Padlock.png
A edição desta por usuários recém-registrados está atualmente desativada.
Esses usuários podem discutir mudanças, ou solicitar desproteção.

"Eu realmente acho que não deviam deixar outro tipo de gente entrar, e você? Não são iguais a nós, nunca foram educados para conhecer o nosso mode de viver. Alguns nem se sequer ouviram falar de Hogwarts até receberem a carta, imagine. Acho que deviam manter a coisa entre as famílias de bruxos."
—Draco mostra seus preconceitos durante sua idade jovem[fnt]

Draco Lúcio Malfoy é um bruxo puro-sangue britânico nascido em 5 de junho de 1980, e filho único de Lúcio e Narcisa Malfoy. Como filho de um Comensal da Morte, Draco foi criado para acreditar fortemente na importância da pureza de sangue. Ele frequentou a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts entre 1991-1998, sendo classificado para a Sonserina. Durante seus anos escolares, Draco se tornou amigo de Vicente Crabbe, Gregório Goyle, Pansy Parkinson e outros Sonserinos, desenvolvendo rapidamente uma rivalidade com Harry Potter.

Ele foi nomeado monitor de sua casa e membro da Brigada Inquisitorial em seu quinto ano, durante o qual, seu pai foi preso em Azkaban após a Batalha do Departamento de Mistérios. Lorde Voldemort acusou Draco de ser o responsável pelo fracasso de Lúcio, o nomeando um Comensal da Morte aos seus dezesseis anos. Ele rapidamente se desiludiu de seu novo "estilo de vida". Draco foi incapaz de executar sua tarefa de assassinar Alvo Dumbledore, que mais tarde foi assumida por Severo Snape, e ele apenas realizou algumas outras tarefas por medo e relutância. Draco e sua família desertaram do exército do Lorde das Trevas horas antes do final da Segunda Guerra Bruxa, temendo por suas vidas.

Eventualmente, Draco se casou com Astória Greengrass, e teve um filho chamado Escórpio Hipério Malfoy.

Biografia

Inicio da Vida (1980-1991)

Draco Lúcio Malfoy nasceu em 5 de junho de 1980, filho de Lúcio e Narcisa Malfoy(nascida Black). Ambos nasceram em velhas e ricas famílias puro-sangue, tanto os Malfoy quanto os Black foram tradicionalmente membros da Casa de Sonserina por inúmeros séculos, e desaprovando fortemente qualquer familiar que não seguisse essa tradição, como Sirius Black.

Ele foi criado em uma atmosfera de pesar por Lorde Voldemort não ter conseguido assumir o controle da comunidade bruxa, embora tenha sido prudentemente lembrado de que tais sentimentos não deveriam ser expressos fora do pequeno círculo familiar e de seus amigos próximos, ou poderia causar problemas. Os Malfoy tinham muito orgulho de seu puro-sangue e status social; até 1996, eles eram capazes de manter suas imagens públicas respeitosas enquanto atuavam como aliados do Lorde das Trevas. Lúcio era um Comensal da Morte que evitou ser preso em Azkaban após a Primeira Guerra Bruxa alegando estar sob a Maldição Imperius, enquanto Narcisa apenas concordava com a ideologia da Supremacia Puro-Sangue.

Os Malfoy estragam o filho, dando a ele tudo de melhor no que se diz respeitos aos bens materiais. As duas únicas coisas que Draco recebeu de segunda mãe foram o velho preconceito da família contra trouxas, nascidos-trouxas, mestiços e traidores de sangue - em suma, preconceito contra quaisquer um que não fosse um bruxo puro-sangue, ou apoiadores desses tipos de pessoas - e a coleção de resíduos de poderosos artefatos das trevas possuídos pelas família Malfoy, que remontam sua história.

Preparo para Hogwarts

Draco com seu pai e Dumbledore durante sua visita em Hogwrats

Durante a infância, Draco se associou principalmente com filhos puro-sangues de ex-Comensais da Morte amigos de seu pai e, portanto, chegou a Hogwarts com um pequeno grupo já formado, incluindo Teodoro Nott e Vicente Crabbe. Ele mesmo visitou a escola quando Lúcio a inspecionou, confiando ao Irmão de Jacob e a Mérula Snyde para cuidarem dele, uma decisão a qual não agradou nenhum dos três. Lúcio solicitou vê-los em particular, já que o irmão de Jacob era ostensivamente o melhor aluno de seu ano, enquanto Mérula era filha de dois ex-comensais da morte amigos de Lúcio, e portanto, ele a considerava o tipo de pessoa "certa" para seu filho se associar. Draco não agradou nenhum dos alunos, entretanto, principalmente com sua atitudes esnobes e desdenhosas em relação a eles e suas manifestações abertas de preconceito.

Em meio a visita, Draco roubou a varinha de seu pai, já que era muito jovem para ter a sua própria, e ele, no entanto, queria fazer magia após ver Mérula executar o Feitiço da Perna Presa no irmão de Jacob. Lúcio inicialmente culpou seu elfo doméstico Dobby pelo roubo, já que o perpetrador sabia que ele a mantinha dentro de sua bengala, o que não era de conhecimento geral. O irmão de Jacob investigou o caso e a devolveu para Lúcio.

Quando chegou a hora de Draco frequentar a escola em 1991, seu pai queria que ele estudasse no Instituto Durmstrang, uma escola no norte da Europa que ensinava Artes das Trevas e não permitia Nascidos-Trouxas. Entretanto, sua mãe não gostou da ideia de Draco ir para longe, então eles escolheram o mandar para Hogwarts.

Quando foi ao Beco Diagonal para comprar seu material escolar em 1991, Draco conhece Harry Potter na Madame Malkin Roupas para Todas as Ocasiões, sem saber quem realmente era. Ele fez um discurso muito intolerante sobre nascidos-trouxas e Rúbeo Hagrid, mas por outro lado agiu de maneira bastante amigável com Harry.

Anos de Hogwarts (1991-1996)

Primeiro Ano

"Sabe como eu acho que eles escolhem jogadores para o time da Grifinória? Escolhem as pessoas que dão pena. Vê só, o Potter, que não tem pais, depois os Weasley, que não tem dinheiro. Você também devia estar no time, Longbottom, você não tem miolos."
—Draco zombando de alunos da Grifinória[fnt]

Enquanto estava no Expresso de Hogwarts pela primeira vez, Draco ofereceu sua amizade a Harry, pois seu pai acreditava que ele era um bruxo das trevas, e Draco queria impressioná-lo e transmitir algumas coisas interessantes para casa. Porém, Harry não gostou de sua atitude em relação a Rony Weasley, de quem já havia se tornado amigo, e também da semelhança de Draco com seu primo Duda, e suas atitudes desdenhosas. Assim, ele o rejeitou, criando uma rivalidade que durou até o resto de seus anos escolares.

Draco sendo selecionado para a Sonserina

Já em Hogwarts, Draco foi selecionado para a Sonserina, como vários outros membros de sua família. Ele rapidamente formou amizades com outros Sonserinos, enquanto permanecia hostil em relação a Harry, a ponto de desafiá-lo para um duelo, depois de Harry apanhar o Lembrol de Neville Longbottom durante sua primeira aula de voo. Esta foi, na verdade, uma tentativa de colocá-lo em apuros após o toque de recolher. Ele se ressentia diante à atenção que Harry recebia causada por sua fama e sua prodigiosa habilidade de voar, o que levou Potter a ser autorizada para se juntar ao Time de Quadribol da Grifinória ainda mais jovem do que a maioria.

Draco, Harry e Canino durante sua detenção na Floresta Proibida

Mais tarde naquele ano, Draco descobriu o plano de Harry em contrabandear o dragão de estimação de Hagrid, Norberta, para fora do castelo e informou a Professora McGonagall sobre o ocorrido, mas também causou sobre própria detenção, já que ele também estava fora da cama após o toque de recolher. Para sua detenção, ele teve de ajudar Hagrid, Harry e Hermione, que foram pegos logo após conseguirem retirar Noberta, assim como Neville, que tentou avisá-los sobre o plano de Draco, a encontrar um Unicórnio ferido. Esta foi uma tarefa que ele se ressentiu muito, pois a considerava um "trabalho para empregado". Draco e Harry testemunharam o espírito de Voldemort, habitando o corpo de Quirino Quirrell, bebendo o sangue do animal. Draco fugiu com medo e deixou Harry para trás.

No final do ano escolar, Draco estava inicialmente muito feliz que a Sonserina estava prestes a ganhar a Taça das Casas novamente, ficando muito abalado ao ver que foi a Grifinória quem acabou ganhando a taça, uma vez que Alvo Dumbledore concedeu pontos adicionais a Harry, Rony, Hermione e Neville por suas ações corajosas.

