiro ano letivo em Hogwarts. Malfoy, a princípio, se interessou em aproximar de Harry devido a sua fama, mas o garoto não se impressionou o seu jeito arrogante. Pelo resto de suas vidas acadêmicas, a dupla passou a se odiar, tentando se superar sempre que possível, embora Harry, quando se comparado a Rony, fosse menos propenso a incorporar a violência contra Draco. A animosidade dos dois atingiu seu auge logo depois de Lúcio Malfoy ser enviado para Azkaban após os eventos da Batalha do Departamento de Mistérios.

Depois de descobrir tudo o que Draco havia passado durante o ano letivo de 1996–1997, Harry começou a sentir um pouco de pena pelo garoto — um sentimento que foi intensificado quando Harry testemunhou o peso que Voldemort colocava sobre Draco —. Durante aquele ano letivo, Harry quase assassinou Draco com o uso da Maldição Sectumsempra, mesmo sem saber oque o feitiço de fato causaria em seu adversário. O próprio Harry, eventualmente, ficou totalmente horrorizado e culpado pelo que havia feito. No entanto, apesar da inimizade entre a dupla, deve-se notar que Draco demonstrou grande relutância em identificar Harry e seus amigos para Lorde Voldemort. Por sua vez, Harry o salvou duas vezes em meio à Batalha de Hogwarts. É importante ressaltar que a principal razão por trás da rixa de Draco com Harry era na verdade causada por inveja.

Entrevistador: "Draco e Harry perderam a animosidade um pelo outro após a morte de Voldemort?"
J. K. Rowling: "Na verdade não. Houve uma espécie de reaproximação, pois Harry sabia que Draco odiava ser um Comensal da Morte, e não teria matado Dumbledore; de qualquer jeito, Draco sentiu uma gratidão relutante por Harry ter salvo sua vida. Amizade verdadeira esteve fora de questão, no entanto. Muita coisa aconteceu antes da batalha final."
J. K. Rowling comenta a relação de Harry e Draco[fnt]

Ao longo dos anos, Draco e Harry fizeram as pazes como adultos, mas ainda não eram amigos quando Escórpio e Alvo inciaram seus estudos em Hogwarts. Isso, eventualmente, se desenvolveu em um relacionamento mais cordial, dada a amizade de seus filhos. Draco amadureceu, de certa forma, para confiar na sorte e nos instintos de Harry ao longo dos anos, sabendo que ele sempre estaria no meio da ação quando se necessário, e para compartilhar um relacionamento respeitoso e amigável com o filho de Harry, Alvo, confiando no jovem garoto para ajudar seu filho, Escórpio, a se curar da perda recente da mãe.

Harry e Draco, adultos, durante os acontecimentos de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Durante todos os eventos com Delphini, Draco confessou muitas coisas para Harry, discutindo a princípio, de uma maneira bastante distante, os detalhes sobre sua esposa antes e depois de sua morte, bem como, sobre o vira tempo escondido de sua família. Os dois finalmente atingiram um respeito mútuo um pelo outro, reconhecendo-se como amigos pela primeira vez, embora ainda, não estivesse completamente próximos, apesar de muitas confissões. Draco chegou até a admitir o quanto invejou a amizade genuína entre Harry, Rony e Hermione.

Draco era primo de primeiro grau de pelo menos um membro da família Potter, através da grande Casa dos Black. É quase certo que o referido Potter fosse parente de Harry, mas não se sabe se ele e Draco sabiam disso.

Família Weasley

"Acha meu nome engraçado, é? Nem preciso perguntar quem você é. Meu pai me contou que na família Weasley todos têm cabelos ruivos e sardas e mais filhos do que podem sustentar"
— Draco encontra Rony Weasley pela primeira vez[fnt]

A família Weasley (sem Gui e Carlinhos)

A família Malfoy geralmente desprezava a família Weasley por conta de sua falta de riquezas e por seu status como "traidores de sangues", um sentimento que Draco deixou evidente de imediato quando conheceu Rony Weasley a bordo do Expresso de Hogwarts. Os dois possuíam uma hostilidade que espelhava a de seus pais, muitas vezes eles se insultavam e tendiam a violência física durante grande parte de seus desentendimentos. Draco também escreveu a letra da música "Weasley é o Nosso Rei" apenas para caçoar e debochar das habilidades de Rony como goleiro do time de quadribol da Grifinória.

Quando Crabbe incendiou a Sala Precisa, Rony, com certa relutância, ajudou Harry e Hermione a salvarem Draco e Goyle. Quando o trio novamente salvou a vida de Draco naquela noite, Rony o socou e o chamou de ""filho da mãe de duas caras"[48]. Embora essa inimizade pareça ter desaparecido com o tempo, Rony desencorajou sua filha Rosa de se tornar amiga do filho de Draco, Escórpio.