Segundo ano

"São Potter, o amigo dos sangues ruins. Ele é outro que não tem espírito de bruxo, ou não andaria por aí com aquela Granger sangue ruim metida a besta. E tem gente que acha que ele é o herdeiro de Slytherin!"
—Draco sobre as especulações de Harry ser o herdeiro de Slytherin[fnt]

Draco zomba de Harry e dos Weasley na Floreios e Borrões

Antes do início de seu segundo ano, Draco esteve presente na Floreios e Borrões no dia em que Harry, os Granger e os Weasley estavam comprando os livros de Gilderoy Lockhart para Hogwarts. Após Harry receber uma cópia autografada e gratuita dos livros de Lockhart pessoalmente, Draco o abordou para insultá-lo, e depois que Gina Weasley o defendeu, ele zombou dela como a namorada de Potter (prevendo o futuro sem querer). Seu pai, Lúcio Malfoy, também estava presente, conhecendo Harry pela primeira vez, e encontrando também Arthur Weasley, a quem ele insultou por se associar a trouxas. Arthur então atacou Lúcio com raiva, fazendo com que todos saíssem da loja.

Draco como novo apanhador do Time de Quadribol da Sonserina

Em Hogwarts, Draco entrou para o Time de Quadribol da Sonserina como apanhador. Seu pai comprou novas Nimbus 2001 para o time por causa disso, embora Hermione Granger especulou abertamente que foi isso que o colocou no time. Draco respondeu com raiva a chamando de "sujeitinha de sangue ruim", fazendo com que todo o Time de Quadribol da Grifinória o atacasse; Rony tentou amaldiçoá-lo para que vomitasse lesmas, mas o feitiço saiu pela culatra devido à sua varinha estar quebrava, o que Draco e todo o seu time acharam muito divertido.

Ironicamente, Draco foi a razão pela qual a Sonserina perdeu para a Grifinória no Quadribol daquele ano, porque ele não percebeu que o Pomo de Ouro estava acima de sua orelha esquerda - pois estava ocupado demais insultando Harry Potter para notar. Harry aproveitou o lapso de concentração, permitindo que a Grifinória ganhasse a partida, e Draco fosse repreendido pelo capitão do time Marcos Flint por sua estupidez, o que foi testemunhado por Jorge Weasley.

Harry, Rony e Hermione suspeitaram que Draco pudesse ser o herdeiro de Slytherin, dada a sua visão preconceituosa sobre nascidos-trouxas e a tradição de sua família em sempre ser selecionada para a Sonserina. Hermione preparou a Poção Polissuco em um banheiro feminino localizado no terceiro andar, para que Harry e Rony pudessem se disfarçar como Gregório Goyle´e Vicente Crabbe respectivamente e entrar no Salão Comunal da Sonserina. Lá, Draco involuntariamente revelou através de uma conversa, que não era o herdeiro e nem sabia quem pudesse ser. Ele os disse que a Câmara Secreta havia sido aberta há cinquenta anos e que ele gostaria de poder ajudar o verdadeiro herdeiro.

Na verdade, foi seu próprio pai que planejou a reabertura da câmara colocando o velho diário de Tom Riddle no caldeirão de Gina Weasley, embora seu verdadeiro alvo nesta trama fosse Arthur Weasley. Aparentemente, Draco não estava ciente disso, já que as instruções de Lúcio para seu filho naquele ano fossem "mantenha a cabeça baixa". O diário era na verdade uma Horcrux, contendo um pedaço da alma de Voldemort, que foi destruída por Harry Potter quando ele esfaqueou o objeto com uma presa de Basilisco enquanto esteve na própria câmara. Quando a Professora Sprout e Madame Pomfrey foram aplaudidas por trazerem todos aqueles que estavam petrificados de volta, Draco não bateu palmas, ao invés disso, ele as deu um olhar esnobe.

Terceiro Ano

Draco: "Tem visto o seu amigo Hagrid, ultimamente?... Acho que ele não vai continuar professor por muito tempo. Meu pai não ficou nada satisfeito com o meu ferimento... ele apresentou queixa aos conselheiros da escola. E ao Ministério da Magia. Meu pai tem muita influência, sabe. E um ferimento permanente como este, quem sabe se o meu braço vai voltar um dia ser o mesmo?"
Harry Potter: "Então é por isso que você está fazendo toda essa encenação. Para tentar fazer Hagrid ser despedido."
Draco: "Bom, em parte, Potter. Mas tem outros benefícios, também"
— Discussão sobre a lesão de Draco durante uma aula de Poções[src]


Draco participando de sua primeira aula de Trato das Criaturas Mágicas em 1993

Draco iniciou seu terceiro ano zombando da reação de Harry aos Dementadores, que estavam pelos arredores de Hogwarts por aquele ano em busca do prisioneiro fugitivo de Azkaban, Sirius Black, apesar de ter medo deles. Ele também insinuou os crimes de Black em relação a Harry e seus falecidos pais, dos quais Potter desconhecia por algum tempo, dizendo a ele que se alguém houvesse traído e assassinado seus pais - como se acreditava que Black havia feito com os Potter - ele procuraria por vingança. Durante uma partida de quadribol contra a Corvinal, Draco, Crabbe, Goyle e Flint tentaram prejudicar o desespero de Harry se passando por Dementadores - Draco se apoiando nos ombros de Goyle -, mas todos foram derrubados pelo primeiro Feitiço do Patrono automático de Harry, claramente inconscientes devido ao efeito que os Dementadores tinham sobre Harry e seus problemas. A tentativa de sabotar Harry acabou custando menos 50 pontos à Casa Sonserina.

Hermione soca Draco

Em uma aula de Trato das Criaturas Mágicas, Draco involuntariamente provocou o Hipogrifo Bicuço, sendo ferido, embora ele exagerasse o quanto havia sido machucado no intuito de chamar atenção, e em uma tentativa de usar o incidente contra Rúbeo Hagrid e fazê-lo ser despedido. Quando zombou do caso, Hermione lhe deu tapa de raiva. Lúcio tentou fazer com que a criatura fosse executada e, embora tenha obtido sucesso em obter a sentença, Bicuço foi salvo pelos esforços de Harry e Hermione com a ajuda de um Vira-Tempo, e dado a Black quando sua inocência foi provada. Este resultado irritou Draco e seu pai.

Quarto Ano

"Granger, eles estão caçando trouxas. Você vai querer mostrar suas calcinhas no ar? Porque, se quiser, fique por aqui mesmo... eles estão vindo nessa direção, e todos vamos dar boas gargalhadas."
—Draco intimida o trio durante a rebelião na Copa Mundial de Quadribol[fnt]

Draco e seu pai durante a Copa Mundial de Quadribol em 1994

Em 1994, Draco foi à Copa Mundial de Quadribol acompanhado dos pais. Eles se sentaram como convidados pessoais do Ministro da Magia Cornélio Fudge em um camarote de luxo, devido à grande doação de Lúcio. Draco estava sentado diretamente atrás do trio e dos Weasley. Ele insultou Harry, Hermione e Rony após um grupo de Comensais da Morte começar a aterrorizar os campistas depois o jogo, zombando dos trouxas que estavam atormentando e sugerindo que fizessem o mesmo com Hermione devido sua condição como Nascida-Trouxa. Harry perguntou se os pais de Draco estavam participando do tumulto, e ele o respondeu com "ora... se eles estivessem, eu não iria dizer a você", explicando que a resposta havia sido sim. Uma vez no Expresso de Hogwarts, Draco começou a zombar novamente do trio sobre sua falta de conhecimento do evento escolar que se aproximava.

O distintivo distribuído por Draco, "Potter Fede"

Durante seu quarto ano, Hogwarts sediou o Torneio Tribruxo e, para seu desânimo e ciúme, Harry Potter foi escolhido como, apesar de muito jovem, o quarto campeão da edição. Draco apoiou Cedrico Diggory, distribuindo inúmeros distintivos que poderiam ser interpretados como "Potter Fede" e provocando Harry regularmente, como comentando que ele apostava que Harry não duraria mais do que alguns minutos enfrentando dragões. Ele esteve errado quando Cedrico e Harry empataram em primeiro lugar conseguindo capturar seu ovo dourado mais rápido. Ele também foi o informante e impulsionador por trás de Rita Skeeter, que escrevia vários artigos caluniosos e sensacionalista sobre Harry, Hagrid e Hermione para o Profeta Diário, por saber que ela era um animago; este ataque à credibilidade de Harry serviria como palco para a descrença generalizada do anúncio do retorno de Lorde Voldemort durante o final do ano letivo, Alguns dos artigos pelos quais ele participou eram um sobre Harry e Hermione, intitulado como "A mágoa secreta de Harry Potter".

Bartolomeu Crouch Jr. (disfarçado de Alastor Moody), transforma Draco em uma doninha para assustá-lo

Quando tentou lançar um feitiço em Harry pelas costas, o então professor de Defesa Contra as Artes das Trevas daquele ano, Bartolomeu Crouch Jr. (disfarçado como Alastor Moody sob uso da Poção Polissuco) transformou Draco em uma doninha e o jogou pelo salão como punição. Embora a Professora McGonagall tenha o parado, Draco ficou bastante envergonhado e já outros alunos se divertiram muito; Rony o apelidou de "a fantástica doninha quicante". Ao longo do ano, vários alunos o provocaram, dizendo-lhe que o Professor Moody estava atrás dele, fazendo-o estremecer. Até Hagrid ficou sabendo que era uma boa doninha, fazendo com que Draco não soubesse o que dizer. Durante a época do Natal, Draco compareceu ao Baile de Inverno com Pansy Parkinson.

No final do ano, Draco zombou de Harry sobre ficar ao lado de Voldemort e também ridicularizou a morte de Cedrico Diggory. Antes que pudesse terminar, entretanto, ele foi atingido por várias maldições lançadas por Harry, Rony, Hermione e Fred e Jorge Weasley.