Draco possuía menos interação com outros membros da família Weasley. Fred e Jorge Weasley tentaram agredi-lo fisicamente duas vezes; na primeira vez, foi quando Draco chamou Hermione Granger de "sujeitinha de sangue ruim" e a segunda vez foi depois de Draco insultar Molly e Arthur Weasley, bem como a mãe de Harry, Lílian Evans. Os gemêos também fizeram questão de azarar Draco, junto de outros membros da Brigada Inquisitorial, quando eles abandonaram Hogwarts.

Gina também teve alguns encontros hostis com Draco, mais notavelmente na vez em que ela acertou Draco com uma azaração para rebater Bicho-Papão quando a Brigada Inquisitorial tentou encurralá-la em 1996. Draco também parecia não gostar de Percy, demonstrando pouco respeito por ele quando esse foi nomeado monitor-chefe.

Hermione Granger

Draco: "Boas, não são? Mas quem sabe o time da Grifinória pode levantar um ourinho e comprar vassouras novas, também. Você podia fazer uma rifa dessas Cleansweep 5; imagino que um museu talvez queira comprá-las"
Hermione Granger: "Pelo menos ninguém do time da Grifinória teve de pagar para entrar. Entraram por puro talento."
Draco: "Ninguém pediu sua opinião, sua sujeitinha de sangue ruim"
— Draco, após se tornar apanhador, provoca o time de quadribol da Grifinória[fnt]

Hermione Granger, sua inimiga a qual ele era acostumado intimidar

O relacionamento entre Draco e Hermione Granger foi definido antes mesmo de os dois se conhecerem, embora eles nunca tenham interagido diretamente até o segundo ano letivo em Hogwarts. Draco foi criado para acreditar na inferioridades dos nascidos trouxas, e, em seu segundo ano, ele foi repreendido por seu pai por deixar que Hermione, uma nascida trouxa, tirasse notas mais altas que ele no ano letivo anterior. Assim, Draco passou a provocar Hermione frequentemente, chamando-a do termo depreciativo "sangue ruim".

Durante o período em que o basilisco de Salazar Slytherin estava atacando estudantes nascidos trouxas, Malfoy relatou a Crabbe e Goyle — Harry e Rony disfarçados pela Poção Polissuco — que ele ansiava por Hermione ser a próxima vítima. Embora a garota ignorasse ocasionalmente as provocações de Draco, os dois discutiam frequentemente. Eventualmente, em 1993, Hermione estapeou Draco após esse insultar Rúbeo Hagrid. No entanto, já em 1996, quando ele encontrou com o trio na Madame Malkin, Draco perguntou quem havia sido o agressor que deixara Hermione de olho roxo, para que pudesse o "enviar flores" — a garota havia sido, na verdade, vítima de um telescópio esmurrador[60]. Apesar de sua antipatia e preconceito por Hermione, Draco ainda aconselhou Harry e Rony para levá-la em segurança até um local seguro em meio ao conflito na Copa Mundial de Quadribol em 1994, embora tenha feito isso de maneira provocante, e demonstrou certa relutância em identificar a garota para sua tia Belatriz, evitando até mesmo, olhar para ela.

Em 2017, quando Rony incentivou sua filha a não se associar com o filho de Draco, Hermione expressou uma atitude mais conciliadora. No entanto, Escórpio, o filho de Draco, chegou a desenvolver uma paixão profunda por Rosa, a filha de Hermione. Embora a relação entre Draco e Hermione tenha melhorado um pouco após a guerra, Draco brincou com o fato de estar recebendo comandos de batalha de Hermione durante uma emboscada armada para Delphini em 1981, achando a situação sombriamente divertida.

Neville Longbottom

"Longbottom, se miolos fossem outro, você seria mais pobre do que o Weasley, e isso já é muita coisa."
— Malfoy insulta Neville em 1991[fnt]

Neville Longbottom, seu inimigo o qual ele era acostumado a intimidar

O inicialmente tímido e desajeitado Neville Longbottom regularmente recebia insultos de Draco e seu grupo e muitas vezes era o alvo de suas piadas e travessuras — um fato que contribuiu para a insegurança e gerou traumas para o garoto —. Incentivado por Harry, Rony e Hermione a se defender, Neville cresceu e se tornou alguém difícil de intimidar durante seus últimos anos em Hogwarts, resistindo a não só aos alunos da Sonseirna, mas também aos Comensais da Morte Aleto e Amico Carrow e Severo Snape. Durante a Batalha de Hogwarts, Neville provou realizar uma reviravolta impressionante em reflexo aos anos que sofria bullying de Draco; ele desafiou Lorde Voldemort abertamente e decapitou Nagini, destruindo efetivamente a sua última Horcrux.