Quinto Ano

"Brigada Inquisitorial Granger. Um grupo seleto de estudantes que apoia o Ministério da Magia, escolhidos a dedo pela Profª Umbridge. Em todo o caso, membros da Brigada Inquisitorial têm o poder de tirar pontos... então, Granger, vou tirar de você cinco por ter sido grosseira com a nossa nova diretora. Do Macmillan, cinco por me contradizer. E cinco porque não gosto de você, Potter. Weasley, a sua camisa está para fora, por isso vou ter de tirar mais cinco. Ah, é, me esqueci, e você é uma Sangue Ruim, Granger, então menos dez por isso."
—Draco como membro da Brigada Inquisitorial, tirando pontos desnecessários[fnt]

Em 1995, Draco se tornou monitor da Sonserina junto de Pansy Parkinson. Ele usou de sua posição para zombar de Harry Potter por não ter recebido a mesma honra, já que os monitores da Grifinória eram Hermione Granger e Rony Weasley. Draco também compôs uma canção humilhante chamada "Weasley é nosso rei", a qual satirizava as habilidades de Rony no quadribol como goleiro. Foi a invenção dessa música, além de insultar Arthur e Molly Weasley e a falecida Lílian Evans, que levaram Harry, Jorge e Fred a brigarem com Draco. Eles o agrediram violentamente, o que resultou na banição do trio (Harry, Jorge e Fred) de todas as partidas de quadribol para sempre, embora tal proibição tenha sido revogada após Dolores Umbridge sair de Hogwarts.

Malfoy e outros Sonserinos se juntam à Brigada Inquisitorial

Mais tarde naquele ano, Draco se juntou a Brigada Inquisitorial, e claramente gostou bastante do poder que lhe foi concedido sobre outros alunos. Ele gostava de usá-lo principalmente contra Harry Potter e seus amigos. Todos os membros da Brigada eram Sonserinos, já que a líder, Umbridge, era preconceituosa e os favorecia. Draco pegou Harry saindo de uma última reunião da Armada de Dumbledore, e recebeu cinquenta pontos de Umbridge para a Sonserina, devido a ocasião. Ele estava entre os membros da Brigada que pegaram Harry e seus amigos em uma tentativa de descobrir o verdadeiro paradeiro de Sirius Black, a quem Harry viu sendo torturado em uma visão, plantada por Lorde Voldemort. Harry, Rony, Hermione, Gina, Neville e Luna foram levados para o escritório de Umbridge, sob esculta da organização. Antes que Dolores pudesse cumprir sua ameaça de usar a Maldição Cruciatus em Harry para ele falar a verdade, Hermione disse à ela sobre eles estarem tentando contatar Alvo Dumbledore sobre um tipo de "arma" que ele planejava usar contra o Ministério. Draco possuiu uma expressão de "ansiedade e cobiça" ao saber desta notícia no intuito de acompanhá-los, mas a professora não o permitiu e nem qualquer outro membro da brigada que a acompanhasse enquanto levava Harry e Hermione até a Floresta Proibida em busca da tal "arma".

A Brigada mantém vários membros da AD como reféns por Umbridge

Depois da saída de Umbridge, os membros restantes da AD (Armada de Dumbledore) usaram uma litania de Feitiços Estuporantes e de Desarmamento para escaparem do escritório; Draco foi atingido pela Azaração para Rebater Bicho-Papão de Gina. Logo foi revelado que Hermione havia mentido sobre a arma; Umbridge havia sido levada por Centauros, e assim os seis membros da AD voaram até o Ministério, onde uma batalha se seguiu.

Lúcio Malfoy foi visto participando da batalha como um Comensal da Morte, o que ocasionou em sua prisão em Azkaban. Draco ficou muito chateado ao saber disso e acusou Harry de ser o principal culpado, jurando vingança e tentando atacá-lo no final do ano letivo com a ajuda de Vicente Crabbe e Gregório Goyle. Entretanto, outros membros da Armada de Dumbledore vieram em defesa de Harry, o que resultou em Draco, Crabbe e Goyle se aparentando com "três lesmas gigantescas em uniformes de Hogwarts" após serem atingidos por uma série de feitiços e azarações ao mesmo tempo.

Sexto Ano

Harry Potter: "Uau... quem diria... ele não está aqui agora! Então, por que não experimentar? Talvez lhe arranjem uma cela de casal em Azkaban para fazer companhia ao perdedor do seu marido!"
Draco: "Não se atreva a falar com a minha mãe assim, Potter!"
Narcisa Malfoy: "Tudo bem, Draco. Prevejo que Potter irá se reunir ao querido Sirius antes de eu me reunir ao Lúcio."
— Draco e sua mãe discutem com Harry na Madame Malkin[src]


Draco conta a Pansy Parkinson e Blásio Zabini sobre sua missão

Pelo final de 1996, Draco se juntou aos Comensais da Morte, substituindo o pai que estava encarcerado. Ele se gabou por ter recebido uma missão para seus colegas sonserinos a caminho da escola no Expresso de Hogwarts. Entretanto, conforme o ano se arrastava, Draco ficava cada vez com mais medo de falhar em sua tarefa aparentemente impossível - matar Alvo Dumbledore. Foi implícito que esse era o esperado, e que Voldemort havia lhe atribuído a tarefa na intenção de punir Lúcio Malfoy por sua falha no Departamento de Mistérios. A segurança de sua família dependia de seu sucesso na missão. Quando Harry ouviu algumas partes da conversa de Draco e seus companheiros, Malfoy lhe laçou o Feitiço do Corpo Preso, pisando forte em seu rosto e quebrando seu nariz por vingança em ter aprisionado seu pai. Isso fez com que Harry odiasse Draco mais do que nunca, embora desconsiderando o que havia ouvido não sendo o suficiente para condená-lo.

Draco entrando na Borgin e Burkes para questionar o Sr. Borgin

Draco planejou consertar um Armário Sumidouro que Pirraça havia destruído quatro anos antes, a fim de levar Comensais da Morte para Hogwarts no intuito de o ajudarem a matar Dumbledore. Durante o ano letivo anterior, um Sonserino, Graham Montague, foi forçado a entrar em um armário pelos gêmeos Weasley e que mais tarde, conseguiu aparatar como último recurso para se libertar do espaço que era semelhante a um limbo no qual havia desaparecido. Montague disse que durante seu tempo preso, ele pode ouvir sons entrando dentro do artefato, bem como os sons do par gêmeo do armário que ficava na Borgin e Burkes. Draco percebeu que se o quebrado fosse concertado, os dois poderiam funcionar como um meio de passagem para a escola.

Durante as férias de verão entre seu quinto e sexto ano, Draco questionou o Sr. Borgin, o dono da loja Borgin e Burkes, sobre o conserto do armário e o ordenou para que mantivesse o outro a salvo. Como prova de lealdade ao Lorde das Trevas, Malfoy mostrou a Borgin sua Marca Negra enquanto ameaçava mandar Fenrir Greyback atacá-lo caso ele desobedecesse suas ordens. A reunião também foi parte ouvida por Harry, Rony e Hermione enquanto Harry começava a suspeitar das atividades dos Comensais e de Draco. Rony e Hermione descartaram tais possibilidades por acreditarem que Draco podia apenas estar blefando, uma escolha da qual se arrependeriam muito mais tarde.

Durante sua preparação para a missão tão perigosa, Draco treinou e aprimorou suas próprias habilidades, se tornando capaz de bloquear feitiços não-verbais. Ele também se tornou talentoso na área da Oclumência através do treinamento de sua tia Belatriz Lestrange, sendo capaz de realizar o muito difícil Feitiço de Proteu, embora ele ainda não pudesse produzir um Patrono Corpóreo.

Draco acha o Armário Sumidouro quebrado dentro da Sala Precisa

Em seu foco de consertar o Armário Sumidouro, Draco passou por muitas mudanças visíveis em sua vida. Ele parecia ter perdido o interesse por Quadribol, e permitiu (possivelmente pagou) que Harper assumisse seu lugar como Apanhador da Sonserina. Ele também estava se tornando mais negligente em seus deveres escolares, pois não realizou duas tarefas de Transfiguração, sendo detido, além de não cumprir com suas obrigações de Monitor, das quais ele normalmente abusava como havia feito no ano anterior. Outra das mudanças, foi de não confiar mais em Snape, estando disposto a falar mal dele à queima-roupa sem respeito algum. Socialmente, Draco forçou Crabbe e Goyle a assumirem formas de outras pessoas com a Poção Polissuco, no intuito de ajudá-lo a manter vigilância do lado de fora da Sala Precisa, e ao mesmo tempo, se recusava a dizer-lhes qualquer coisa, aparentemente se distanciando deles. Draco também passava menos tempo zombando de Harry e seus amigos, apesar de muitas oportunidades. Até sua aparência física mostrava seu estresse, pele grisalha, perda de peso e olheiras sob os olhos. A maior parte disso frustou Harry, que não havia sido capaz de descobrir exatamente o que Draco estava fazendo, apesar de sua persistência e esforço.