Draco e Neville eram primo de quarto grau, embora não se saiba se ambos reconheçam esse tipo de parentesco.

Funcionários de Hogwarts

Alvo Dumbledore: "Draco, Draco você não é um assassino."
Draco: "Como é que o senhor sabe? O senhor não sabe do que sou capaz, o senhor não sabe o que eu fiz!"
— Dumbledore e Draco em 1997[fnt]

Alvo Dumbledore, seu ex-diretor

Draco demonstrou uma antipatia particular por seu diretor Alvo Dumbledore, esse que era a favor da igualdade completa dos nascidos trouxas aos outros tipos de bruxos, uma visão contraditória com a dos Malfoy. Como tal, Draco frequentemente ridicularizava os ideais e as escolhas de Dumbledore, ficando até, de certa forma, entusiasmado ao receber a missão para assassiná-lo. Ele chegou a utilizar do termo depreciativo e impróprio "sangue ruim" na frente do diretor, o que desagradou Dumbledore.

No entanto, Alvo teve pena de Draco quando esse se tornou um Comensal da Morte, sabendo o quanto Voldemort havia forçado o garoto a cumprir suas ordens ao ameaçar a vida dos pais de Draco. Além disso, quando Dumbledore se ofereceu para proteger Draco e sua família, Malfoy se sentiu tentado em aceitar a oferta, antes de ser interrompido pela chegada de outros Comensais. Quando testemunhou o assassinato do diretor, Draco aparentou estar horrorizado, o que provavelmente aumentou seu arrependimento de ter se tornado um Comensal da Morte.

Dolores Umbridge, sua antiga professora de Defesa Contra as Artes das Trevas

Acostumado com o tratamento preferencial que recebia de Severo Snape, e colhendo os benefícios do status de sua família, Draco tentou utilizar do bom nome de seu avô para se aproximar de Horácio Slughorn, embora o professor tenha feito pouco mais do que ignorá-lo. No entanto, Dolores Umbridge, que já estava familiarizada com Lúcio Malfoy, fez de Draco e seus amigos membros da Brigada Inquisitorial, sendo rápida ao permitir que o time de quadribol da Sonserina se reorganizasse após ela dissolver todas as outras "organizações estudantis, sociedades, equipes, grupos ou clubes" com o Decreto Educacional Número Vinte e Quatro.

Draco também demonstrou certo desprezo por professor que não possuíam status ou que não se encaixavam aos padrões supremacistas da pureza de sangue; assim como Remo Lupin, um lobisomem que, como consequência, tendia a parecer um maltrapilho pobre, Rúbeo Hagrid, um meio-gigante desleixado e Alastor Moody (Bartô Crouch Júnior) que era um famoso auror conhecido por capturar inúmeros Comensais da Morte. Draco se absteve de ser abertamente desdenhoso com o ex-auror devido ao medo. Aliás, durante a campanha de difamação do Ministério contra Dumbledore, os mesmos três professores foram citados como "decisões excêntricas" realizados por Dumbledore. Draco muitas vezes entrou em desacordo com a Diretora de Casa da Grifinória, a professora McGonagall, que nunca tomou nenhum aluno como favorito, muito menos Malfoy, embora ele demonstrasse algum tipo de respeito relutante por ela. Draco também parecia nutrir certo respeito por Fílio Flitwick e não gostar do zelador Argo Filch, um aborto que nunca hesitou em punir Draco.

Murta Warren

"Não... me conte qual é o problema... posso ajudar você..."
— Murta Que Geme tenta confortar Draco[fnt]

Murta Warren

Durante seu segundo ano letivo em Hogwarts, quando a Câmara Secreta foi reaberta, Draco zombou para Harry e Rony, disfarçados como Crabbe e Goyle, do sangue ruim que havia sido assassinado na primeira vez que a Câmara havia sido aberta — esse sangue ruim era Murta.

Eventualmente, em seu sexto ano, quando designado por Voldemort para assassinar Alvo Dumbledore, Draco sucumbiu ao peso e a dificuldade da missão e as consequência do fracasso. Surpreendentemente, apesar de seu preconceito contra nascidos trouxas, Draco aparentemente visitava Murta regularmente em seu banheiro, chegando a confidenciar sua missão e a chorar abertamente na frente da fantasma. Por sua vez, Murta tinha a impressão que Draco era um garoto sensível que vinha sendo intimidado — o que de fato acontecia, embora Murta não soubesse que era Lorde Voldemort quem o intimidava —. Este pode ser um dos raros momentos que Draco demonstrou algo além do desgosto por nascidos trouxas, embora não se saiba se ele estava ciente do status sanguíneo de Murta e de sua conexão com a Câmara Secreta.