Draco começa a sentir tensão sobre ser um Comensal da Morte

Duas vezes durante o ano, ele temeu não conseguir consertar o armário e recorreu a tentativas desesperadoras de assassinato, como tentar contrabandear um colar amaldiçoado e enviar uma garrafa de hidromel envenenado para Dumbledore. Ambas as tentativas falharam e resultaram em pessoas inocentes sendo feridas, embora, como sobreviveram, Dumbledore não foi forçado a prender Draco. O estresse começou a afetá-lo adversamente, e ele confessou seus maiores medos à Murta Warren, uma das fantasmas da escola. Em meio a essas ocasiões, Harry Potter encontrou com ele. Draco, de início, tentou lançar a Maldição Cruciatus, mas Harry reagiu primeiro e o lançou o Sectumsempra, rasgando sua pele antes mesmo de que pudesse completar o feitiço. Malfoy foi hospitalizado e Harry foi detido por Snape, ficando em detenção todos os sábados até o final do semestre.

O Sectumsempra de Harry quase mata Draco

Eventualmente, por meio de uma quantidade excessiva de trabalho, Draco conseguiu consertar o armário, o usando para deixar pelo menos seis Comensais da Morte entrarem no castelo: Corban Yaxley, Aleto Carrow, Amico Carrow, Gibbon, Thorfinn Rowle e o lobisomem vicioso Fenrir Greyback. Prosseguindo para o topo da Torre de Astronomia, Draco foi capaz de encurralar um Alvo Dumbledore significativamente fraco, o desarmando e no mesmo instante em que, sem o conhecimento de Malfoy, Dumbledore lançou a Harry Potter o Feitiço do Corpo Preso. Entretanto, quando teve finalmente a oportunidade de matar Dumbledore, que havia acabado de expressar vontade de proteger Draco e sua família se "passassem para o lado certo", ele não conseguiu cometer o assassinato; considerando que passaram alguns minutos sozinhos discutindo sobre a forma que Draco havia encontrado de trazer seus cúmplices ao castelo, Dumbledore concluiu que Draco não iria matá-lo. E como previsto, Draco finalmente foi incapaz de fazer, ao invés disso, abaixou sua varinha. Severo Snape, que havia feito um Voto Perpétuo com Narcisa Malfoy para intervir se Draco falhasse em sua tarefa, usou a Maldição da Morte contra o diretor. Snape então, prontamente levou Draco para longe dos terrenos da escola, presumivelmente para um lugar seguro, mas na verdade eles chegaram a uma certa distância e desaparecerem ao encontro de Lorde Voldemort.

Draco desarma Dumbledore no topo da torre de Astronomia

No momento em que desarmou Dumbledore, Draco sem saber, havia acabado de ganhar a lealdade da Varinha das Varinhas, uma das três Relíquias da Morte.

Após a Batalha da Torre de Astronomia, ele não pôde mais retornar a Hogwarts, já que havia sido cúmplice, porém relutante, da conspiração de assassinato de Alvo Dumbledore, principalmente por ter deixado Comensais da Morte encontrarem no castelo. O status oficial do crime foi colocado sobre ele, junto de seu medo da ira do Lorde das Trevas, o levou a buscar refúgio, junto de sua família, com Voldemort, na esperança de cumprir suas ordens e evitar mais destaques negativos.

Sua saída abrupta de Hogwarts deixou Vicente Crabbe e Gregório Goyle surpreendentemente solitários, apesar de serem meninos enormes, como Harry os descreveu durante o Funeral de Dumbledore.

Sétimo Ano

"Não tenho... não tenho muita certeza"
—A recusa de Draco em identificar Harry Potter na Mansão Malfoy[fnt]

Draco reconhece Harry após ele ser levado a Mansão dos Malfoy por Sequestradores

Draco relutantemente participou das atividades realizadas por Comensais da Morte antes do início do ano letivo de 1997-1998. Devido a seu papel útil na morte de Dumbledore, Voldemort libertou Lúcio de Azkaban. Draco testemunhou o assassinato de Caridade Burbage e torturou Thorfinn Rowle sob ordens do Lorde das Trevas. A julgar por comentários posteriores feitios por Vicente Crabbe, aparentemente os Malfoy haviam perdido muito de sua influência nos círculos de Comensais, isso devido ao fato de Voldemort não manter mais seu favor sobre Lúcio, e sim para Belatriz Lestrange e o professor de Hogwarts Severo Snape.

Ele cursou seu sétimo ano em Hogwarts nesta época, e durante as férias de Páscoa, Draco estava em sua casa na Mansão Malfoy. Ele foi chamado pelos pais e por sua tia Belatriz Lestrange para confirmar as identidades de Harry, Rony e Hermione, que haviam sido capturados por um grupo de Sequestradores liderados por Fenrir Greyback. Draco mostrou grande hesitação distingui-los. Após Hermione mentir sob tortura para Belatriz sobre a Espada de Godrico Gryffindor, ele foi enviado para buscar Grampo, o duende, das masmorras e obter a confirmação da história contada por Hermione, o que ele fez alegando que aquela era uma espada falsa. Mais tarde, os prisioneiros conseguiram escapar e a varinha de Draco foi pega por Harry Potter. Depois disso, ele e sua família foram detidos na Mansão por Lorde Voldemort. Narcisa emprestou sua varinha para o filho; que alegou que era bastante poderosa, mas não o compreendia.

Batalha de Hogwarts

Draco: "PARE! O Lorde das Trevas quer ele vivo..."
Vicente Crabbe: "Então? Eu não estou matando ele, estou? Mas, se eu puder, é o que farei, o Lorde das Trevas quer ele morto mesmo, qual é a dif...?"
Draco: "Não o mate! NÃO O MATE!"
— Draco tenta controlar Crabbe na Sala Precisa[src]


Draco, Goyle e Blásio (nos filmes) prestes a entraram na Sala Precisa para encurralar Harry Potter

Naquele mesmo ano, durante a Batalha de Hogwarts, Draco, junto com Crabbe e Goyle, escolheu permanecer na escola enquanto seus colegas Sonserinos evacuavam a fim de trazerem Harry Potter a Lorde Voldemort. Dadas as observações anteriores de Lúcio, aludindo ao "perdão", é provável que Draco estivesse tentando entregar Potter na tentativa de redimir sua família aos olhos do Lorde das Trevas. Ele, Crabbe e Goyle seguiram Harry, Rony e Hermione até a Sala Precisa, onde tentou capturar Harry e recuperar o item que ele estava tentando achar. Entretanto, ele não exercia o mesmo grau de controle sobre seus amigos, particularmente com Crabbe, que possuía antes.

Harry salva Draco do Fogomaldito

Apesar de ter contado aos amigos para deixar Harry vivo, Crabbe tentou matá-lo conjurando o Fogomaldito. Sendo capaz de controlar a maldição, Crabbe encheu a sala de fogo. Draco saiu de seu caminho para tentar salvar seus dois amigos, mas só conseguiu colocar Goyle, que havia sido estuporado por Hermione, para cima da vassoura de Rony antes de deixar Harry os levar para fora. Crabbe foi morto durante o incêndio.

Draco e seus pais durante a parte final da batalha

Harry, Rony e Hermione avistaram Draco mais tarde implorando a um Comensal da Morte que estava ao seu lado. Harry estuporou o Comensal e Rony deu um soco em Draco, o chamando de "filho da mãe de duas caras", já que esta havia sido a segunda vez que eles salvaram sua vida naquela noite.

Embora Draco não soubesse disso, seu ato em desarmar Dumbledore antes de sua morte o fez dominar a Varinha das Varinhas, resultando na derrota final de Voldemort pelas mãos de Harry. Isso se deve ao fato de que o Lorde das Trevas não era capaz de entender completamente o poder da varinha, e por Harry ter desarmado Draco, o tornado o verdadeiro dono do objeto.

Após a derrota de Voldemort, Draco e seus pais se sentaram no Salão Principal, parecendo incertos sobre seu lugar durante as celebrações de vitória.

Vida Posterior (1998-2006)

Os eventos de sua adolescência mudaram sua vida para sempre. Draco tinha crenças nas quais crescera desafiadas de maneira assustadora, experimentou terror e desespero, testemunhou seus pais sofrendo por sua fidelidade e presenciou o desmoronamento de tudo em que sua família acreditava. Ele e sua família evitaram a prisão em Azkaban, devido à mudança de última hora sobre suas próprias confianças. Lúcio achava o filho afetuoso como sempre, mas se recusou a seguir a velha linhagem puro-sangue.

Draco se casou com Astória Greengrass, a irmã mais nova de sua colega de classe Daphne Greengrass, que havia passado por uma conversão semelhante (embora menos violenta e assustadora) sobre as ideais de sangue puro e de um modo de vida mais tolerante e respeitoso. Isso se mostrou como uma enorme decepção para Lúcio e Narcisa, que ainda possuíam esperanças em alguém cuja a família participava dos "Sagrados Vinte e Oito".

Nascimento de Escórpio Malfoy (2006)

Draco acompanha seu filho e esposa na Plataforma Nove e Meia em 2017

Os dois tiveram apenas um filho, chamado Escórpio Malfoy, que foi criado para não acreditar que trouxas ou nascidos-trouxas eram a escória da terra; como tal, as reuniões familiares eram sempre carregadas de tensão. Draco criou seu filho para ser um Malfoy mais gentil e tolerante do que ele própria havia sido em sua juventude.

Em 1 de setembro de 2017, ao acompanhar seu filho para o primeiro ano em Hogwarts, Draco cumprimentou Harry, Rony, Hermione e Gina na Estação de King's Cross com um breve aceno de cabeça. A relação entre Harry e Draco era muito melhor do que havia sido enquanto estudavam juntos, embora não pudessem serem considerados amigos próximos.

Rico, independente e sem a necessidade de trabalhar, Draco habitava a Mansão Malfoy com sua esposa e filho. Seus hobbies - que incluíam manter a velha coleção de artefatos das Trevas de sua família (embora não os usasse e os preservava em caixas de vidro) e estudar manuscritos alquímicos - eram indicações de sua natureza dupla e sugeriam um desejo por algo além da riqueza.

Ele também se juntou a seus ex-inimigos em um duelo contra Delphini Riddle na Igreja de São Jerônimo, a fim de impedi-la de evitar a morte de Lorde Voldemort.

Aparência Física

Draco em seu sexto ano

Draco era um garoto esguio com cabelos louros-branco, olhos cinzentos, uma tez pálida e feições ossudas e bem definidas. Ele foi descrito como tendo uma boa aparência altiva. Assim como mais velho, sua linha de cabelo estava diminuindo, fazendo suas feições pareceram ainda mais pontudas. Durante seu primeiro e segundo ano, ele possuía o cabelo loiro penteado firmemente para trás.

Ele era descrito sendo muito parecido com o pai. Após se juntar aos Comensais da Morte, Lorde Voldemort o marcou com a Marca Negra em seu antebraço esquerdo; e que desde então havia se transformado em uma mera cicatriz após a morte do Lorde das Trevas.

Em seus primeiros cinco anos escolares, Draco manteve uma aparência relativamente saudável, entretanto, durante seu sexto ano em diante, seu estresse com sua missão ficava mais aparente, perdendo seu semblante presunçoso e ficando bastante magro, com sombras escuras sob os olhos e um tom de pele acinzentado.

Quando adulto, Draco deixou seu cabelo crescer e começou a usá-lo em um rabo de cavalo assim como seu pai.

Personalidade e Traços

"Você escolheu o lado perdedor, Potter! Eu lhe avisei! Eu lhe disse que devia escolher com quem anda com mais cuidado, lembra? Quando nos encontramos no trem, no primeiro dia de Hogwarts? Eu lhe disse para não andar com ralé desse tipo! Tarde demais agora, Potter! Eles serão os primeiros a ir, agora que o Lorde das Trevas voltou! Sangues ruins e amantes de trouxas primeiro! Bom, em segundo lugar, Diggory foi o pr..."
—Draco provoca Harry Potter após o Retorno de Lorde Voldemort e o assassinato de Cedrico Diggory[fnt]

O comportamento arrogante de Draco

Draco era, em geral, um valentão arrogante e rancoroso durante a maior parte de seus anos em Hogwarts. Assim como Duda Dursley, sua natureza narcisista provavelmente se derivou de ter sido mimado por seus pais na infância, embora de acordo com Harry Potter, Draco era ainda menos simpático que o primo. Ele se considerava superior à maioria das pessoas por causa da linhagem inteiramente pura de sua família, bem como pela a grande riqueza e posição social. Draco freqüentemente tratava nascidos-trouxas, os chamados "traidores de sangue", alunos da Grifinória e quaisquer um que fosse partidário à Harry Potter ou Alvo Dumbledore, de forma cruel. Durante a maior parte de sua juventude, ele se igualou ao pai, Lúcio Malfoy, como um modelo, se gabando de sua influência e riqueza.

Draco era inteligente, astuto e perspicaz, sendo capaz de deduzir coisas e traçar planos altamente inteligentes com base em um pequena quantidade de informações; seu pai esperou que ele obtivesse as melhores notas escolares depois de seu primeiro ano, se mostrando extremamente desapontado após Hermione Granger socá-lo. Ele descobriu através da experiência de Montague que os Armários Sumidouros de Hogwarts e da Borgin e Burkes estavam interligados, achando um meio de então, usar a passagem em seu benefício. Entretanto, seus planos poderiam ter limitações baseadas em sua própria arrogância ao lidar com outras pessoas. Quando tentou sabotar Harry em seu terceiro ano durante uma partida de Quadribol entre Corvinal e Grifinória, baseando-se exclusivamente na ideia de que a aparição de Dementadores pudesse causar problemas a Harry. Draco também era adepto de compartilhar suas emoções, como é evidenciado em seu sucesso com a Oclumência.

Porém, algo em Draco aparentou mudar durante seu sexto ano em Hogwarts. Após Lorde Voldemort o tornar um Comensal da Morte, ele deu a Draco a tarefa de assassinar Alvo Dumbledore até o final do ano, algo que ele esteve muito ansioso para realizar no inicio. Depois de uma série de tentativas tolas, Draco começou a ceder sob a enorme pressão que o Lorde das Trevas o estava colocando. Não tendo a certeza de sua capacidade em cumprir com a missão e com o medo de que ele e sua família pagassem o preço por seu fracasso; o estresse o levou a ser imprudente, já tendo duas tentativas sendo consideradas tolas por Severo Snape, ele tentou lançar a Maldição Cruciatus em Harry, apesar das consequências de uma sentença à prisão perpétua em Azkaban.

A evidente mudança de Draco

Ao decorrer do ano, a missão também o levou a negligenciar outros aspectos de sua vida escolar que antes ele teria abusado ou desfrutado; rejeitou seus deveres como monitor que antes exibia alegremente; fingiu estar doente e pagou para outro estudante assumir seu lugar em uma partida de Quadribol, ao contrário de três anos antes, quando ele assegurou que toda a partida fosse adiada por seu exagero em sua pequena lesão para atender aos interesses do time; não realizou e perdeu duas de suas tarefas de casa de Transfiguração; se distanciou de seus amigos próximos Crabbe e Goyle, os ordenando para que ficassem de vigia sem lhes dizer nada; e em também passando menos tempo zombando de Harry e seus amigos, apesar das muitas oportunidades. No final, Draco foi incapaz de matar Dumbledore.

Pelo restante da Segunda Guerra Bruxa, ele ficou desiludido com o estilo de vida dos Comensais da Morte. Draco relutantemente participou das atividades do Lorde das Trevas e, no final, permaneceu "em cima do muro". Quando Harry Potter, Rony Weasley e Hermione Granger foram capturados por Sequestradores e levados para sua casa, ele mostrou grande hesitação em identificá-los diante dos Comensais. Além disso, durante a Batalha de Hogwarts, ele mostrou uma preocupação genuína por Crabbe e Goyle, algo que raramente fazia.

Quando se tornou adulto, Draco se tornou um homem visivelmente mudado, devido ao seu arrependimento como Comensal da Morte e aos atos vis que ele tivera de realizar, mesmo que apenas limitados em comparação aos seus pais, e a qualquer um de seus antigos preconceitos. Ele se recusou a passar os ensinamentos da Supremacia Puro-Sangue para seu filho, tendo em visto o que havia acontecido com sua família por causa disto. Draco se apaixonou profundamente por Astória Greengrass, apesar da nítida decepção dos pais por ela não atender às esperanças de alguém do Sagrados Vinte e Oito. Como marido, ele era muito amoroso e dedicado, estando totalmente disposto em deixar a linhagem dos Malfoy acabar para proteger a esposa da maldição de sua família, devido ao fato de isto tornar o parto perigoso e prejudicial à saúde de Astória; o que ele manteve mesmo depois da antipatia de Lúcio, apenas cedendo depois de Astória dizer que queria deixar um filho para ele e não para crenças familiares. Sua sabedoria brilhou ao fato de que, embora a tentação de usar seu secreto Vira-Tempo para ver sua esposa por mais um minuto fosse reconhecidamente grande, ele respeitou que seus desejos e memórias eram grandes demais para arriscar colocar em risco a vida de sua amada, mostrando o quão profundamente Draco era apaixonado por ela, como embora ele tivesse o poder de alterar o tempo para estar em sua presença, foi capaz de, mesmo que por pouco, resistir a tal tentação avassaladora.

Embora o nascimento de Escórpio causou a morte de Astória, o amor de Draco pelo filho era evidentemente grande, considerando o dia em que ele nasceu o melhor dia de sua vida. Tendo em vista de como seus pais o mimaram e isto o fizeram se tornar um homem horrível durante sua adolescência, Draco se esforçou para fazer o melhor para seu filho e o criar como uma pessoa melhor. Ele não deixou os eventos com Harry, Rony e Hermione atrapalharem seu julgamento sobre a amizade de Escórpio com Alvo Potter e a paixão por Rosa Weasley, filhos de seus antigos rivais, o apoiando totalmente. Seu amor por Escórpio foi demonstrado pela forma em como ele não hesitou em dar qualquer objeto pertencente à Família Malfoy aos seus rivais no intuito de ajudar em sua busca. Draco, na verdade, confiava muito em Alvo, permitindo que ele se conectasse com Escórpio como ele não pôde depois de Astória morrer, e genuinamente se importando em como o menino significava para seu filho. Ele chegou a protestar contra Harry Potter após afastar Alvo de Escórpio, mostrando o quanto ele valorizava a amizade entre os dois. Draco parecia mais rígido com Escórpio do que seus pais foram com ele, aceitando que seu filho deveria ser punido após trazer o mundo bruxo de volta aos tempos de que Voldemort estava no poder.