Lorde Voldemort

"... Ele me mandou fazer isso ou me matará. Não tenho escolha."
— Draco sobre Lorde Voldemort e sua missão[fnt]

Lorde Voldemort, seu antigo mestre

Embora tenha, originalmente, admirado e respeitado Lorde Voldemort, ele passou a temê-lo logo depois de a segurança de sua família ser ameaçada.

Draco integrou os Comensais da Morte com dezesseis anos, quando Lorde Voldemort ameaçou matar seus pais caso ele falhasse em sua missão de assassinar Alvo Dumbledore. Voldemort, na verdade, queria punir Lúcio Malfoy por não ter recuperado uma profecia no Departamento de Mistérios, supondo que Draco provavelmente falharia e Lúcio seria punido de forma devida com o acordo. Draco lutou em prol de Voldemort em várias batalhas, incluindo a Batalha da Torre de Astronomia e a Escaramuça na Mansão Malfoy. Após a derrota final de Voldemort, Draco não foi preso, dado que ele e sua família haviam desertado dos Comensais da Morte antes do final da Segunda Guerra Bruxa.

Embora não se saiba se Draco sabia disso, foi ironicamente o seu ato de desarmar Dumbledore antes de sua morte e, sem saber, se tornar o senhor da Varinha das Varinhas, que derrotou Voldemort. No entanto, Malfoy, por sua vez, foi desarmado por Harry durante a Escaramuça na Mansão Malfoy, dando assim a Harry, o domínio da Varinha das Varinhas. Quando Harry delatou essas informações para Voldemort, o último simplesmente os ignorando, dizendo que não havia diferença "poderia cuidar [matar] de Draco depois". Felizmente, para os Malfoy, essa indiferença arrogante acabou resultando na derrota final de Voldemort pelas mãos de Harry.

Em 2020, Draco já estava desiludido com a causa dos Comensais da Morte, estando disposto o suficiente para ajudar o trio e derrotar Delphini, a filha de Voldemort e Belatriz Lestrange — portanto, a prima de Draco —. O conflito de Delphini para trazer Voldemort de volta demonstrou o quanto Draco não queria rever seu antigo mestre e o quanto ele achava Delphini repugnante. Durante este período e vida, Draco passou a se a Voldemort por seu próprio nome, ao invés de "Lorde das Trevas" como anteriormente, algo que evidencia sua auto-redenção.

Etimologia

  • O nome de Draco, assim como muitos outros membros de sua família materna, a Casa dos Black, é derivado de uma constelação. Draco também é conhecido como o Dragão; Draco vem do latim "dragão" e "serpente" do grego. A constelação Draco está ligada a várias lendas da mitologia grega, principalmente como o símbolo do dragão de cem cabeças que fora derrota por Hércules em seus Doze Trabalhos, ou como o dragão morto por Cadmo antes de a cidade de Tebas ser fundada. Já em uma lenda romana, Draco, o dragão, é morto pela deusa da sabedoria, Minerva, e lançado ao céu. Outra conexão com o fato de Draco [personagem] ser um Comensal da Morte, é o fato de Lúcifer/Satanás ser referenciado como um Dragão na Teologia Cristã. Além disso, Draco era o nome de um legislador grego antigo cujas leis eram notoriamente duras. A palavra draconiano, que significa "extraordinariamente severo ou cruel", é derivada de seu nome[61]. No entanto, este legislador grego antigo simplesmente escreveu leis que já existiam. Essas leis já existiam em uma tradução oral. Ele não tentou ativamente alterá-las, pois elas foram escritas para o benefício de pessoas comuns. Isso reflete o papel de Draco ao nos apresentar à mania sangue puro, que, por sua vez, é uma filosofia passada pela família Malfoy.
  • O nome do meio de Draco, Lúcio, pode vir do ditador romano Lúcio Cornélio Sula, que executou judiciosamente seus rivais. Seus nome também pode ser referente ao imperador romano Lúcio Domício Enobarbo, também conhecido com Nero. Lúcio é um nome do latim que significa "brilhante" ou "inteligente" e está relacionado ao nome Lúcifer, o primeiro nome de Satanás, o que pode ser referente a Lúcio Malfoy como sendo brilhante, mas mal.
  • Seu sobrenome, Malfoy, em francês (mal foi) significa "má-fé".