Seu relacionamento pessoal com seus "inimigos" de escola também mudou de antagônico para civil e tolerante. Ele continuou a zombar dos amigos de Harry por serem tão populares por causa dele, e não confiando totalmente neles para questões relacionadas a seu filho, dando uma resposta fria ao convite de Gina Potter para que Escórpio dicasse na Casa dos Potter, particularmente sendo enfurecido pelos rumores de que Escórpio era na verdade filho de Lorde Voldemort. Draco esteve disposto a se juntar com Harry, Rony e Hermione para salvar Alvo e Escórpio, trabalhando com eles efetivamente para rebater Delphini Riddle, apesar desta ser filha de Voldemort e de sua tia Belatriz Lestrange. O desafio entre Delphini mostrou que mesmo ela sendo a filha do Lorde das Trevas e uma parente de sangue, ele a considerava uma "noção repugnante" que queria pouco fazer com que o passado de Comensais da Morte retornasse, ainda mais mostrando por como ele ajudou seus rivais em derrotar o que restava de forças das trevas.

Por esta altura, Draco começou a se referir a Voldemort por seu verdadeiro nome ao invés de "Lorde das Trevas" como fazia em sua juventude devido à sua autorredenção. Ele passou a confiar na sorte e nos instintos de Harry e Hermione, obedecendo às ordens da Ministra da Magia sem hesitação, em até mesmo expressando que estava impressionado com seus movimentos de batalha, embora de um modo levemente divertido, reconhecendo que Harry sempre estava pronto para resolver a mais espessa das situações e inveja pelas amizades de Harry, já que ele só tinha Crabbe e Goyle, reconhecendo Potter como um amigo e demostrando respeito por ele, o que lhe foi mutualmente retribuído.

Capacidades e Habilidades Mágicas

"Ele não mentira, sabia voar bem."
—Harry admite o talento de Draco em voar[fnt]

Draco era um bruxo talentoso desde jovem, possuindo várias habilidades mágicas impressionantes. Sua varinha era feita de pilriteiro, uma madeira que acreditam só se colocar nas mãos de um bruxo cujo o talento é comprovado. Seguindo o treinamento de sua tia Belatriz Lestrange, Draco cresceu e se tornou um bruxo poderoso para sua idade.

  • Amor: Embora esta não seja uma habilidade proeminente de Draco, deve-se notar que ele era um dos poucos Comensais da Morte cuja era capaz de amar genuinamente. Ele se preocupava profundamente com os pais a ponto de protegê-los e defendê-los quando necessário. Essa capacidade foi demonstrada mais tarde, dando-lhe força para abandonar seu antigo preconceito contra sangues não-puros depois de presenciar o quanto de dano e devastação isso causou para sua família. Ficando mais evidente quando Draco resolveu educar seu filho longe de preceitos impostos por puro-sangues para o tornar uma pessoa melhor do que ele próprio e quando manteve uma relação mais civilizada com seus "inimigos" de escola a ponto de confiar em seus instintos para procurarem Alvo e Escórpio. Ele até alegou que teria voluntariamente terminado a linhagem dos Malfoy consigo mesmo se isso significasse proteger sua esposa. Mesmo não gostando do Professor Dumbledore na época, Draco estava extremamente relutante de matá-lo, apesar de ter sido mandado por Lorde Voldemort para manter a segurança de sua família

    Draco participando de uma aula de po ções em seu sexto ano

  • Oclumência: Durante seu sexto ano escolar, sua tia Belatriz o ensinou a arte da Oclumência no intuito de prepará-lo para sua missão. Como Draco já havia abandonado sua compaixão de ser um valentão, isso se tornou muito mais fácil para ele fechar e concentrar sua mente e se desassociar de suas emoções. Ele tinha habilidades suficientes para bloquear as tentativas de Severo Snape (um poderoso Legimens) de ler sua mente.
  • Poções: Draco era proficiente nesta área da magia. Isso pode ser considerado devido ao favorecimento de Snape com ele, podendo ajudá-lo em suas aulas. Draco foi capaz de passar em seu exame NOM da matéria com a nota pelo menos "Excede Expectativas" ou provavelmente "Ótimo", já que aparentemente ele não esqueceu seu livro e ingredientes durante a primeira aula do Professor Slughorn no ano escolar seguinte. Quando Horácio estava ensinado a matéria, Draco aparentou ter perdido o controle. Ele estava coberto por "algo como um gato doente" durante o preparo de uma composição de antídotos mistos e produzindo uma solução dos soluços apenas "passável". É evidente que isso pode ter sido causado ao imenso estresse e ansiedade que Draco esteve sentindo ao longo daquele ano.
  • Defesa Contra as Artes das Trevas: Ele avançou para a classe de nível NIEM, o que significa que ele alcançou uma nota entre "Excede Expectativas" ou "Ótimo" em seu NOM. Draco mostrou habilidades em se defender proficientemente contra magia negra.
  • Magia Não Verbal: Dominou feitiços não verbais antes de seu sexto ano, que incluía o bloqueio de feitiços não verbalmente. Isso requer muita habilidade e concentração para a realização, uma magia cuja apenas alguns de seu ano a fizeram, dado ao alto nível de dificuldade e precisão exigidos para lançar feitiços dessa maneira.
  • Voo: Draco era um ótimo jogador de Quadribol. Ele começou a voar desde ainda muito jovem, mostrando suas habilidades no primeiro ano. Entrou para o Time de Quadribol da Sonserina como o Apanhador em seu segundo ano, o que era uma posição muito difícil de ocupar. Embora sua entrada na equipe tenha sido aprimorada pelo suborno de seu pai com novas Nimbus 2001 pra todo o time, ele também possui talento suficiente, entretanto Harry Potter ainda o superou com suas habilidades genuínas, apesar da suposta experiência de Draco e sua vassoura superior em seu primeiro jogo um contra o outro. Quando Draco se recusou a jogar durante seu sexto ano, seu time sofreu muito devido ao fato que o substituto jogava terrivelmente, sugerindo o fato de que nenhum sonserino durante seu tempo no cargo era mais habilidoso que ele.

    Draco duela contra Harry Potter emm 1992

  • Duelo: Draco foi um duelista bastante competente por um bom tempo antes mesmo de começar Hogwarts, uma habilidade provavelmente herdada de seus pais. Ele foi capaz de lançar o Feitiço da Perna Presa em seu primeiro ano, algo que Rúbeo Hagrid disse que nenhum garoto do primeiro ano seria capaz de fazer. No ano seguinte, ele conseguiu executar um Everte Statum tão poderoso que arremessou seu oponente para o outro lado da sala, e mesmo quando foi submetido a um ataque de risos causado pelo Feitiço das Cócegas, Draco foi capaz de acertar Harry com o Feitiço dos Pés Dançantes com precisão; a rodada terminou em uma paralisação como resultado. Mais tarde, ele foi capaz de enfrentar Harry mais uma vez em um duelo, lançando um feitiço tão rápido quanto Harry, fazendo com que seus feitiços ricocheteassem por todos os lugares. Em seu sexto ano, tendo sido treinado por Belatriz, suas habilidades em duelos haviam melhorado para se sair bem contra qualquer um. Draco superou Harry Potter — que na época enfrentou inúmeros Comensais da Morte mais experientes que ele, executando feitiços não-verbais com uma facilidade e velocidade surpreendente, algo que a maioria dos sextanistas eram incapazes de fazer — resistindo a seus ataques, entretanto quando Harry foi finalmente capaz de lançar uma maldição mais rápido do que ele, deixada por sua breve abertura da Maldição Cruciatus, ele quase atingiu um dano mortal se não tivesse sido tratado rapidamente. Draco também foi vencido por Gina Weasley em seu quinto ano, e por Hermione Granger em seu sétimo. Aos quarenta anos, pelo que ele mesmo admitiu ter praticado por anos, suas habilidades haviam evoluído muito e, apesar da idade, permaneceu um duelista poderoso, capaz de lutar contra Harry — que já havia sido o chefe do Departamento de Execução das Leis da Magia e da Seção dos Aurores — até um empate, conseguindo acertar e desviar de vários feitiços tanto quanto seu oponente conseguia acertá-lo, embora Harry não estivesse lutando na intenção de machucar ou matá-lo, reconhecendo abertamente suas capacidades aprimoradas e ajudando a acabar com Delphini.

    Draco faz seu pássaro de papel voar

  • Transfiguração: Draco mostrou ser talentoso nesta área desde muito jovem, já que em seu segundo ano, ele já era capaz de conjurar uma cobra, uma forma avançada da transfiguração que se aprende ao sexto ano, uma razoável façanha impressionante, mesmo que essa conjuração tenha sido bastante simples. Ele também se qualificou com sucesso em Transfiguração no seu nível NIEM, o que significa que ele obteve uma nota entre "Excede Expectativas" ou "Ótimo" em seu NOM. Em 2020, Draco executou facilmente o Feitiço Incarcerous quando duelo contra Harry, sendo capaz de ajudar Rony, Hermione e Gina a transfigurarem Harry em uma sósia de Lorde Voldemort, demostrando seu alto nível de habilidade na área, já que a Transfiguração Humana é um nível de personificação complexa e um feito muito exigente.