Por trás das cenas

  • Draco é tecnicamente parte francês, visto que seu ancestral Armand Malfoy era da França[62].
  • Teoricamente, Draco foi o responsável por Harry perder as duas de suas três Taças de Quadribol em Hogwarts. Em seu quinto ano letivo, Harry foi banido da equipe de quadribol por Dolores Umbridge após atacar Malfoy. Na outra vez, em seu sexto ano, Harry foi forçado a perder a última partida de quadribol do ano após o evento com a Maldição Sectumsempra.
  • A primeira vez que Draco encontrou com Voldemort foi na Floresta Proibida, quando este compartilhava o corpo com o Professor Quirrell. Malfoy acaba fugindo horrorizado, apesar de seu pai ter servido Voldemort durante a Primeira Guerra Bruxa. Presume-se que Voldemort nem sabia quem Draco era na época, ou se ele se lembrava do acontecimento quando integrou os Comensais da Morte. O mais provável, é que Draco não o reconheceu.
  • Draco teria frequentado em primeira opção o Instituto Durmstrang, uma escola que não admitia nascidos trouxas e ensinava a Arte das Trevas. No entanto, sua mãe não o queria tão longe de casa.
  • Tom Felton como Draco

    Ironicamente, foi a varinha de Draco que Harry utilizou em seu duelo final contra Voldemort, embora o objeto tenha mudado sua lealdade para Harry no então momento. No entanto, como foi a recusa da Varinha das Varinhas em atacar seu próprio dono [Harry], não foi a varinha de Draco quem derrotara Riddle.
  • Draco é retratado pelo ator britânico Tom Felton em todas as 8 adaptações para o cinema, sendo um dos 14 personagens que aparecem em todos os filmes.
  • Draco também foi interpretado pelo ator britânico Alex Price na produção original do West End de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada e pelo ator Jax Jackson no projeto Harry Potter em casa, na leitura dos capítulos seis de Harry Potter e a Pedra Filosofal[63][64]. Draco também foi interpretado por Jon Steiger e Curran Theatre também na leitura de Harry Potter e a Pedra Filosofal organizada pela Bloomsbury Publishing para a Harry Potter Book Night 2021.
  • Nos primeiros rascunhos de Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling, o sobrenome inicial de Draco seria "Spungen", "Spinks",  ou "Smart"[65].
  • A varinha de Draco é uma das poucas que possui a mesma aparência em todos os filmes da franquia, embora o adereço nos últimos dois filmes seja todo preto ao invés de metade marrom com o cabo preto.
  • Draco retratado na arte do capítulo 6 "A fugida de Draco" de Harry Potter e o Enigma do Príncipe

    A autora também expressou certa preocupação com os fãs de Draco: "As pessoas têm sido líricas [nas cartas] sobre Draco, e eu acho que foi a única vez que isso parou de me divertir e começou quase a me preocupar. Estou tentando distinguir claramente entre ele e Tom Felton, que é um menino bonito, e Draco, que, seja lá o que for, não é um bom homem. É romântico, mas não saudável..."[66].
  • Na adaptação cinematográfica de Harry Potter e a Câmara Secreta, Draco percebe a presença do pomo de ouro logo após Harry o fazer e o persegue apenas para ser derrubado de sua vassoura, ficando ferido — ao contrário do livro, onde ele nunca nota a sua presença, estando ocupado irritando Harry o suficiente para não perceber o pomo —. Também para o filme, graças aos seus ferimentos, Draco é enviado para a Ala Hospitalar, embora Madame Pomfrey diga, impacientemente, a ele que seus ferimentos não foram graves o suficiente para que ele permaneça lá até o outro dia.
  • Já na adaptação cinematográfica de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, a lesão de Draco não dura tanto quanto no livro.
  • Nos filmes, Draco aparenta ser mais respeitoso do que nos livros. Na adaptação cinematográfica de Harry Potter e o Cálice de Fogo, Draco é visto na festa memorial de Cedrico. No entanto, ao invés de falar e desrespeitar a festa, ele é visto olhando para baixo solenemente, lamentando por Cedrico.
  • Nos filmes:
    • Draco parecer ser menos antagônico em relação a Hagrid do que nos livros.
    • Draco parece gostar de maçãs verdes, dado que ele é visto comendo uma em Prisioneiro de Azkaban e colocando uma no Armário Sumidouro em Enigma do Príncipe.
    • Em Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, Draco é abraçado por Voldemort e, portanto, se torna o único seguidor conhecido do Lorde das Trevas a receber essa "honra". Esta cena foi improvisada por ambos os atores, acrescentando nela, um elemento "estranho" — essa atmosfera realmente faz sentido, pois Voldemort nunca conhecera o amor, e esse ato de abraçar aparentaria estranho para ele.
    • Também em Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, Draco e sua família abandonam o confronto final, ao invés de permanecerem no Salão Principal após a derrota de Voldemort como nos livros.
  • Na adaptação para videogame de Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, Draco devolve sua varinha a Harry para ele duelar contra Voldemort. Isso também foi filmado para o filme, mas foi descartado.
  • Ele nunca se referiu a Rony e Hermione por seus primeiros nomes durante o curso dos sete livros originais. Ele, no entanto, se referiu a ambos por seus primeiros nomes nos eventos de A Criança Amaldiçoada.