    Draco tenta amaldiçoar Harry

  • Feitiços: Draco era talentoso em feitiços, já que em seu sexto ano ele foi capaz de executar o difícil e avançado Feitiço de Proteu, um feitiço cuja a única aluna conhecida da mesma idade capaz de lançá-lo foi Hermione Granger (embora ele o dominou um ano após ela). Ele executou o Feitiço dos Pés Dançantes com sucesso contra Harry Potter durante o Clube de Duelo em 1992 e em 1997 desarmou Alvo Dumbledore da Varinha das Varinhas com o Feitiço de Desarmamento. Draco foi capaz de lançar um Feitiço Escudo com sucesso para bloquear os feitiços de Harry durante um duelo. Em seu sétimo ano, ele executou o Feitiço de Desilusão em si mesmo a ponto de Harry, Rony e Hermione não poderem vê-lo, permanecendo indetectável. Draco também foi capaz de animar um pássaro de papel com um feitiço, a ponto de fazê-lo voar como um real. Já em 2020, ele exibiu uma melhora notável em suas habilidades de feitiços, fazendo o uso eficaz disso durante um combate contra Harry Potter, sendo notavelmente capaz de rivalizar o Feitiço de Desarmamento de seu adversário, empurrando facilmente uma cadeira para bloquear um dos feitiços e, mais tarde, parando uma cadeira arremessada em alta velocidade, além de ser capaz de usar o Mobilicorpus facilmente em Harry, fazendo-o pular para cima e baixo na mesa. Mais tarde, ele lançou com facilidade o Feitiço de Levitação para levitar Delphini e a silenciou com o Feitiço Silenciador.
  • Artes das Trevas: Demonstrou uma grande proficiência para magia negra desde a tenra idade, como quando foi rapidamente capaz de lançar maldições para humilhar os outros durante seus anos em Hogwarts, como o Feitiço da Perna Presa, a Maldição para Amarrar a Língua, Maldição Flipendo, AzaraçãoDensaugeo, Azaração Melofors, o Feitiço do Corpo Preso e um feitiço escuro não especificado. Em seu sexto ano, Draco aprendeu com sucesso a execução de pelo menos duas das Maldições Imperdoáveis, a Maldição Cruciatus e a Maldição Imperius, após se tornar um Comensal da Morte, permitindo que se igualasse a um Bruxo das Trevas em pleno direito. Ambas são maldições das trevas extremamente difíceis e poderosas que nem ao menos bruxos adultos conseguem executar; sua incrivelmente habilidosa tia Belatriz Lestrange pode ter lhe ensinado estas maldições enquanto estava lhe ensinando a arte da oclumência e feitiços não-verbais. Sua Maldição Imperius foi forte o suficiente para segurar Madame Rosmerta por quase um ano inteiro, enquanto ele usava a Maldição Cruciatus em Thorfinn Rowle. É provável que ele tenha a capacidade (mas não a vontade) de executar a Maldição da Morte também. Enquanto duelou contra Harry Potter em 2020, Draco foi capaz de executar rapidamente e com sucesso uma série de feitiços das trevas com facilidade, como Levicorpus junto de Densaugeo e Flipendo, demonstrando suas capacidades em magia negra ainda muito adeptas mesmo depois de desertar dos Comensais da Morte. Ele também se ofereceu para se disfarçar de Voldemort quando ele e outros voltaram no tempo para parar Delphini devido ao seu conhecimento e habilidades em artes das trevas, sugerindo que ele estava seguro de que poderia se envolver em atividades de magia negra bem o suficiente para convencê-la de sua identidade.
  • Reparo Mágico: Draco conseguiu consertar o Armário Sumidouro em seu sexto ano com a ajuda do Sr. Borgin, embora ele tenha levado a maior parte do ano para consertá-lo. O armário havia sido destruído por Pirraça no segundo ano, e Draco o consertou apesar do fato de que a ligação mágica entre os dois armários não havia sido destruída.
  • Alquimia: Depois de se formar em Hogwarts, Draco começou a estudar Alquimia como hobby.

Posses

A varinha de pilriteiro de Draco

Relacionamentos

Família

Seus pais

"Não tenho opções! Tenho de fazer isto. Ele me matará! Ele matará minha família toda!"
—Draco para Alvo Dumbledore sobre as ameaças do Lorde das Trevas[fnt]

A Família Malfoy em 1998

Lúcio e Narcisa Malfoy mimaram seu único filho. Em 1991, Narcisa enviava pacotes de doces diariamente para o filho. Já em 1992, Lúcio comprou novas vassouras para todo o Time de Quadribol da Sonserina quando Draco foi nomeado apanhador. Narcisa também se recusou a enviar seu filho para Durmstrang —como Lúcio queria — insistindo de que ele tivesse de ficar perto de casa, frequentando assim Hogwarts; apesar do desejo de Lúcio querer manter o filho longe das influências de nascidos trouxas em Hogwarts e também por Durmstrang ensinar artes das trevas ao invés de "apenas defesas", o desejo de Narcisa foi cumprido e Draco acabou estudando em Hogwarts. Lúcio era mais frio e exigente que sua esposa, criticando seu filho por tirar notas mais baixas do que Hermione Granger, uma nascida trouxa. Apesar disso, Draco admirava o pai, frequentemente se gabando de sua influência e se esforçando para ser como ele. Além disso, por tentar usar os feitos de seu avô, Abraxas, para persuadir Horácio Slughorn, Draco pode ter tido um nível semelhante de respeito por ele assim como por seus pais.

Draco e Lúcio em 1992

Ficou claro que durante a Segunda Guerra Bruxa, os Malfoy se importavam muito mais uns com os outros do que seguirem Lorde Voldemort. Draco realizou a tarefa atribuída pelo Lorde das Trevas em seu sexto ano pois a vida de seus pais estava sendo ameaçada, e pareceu estar perto de aceitar a oferta de Dumbledore sobre mantê-los seguros antes de Severo Snape interceder e matar o diretor. Durante a Batalha de Hogwarts, Lúcio e Narcisa não lutaram, em vez disso, procuraram freneticamente pelo filho. Narcisa chegou a mentir diretamente para Voldemort sobre a morte Harry Potter, no intuito de retornar ao castelo e achar Draco, o que também sugere que Harry foi salva mais uma vez pelo amor de uma mãe.

Assim como seus pais, Draco possuía a formidável habilidade em Duelos, Oclumência e nas Maldições Cruciatus e Imperius. Era inteligente, rápido e um habilidoso retentor.

Entretanto, depois da guerra, o relacionamento de Draco e seus pais aparentemente pode ter vacilado um pouco, já que seu casamente com Astória Greengrass os levou a pensar que ela era uma nora um tanto decepcionante, principalmente sobre suas opiniões das atrocidades feitas por Comensais da Morte e da Ideologia Puro-Sangue, algo que eles prezavam muitos por serem membros dos Sagrados Vinte e Oito. O próprio Draco perdeu sua intolerância com bruxos "não puro-sangue", tomando a disposição de deixar extensa linhagem do Malfoy terminar em si mesmo para preservar a saúde de sua esposa devia à uma maldição de família; ganhando a antipatia de Lúcio. Apesar de tudo, ele não perdeu os favores de seus pais, herdando assim a Mansão Malfoy e a coleção de artefatos das trevas de Lúcio, incluindo o "verdadeiro" Vira-Tempo, que se provou crucial mais tarde.

Esposa e filho

Draco, Astória e Escórpio

Algum tempo após o fim da guerra, Draco se casou com Astória Greengrass, cuja a irmã mais velha estudava no mesmo ano escolar que ele. Draco e Astória tiveram apenas um filho chamado Escórpio.

Draco e sua esposa evidentemente amaram e cuidaram de seu filho, criando-o para uma pessoa melhor do que Draco havia sido, comprovado quando Escórpio se tornou o melhor amigo de Alvo Potter (filho de seu antigo arquirrival) e uma queda por Rosa Weasley (filha de seus ex-inimigos). Draco e Astória consideravam o dia do nascimento do filho o melhor dia de suas vidas. A morte de Astória foi a causa do coração partido de Draco, fazendo-o considerar usar ilegalmente o Vira-Tempo que havia recebido de seu pai para vê-la novamente, embora ele resistiu ao impulso. Draco afirmou que teria alegremente deixado a linhagem de sua família acabar em si mesmo se isso considerasse preservar a saúde de esposa, indo contra aos desejos de Lúcio, mas ela afirmou que queria deixar algo para seu marido e não para crenças familiares. Draco certamente criou seu filho mais estritamente de que como havia sido criado por seus pais, como quando Escórpio foi punido por Minerva McGonagall por utilizar um Vira-Tempo e corromper a realidade ao ponto de ressuscitar Voldemort, Draco afirmou estar pronto para ouvir como seu filho deveria ser punido.