Comentários da autora

"Ele desligou a compaixão — de que outra forma você se tornaria um Comensal da Morte? Então ele suprime praticamente todo o lado bom de si mesmo. Mas então ele está brincando com os meninos grandes, como diz a frase, e de repente, depois de falar o que ele fala, ele pede para andar pela primeira vez e é absolutamente aterrorizante. E eu acho que isso é uma descrição precisa de como algumas pessoas caem nesse tipo de vida e percebem no que estão realmente se metendo. Eu senti pena de Draco obviamente, por mais desagradável que ele fosse."

J. K. Rowling também comentou que ele não é muito capaz de compartimentar sua vida, o que o torna habilidoso para Oclumência e para intimidar os outros[67].

Ela também comparou Draco ao seu primo, Régulo Black, no sentido de que ambos foram inicialmente atraídos pelos Comensais da Morte, mas "a realidade do que isso significava era demais para lidar ". Rowling também comparou Draco a Duda Dursley; além de ambos serem valentões, Draco também foi "criado como um filho único mimado e doutrinado com as crenças de seus pais ". Ela afirmou que existe "uma verdadeira covardia moral para Draco", mas que ele não é "totalmente mau"[68].

Galeria

Aparições

Notas e referências

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 Escrito por J.K. Rowling: "Draco Malfoy" em Wizarding World
  2. 2,0 2,1 Entrevista Exclusiva Mundial com J K Rowling
  3. Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, Ato Um, Cena Quatro
  4. 4,0 4,1 Harry Potter e o Cálice de Fogo, Capítulo 13 (Olho-Tonto Moody) - "Porque quero gravar isso na memória para sempre" disse Rony, com os olhos fechados e uma expressão de enlevo no rosto. "Draco Malfoy, a fantástica doninha quicante..."
  5. Harry Potter e o Cálice de Fogo, Capítulo 13 (Olho-Tonto Moody)
  6. 6,0 6,1 6,2 Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 6 (A fugida de Draco) - "Um adolescente pálido, de rosto pontudo e cabelos louro-brancos apareceu por trás da arara usando um belo conjunto de vestes verde-escuras, em que cintilavam alfinetes na barra da saia e das mangas."
  7. 7,0 7,1 Harry Potter e a Câmara Secreta, Capítulo 4 (Na Floreios e Borrões) - "O homem que entrou atrás dele só podia ser o pai. Tinha a mesma cara fina e pontuda e olhos idênticos, frios e cinzentos"
  8. 8,0 8,1 Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 6 (A fugida de Draco) - "Seus olhos cinza-claros se estreitaram."
  9. 9,0 9,1 Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 5 (O Beco Diagonal) - "Nos fundos da loja, um garoto de rosto pálido e pontudo estava em pé em cima de um banquinho enquanto uma segunda bruxa encurtava suas compridas vestes pretas.
  10. LEGO Harry Potter: Anos 1-4
  11. Perguntas Frequentes dos Fãs no Site oficial de J. K. Rowling (arquivado através da Máquina Wayback do Internet Archive)
  12. LEGO Harry Potter: Anos 5-7
  13. Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 7 (O chapéu seletor)
  14. Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 6 (O embarque na plataforma nova e meia)
  15. Harry Potter e a Câmara Secreta, Capítulo 9 (A pichação na parede)
  16. Harry Potter: Hogwarts Mystery
  17. Harry Potter e o Cálice de Fogo, Capítulo 11 (A bordo do Expresso de Hogwarts)
  18. Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 5 (O Beco Diagonal)
  19. Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 6 (O embarque na plataforma nova e meia)
  20. Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 9 (O duelo à meia-noite)
  21. Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 15 (A floresta proibida) - "Não vou entrar nessa floresta" disse, e Harry ficou contente de ouvir a nota de pânico em sua voz. "Vai, sim, se quiser continuar em Hogwarts" disse Hagrid com ferocidade. "Você agiu mal e agora tem de pagar pelo que fez. "Mas isso é coisas para empregados e não para estudantes. Achei que íamos fazer uma cópia ou outra coisa do gênero, se meu pai souber que eu estou fazendo isso, ele..."
  22. Harry Potter e a Pedra Filosofal, Capítulo 17 (O homem de duas caras)
  23. Harry Potter e a Câmara Secreta, Capítulo 4 (Na Floreios e Borrões)
  24. Harry Potter e a Câmara Secreta, Capítulo 7 (Sangue ruim e vozes invisíveis) - "Pelo menos ninguém do time da Grifinória teve de pagar para entrar" disse Mione com aspereza. "Entraram por puro talento." O ar presunçoso de Draco pareceu oscilar. "Ninguém pediu sua opinião, sua sujeitinha de sangue ruim" xingou ele.
  25. Harry Potter e a Câmara Secreta, Capítulo 12 (A Poção Polissuco)
  26. Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, Capítulo 13 (Grifinória versus Corvinal)
  27. Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, Capítulo 6 (Garras e folhas de chá)
  28. Harry Potter e o Cálice de Fogo, Capítulo 9 (A Marca Negra) - "Onde estão seus pais?" perguntou Harry, a raiva crescendo. "Lá no acampamento usando máscaras, é isso?" Malfoy virou o rosto para Harry, ainda sorrindo. "Ora... se eles estivessem, eu não iria dizer a você, não é mesmo, Potter?
  29. Harry Potter e o Cálice de Fogo, Capítulo 27 (A volta de Almofadinhas)
  30. Harry Potter e a Ordem da Fênix, Capítulo 19 (O leão e a cobra)
  31. 31,0 31,1 Harry Potter e a Ordem da Fênix, Capítulo 33 (Luta e fuga)
  32. Harry Potter e a Ordem da Fênix, Capítulo 38 (Começa a Segunda Guerra)
  33. Harry Potter e a Ordem da Fênix, Capítulo 38 (Começa a Segunda Guerra) - "Malfoy, Crabbe e Goyle pareciam simplesmente três lesmas gigantescas apertadas em uniformes de Hogwarts que Harry, Ernesto e Justino penduraram no porta-bagagem e deixaram ali para esvaziar."
  34. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 2 (A rua da fiação)
  35. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 27 (A torre atingida pelo raio)
  36. Harry Potter e a Ordem da Fênix, Capítulo 28 (A pior lembrança de Snape)
  37. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 6 (A fugida de Draco)
  38. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 7 (O Clube do Slugue)
  39. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 14 (Felix Felicis)
  40. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 21 (A sala impenatrável)
  41. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 12 (Pratas e opalas)
  42. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 18 (Surpresas de aniversário)
  43. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 24 (Sectumsempra)
  44. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 27 (A torre atingida pelo raio) - "Venha para o lado certo, Draco, e podemos escondê-lo mais completamento do que pode imaginar. E, mais, posso mandar membros da Ordem à sua mãe hoje à noite, e escondê-la também. Seu pai no momento está seguro em Azkaban... quando chegar a hora posso protegê-lo também... venha para o lado certo, Draco... você não é assassino..."
  45. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 27 (A torre atingida pelo raio)
  46. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 28 (A fuga do príncipe)
  47. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 30 (O túmulo branco) - "À mesa da Sonserina, Crabbe e Goyle cochichavam. Corpulentos como eram, pareciam estranhamente solitários sem a companhia da figura alta e pálida de Malfoy entre os dois, despachando ordens.
  48. 48,0 48,1 Harry Potter e as Relíquias da Morte, Capítulo 32 (A Varinha das Varinhas) - "E essa é a segunda vez que salvamos sua vida hoje à noite, seu filho da mãe de duas caras!" berrou Rony.
  49. Harry Potter e as Relíquias da Morte, Capítulo 36 (A falha do plano) - "Ao longo dos corredores entre as mesas, ele caminhou e viu os três Malfoy juntinhos, como se não soubessem se deviam ou não estar ali, mas ninguém lhes dava a menor atenção."
  50. Escrito por J.K. Rowling: "Draco Malfoy" em Wizarding World
  51. 51,0 51,1 Harry Potter e as Relíquias da Morte, Epílogo (Dezenove Anos Depois)
  52. Harry Potter e as Relíquias da Morte, Capítulo 24 (O fabricante de varinhas) - "Pilriteiro e pelo de unicórnio. Exatos vinte e cinco centímetros. Razoavelmente flexível. Era a varinha de Draco Malfoy."
  53. Harry Potter e a Câmara Secreta, Capítulo 7 (Sangue ruim e vozes invisíveis)
  54. Harry Potter e o Cálice de Fogo, Capítulo 11 (A bordo do Expresso de Hogwarts) - "... papai, na realidade, pensou em me mandar para Durmstrang em lugar de Hogwarts, sabem. Ele conhece o diretor lá, entendem... Mas mamãe não gostou da ideia de eu ir para uma escola tão longe. Durmstrang tem uma política muito mais certa que Hogwarts com relação às Artes das Trevas. Os alunos de lá até aprendem essa matéria, não é só essas bobagens de defesa que a gente aprende...
  55. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 9 (O Príncipe Mestiço) - "Professor, acho que o senhor conheceu o meu avô, Abraxas Malfoy."
  56. 56,0 56,1 56,2 56,3 Harry Potter e a Criança Amaldiçoada
  57. Harry Potter e as Relíquias da Morte, Capítulo 1 (A ascensão do Lorde das Trevas) - "Estou falando de sua sobrinha]. E de vocês também, Lúcio e Narcisa. Ela acabou de se casar com o lobisomem Remo Lupin. A família deve estar muito orgulhosa." gargalhadas debochadas explodiram à mesa. "Ela não é nossa sobrinha, Milorde" disse [Belatriz] em meio às gargalhadas "Nós, Narcisa e eu, nunca mais pusemos os olhos em nossa irmã depois que ela casou com aquele sangue ruim. A fedelha não tem a menor ligação conosco, nem qualquer fera com quem se case."
  58. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 27 (A torre atingida pelo raio) - "Bem, não posso fingir que não me desgoste um pouco. E, sim, estou um pouco chocado que o Draco, aqui, convidasse logo você [Fenrir Greyback] a vir a uma escola onde seus amigos vivem..." "Não convidei" sussurrou Malfoy. "Eu não sabia que ele vinha..."
  59. Harry Potter e as Relíquias da Morte, Capítulo 31 (A batalha de Hogwarts)
  60. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Capítulo 6 (A fugida de Draco) - "É, como se vocês se atrevessem a usar magia fora da escola" debochou Malfoy. "Que lhe deu o olho roxo, Granger? Quero mandar flores para eles."
  61. Dictionary.com: Draconian
  62. DESCONHECIDO - adicionar em Predefinição:WW em Wizarding World
  63. Alex Price fala sobre interpretar Draco Malfoy em Cursed Child em Wizarding World
  64. Recurso: "Um prático guia para todos os leitores da Criança Amaldiçoada do Capítulo Seis: 'A Jornada da Plataforma Nove e Três Quartos'" em Wizarding World (Arquivado)
  65. Harry Potter Lexicon: Draco Malfoy
  66. Site Oficial de J. K. Rowling
  67. 16 de julho de 2005 Entrevista em Edimburgo: Parte 2
  68. 19 de outubro de 2007 artigo da MTV sobre J.K. A aparição de Rowling no Carnegie Hall


Comensais da Morte
Marca Negra.gif
Líder:
Lord Voldemort
Comensais da Morte:
Aleto Carrow | Amico Carrow | Antônio Dolohov | Augusto Rookwood | Avery (I) | Avery (II) |
Bartô Crouch Jr. | Belatriz Lestrange | Crabbe | Evan Rosier | Gibbon | Goyle |
Jugson | Lestrange | Múlciber (I) | Múlciber (II) | Nott | Pyrites (possivelmente) | Rabastan Lestrange | Rodolfo Lestrange | Rosier | Selwyn | Thorfinn Rowle | Travers | Walden Macnair | Wilkes | Corban Yaxley
Comensais da Morte que desertaram:
Draco Malfoy | Igor Karkaroff | Lúcio Malfoy | Pedro Pettigrew | Régulo Black | Severo Snape</small.
Aliados dos Comensais da Morte:
Albert Runcorn | Borgin | Dolores Umbridge | Fenrir Greyback | Golgomate | Gregório Goyle | John Dawlish | Mafalda Hopkirk | Narcisa Malfoy (desertou) | Pansy Parkinson | Quirino Quirrell | Scabior | Vicente Crabbe
Outras afiliações:
Gigantes (sob o controle de Golgomate) | Comissão de Registro dos Nascidos-Trouxas | Dementadores | Lobisomens | Sequestradores



Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts
Casas de Hogwarts
Gryffindor ClearBG.png
Hufflepuff ClearBG.png
Ravenclaw (Símbolo Corvinal).png
Slytherin ClearBG.png
Fundadores
Godrico Grifinória · Helga Lufa-Lufa · Rowena Corvinal · Salazar Sonserina
Diretores de Casa
Minerva McGonagall · Pomona Sprout · Fílio Flitwick · Horácio Slughorn
Fantasmas
Nick Quase Sem Cabeça · Frei Gorducho · Dama Cinzenta · Barão Sangrento
Proprietários Conhecidos das Relíquias da Morte
Símbolo das Relíquias da Morte.png
Varinha das Varinhas:

Morte (fabricante) | Antíoco Peverell | Assassino de Antíoco Peverell | Emerico, o Mal | Egberto, o Notável | Godelot | Hereward | Barnabás Deverill | Loxias | Arco e/ou Lívio | Mykew Gregorovitch | Gerardo Grindelwald | Alvo Dumbledore | Draco Malfoy (Mestre) | Tom Servolo Riddle (apenas proprietário) | Harry Potter | Sepultada

Pedra da Ressurreição:
Morte (fabricante) | Cadmo Peverell | Servolo Gaunt | Morfino Gaunt | Tom Servolo Riddle | Alvo Dumbledore | Harry Potter | Perdida
Capa da Invisibilidade:
Morte (fabricante) | Ignoto Peverell | Filho de Ignoto Peverell | Iolanthe Peverell | Gerações de Potter | Tiago Potter | Alvo Dumbledore | Harry Potter | Tiago Sirius Potter | Alvo Severo Potter
Advertisement