Belatriz Lestrange

"Ah... tia Belatriz tem lhe ensinado Oclumência, entendo."
Severo Snape[fnt]

Belatriz Lestrange, sua tia materna

Belatriz Lestrange era sua tia materna, irmã de Narcisa e uma Comensal da Morte. Quando Draco era mais jovem, ele não tinha muito contato com a tia, pois ela estava presa em Azkaban por torturar os Aurores Franco e Alice Longbottom, pais de Neville, um colega da Grifinória na mesma época de Draco, até a loucura. Entretanto, Draco não sentia vergonha dos crimes de sua tia contra a lei mundial dos bruxos, que muitos considerariam vergonhoso. Depois que Belatriz fugir em 1995, ela lutou em uma batalha contra Harry Potter e seus amigos, sendo a única Comensal da Morte que não foi capturada; Lúcio Malfoy, que também lutava, foi preso. Depois de Draco receber sua missão como Comensal, Belatriz o ajudou e lhe ensinou Oclumência, Feitiços não-verbais e Artes das Trevas. Ela também achava que Narcisa deveria se orgulhar de seu filho ter se tornado um Comensal da Morte.

Durante 1997, Belatriz morou alguns meses na Mansão Malfoy no intuito de ficar mais próxima de Voldemort, que também estava hospedado lá. Ela e Draco participaram do Conflito na Mansão Malfoy; Draco relutantemente observou a tortura de Belatriz em Hermione Granger. Durante a Batalha de Hogwarts, Belatriz foi assassinada por Molly Weasley.

Não se sabe como Draco reagiu à sua morte, mas provavelmente ele tenha ficado triste, pois Belatriz parecia sentir algum afeto por ele. Entretanto, dado ao arrependido de Draco e sua família sobre a aliança com Voldemort, e que Draco abandonou seus preconceitos contra sangues não-puros após a guerra, é possível que sua opinião sobre sua tia mudou consideravelmente, já que ela era fanaticamente leal e obsessivamente apaixonada pelo Lorde das Trevas. Além disso, apesar de Delphini Riddle ser filha de Belatriz, Draco não hesitou em ajudar em sua prisão após esta ameaçar a vida de seu filho.

Outros membros da família

Sua prima materna, Ninfadora Tonks

Draco não era próximo de sua tia Andrômeda, que havia sido deserdada de sua família por se casar com um nascido-trouxa chamado Ted Tonks, ou de sua filha Ninfadora. Como grande parte do resto da família, Draco provavelmente desconsiderou esses parentes por desprezo; Andrômeda foi considerada traidora de sangue e Ninfadora uma mestiça. Além disso, Tonks se casou com Remo Lupin, um lobisomem, algo que os Comensais da Morte usavam para humilhar Draco. Por ter medo de Voldemort para responder à tais ofensas, os sentimentos de Draco sobre o assunto são desconhecidos. Tonks referiu-se a ele como "O menino Malfoy" indicando que ela ou não sabia seu nome ou o desprezava muito para se importar, sem nem ao menos mencionado sua relação. Da mesma forma, Draco era indiferente a seu primo de primeiro grau, Sirius Black.

Sirius Black, seu primo materno

Ambos os primos foram mortos por Belatriz; Sirius durante a Batalha do Departamento de Mistérios e Tonks durante a Batalha de Hogwarts respectivamente. Sua prima, filha ilegítima de Belatriz, sua tia, e Tom Riddle, seu ex-líder, era Delphini, a qual ele ajudou Harry Potter a combater no ano de 2020 depois de descobrir que ela era filha de Voldemort, e depois de tentar matar seu filho Escórpio. Ele não possuía nenhum afeto por Delphi, pois ajudou a prendê-la pelo assassinato de Craig Bowker Jr.

Vicente Crabbe e Gregório Goyle

"À mesa da Sonserina, Crabbe e Goyle cochichavam. Corpulentos como eram, pareciam estranhamente solitários sem a companhia da figura alta e pálida de Malfoy entre os dois, despachando ordens."
—Pensamentos de Harry Potter sobre a amizades de Crabbe, Goyle e Malfoy[fnt]

Draco, Crabbe e Goyle em 1992

Os dois companheiros contantes de Draco durante seus anos em Hogwarts eram Vicente Crabbe e Gregório Goyle. Os dois freqüentemente se envolviam nos conflitos de Draco com Harry Potter e seus amigos. Embora Draco sempre deixasse claro que os considerava bastante estúpidos — uma reivindicação legítima — ele os tratava mais como servos do que como amigos, demonstrando preocupação genuína por eles e pelo resto de seu grupo em algumas ocasiões; como quando Goyle foi mordido por Perebas, o rato de Rony Weasley, Draco o esperou antes de ir embora, como quando Goyle foi atingido por uma Maldição de Harry, e também quando Dumbledore expressou seu desgosto com Draco ao saber que ele havia permitido que Fenrir Greyback viesse "a uma escola onde seus amigos viviam..", negando dizendo que não sabia que ele estaria lá, claramente perturbado pela presença inesperada do sádico lobisomem. Sua saída abrupta de suas atividades criminosas deixaram Crabbe e Goyle estranhamente solitários, já que eram acostumados a andar somente juntos, com Draco dando-lhes ordens.

No duelo final entre Draco e Harry na Sala Precisa, durante a Batalha de Hogwarts, Draco não pode exercer muito controle sobre seus amigos; Crabbe, em particular, respondeu duramente às tentativas de Draco de impedi-lo de matar Harry. Draco desesperadamente tentou salvar seus dois amigos do Fogomaldito que Crabbe havia lançando; ajudando Goyle a montar na vassoura de Rony e Hermione antes de deixar Harry os levar para fora e ficando muito chateado com a morte de Crabbe. Embora tenha sido Rony e Hermione que salvaram Goyle, se não fosse por Draco tê-lo arrastado para um lugar seguro, Goyle não teria sido salvo, considerando que ele salvou sua vida.

Em 2020, quando adulto, Draco admitiu para Harry e Gina Potter que seu relacionamento entre Crabbe e Goyle nunca poderia ter sido realmente chamado de amizade, já que eles tinham pouco em comum, exceto os preconceitos herdados de suas famílias, e por Crabbe e Goyle serem estúpidos demais para serem coortes confiáveis em qualquer coisa. Draco também admitiu que sempre invejou a amizade próxima de Harry com Rony e Hermione, em total contraste ao vazio de sua relação com seus dois "melhores amigos" em Hogwarts.

Pansy Parkinson

Draco: "Quero dizer, talvez eu nem esteja em Hogwarts ano que vem, que diferença faz se um velho gordo e decadente gosta ou não de mim?"
Pansy Parkinson: "Como assim, você talvez não esteja em Hogwarts no ano que vem?"
Draco: "Ora, nunca se sabe. Eu talvez venha... ãh... a me dedicar a coisas maiores e melhores."
Pansy Parkinson: "Você está se referindo a... ele?"
— Draco contanto a Pansy sobre se tornar um Comensal da Morte[src]

Pansy Parkinson, sua amiga que tinha uma queda por ele

Pansy Parkinson era uma garota da Sonserina e amiga próxima de Draco em Hogwarts. Ela frequentemente o bajulava, rindo alto de suas piadas maliciosas, mostrando grande preocupação quando Draco foi ferido por Bicuço em seu terceiro ano, e o acompanhando ao Baile de Inverno em 1994. Draco e Pansy eram membros da Brigada Inquisitorial e Monitores durante em seu quinto ano, o que é indicativo de seus papéis de liderança na Casa Sonserina. Eles foram apontados como sendo particularmente próximos durante o sexto ano, como visto no Expresso de Hogwarts; Draco estava com a cabeça no colo de Pansy, que acaricia seus cabelos, e não perdendo tempo em difamar Harry por (não intencionalmente) cortar Draco uma maldição mortal. Algum tempo após esse período, entretanto, a amizade dos dois diminuiu. Se Pansy se foi namorada dele, não se sabe, pois Draco acabou se casando com Astória Greengrass.

Teodoro Nott

Draco também era amigo de Teodoro Nott, uma das poucas pessoas que ele se igualava, visto que Teodoro era tão puro-sangue e um tanto mais inteligente quanto ele. Entretanto, Teodoro era um jovem solitário que não se sentia compelido para se juntar a nenhum grupo, incluindo o de Draco. Os dois riram juntos do status sanguíneo de Hermione uma vez. Nott também foi visto com Draco e seu grupo após Harry listar os nomes de seus pais em um artigo n'O Pasquim. Também é dito que eles se conheciam antes de sua chegada à Hogwarts.

Blásio Zabini

Blásio Zabini também era amigo de Draco durante o sexto ano, quando se sentaram juntos no Expresso de Hogwarts e discutiram sobre Harry Potter, Neville Longbottom e Gina Weasley, que haviam se tornado membros do Clube do Slugue. Blásio também foi uma das poucas pessoas que Draco contou sobre sua missão, no entanto, ele não parecia ter uma boa opinião sobre a nova "posição" de Draco.

Marcos Flint

Draco aparentava ser amigável com Marcos Flint, como mostrado que Flint o defendeu de Fred e Jorge Weasley, e novamente como quando ajudou Draco e seu grupo em uma tentativa de fazer Harry desistir durante uma partida de Quadribol disfarçando-se de dementadores. Marcos, entretanto, não hesitou em gritar com Draco após ele falhar em pegar o pomo, apesar de estar voando em seu alcance (ele estava muito ocupado zombando de Harry para vê-lo).

Severo Snape

"Professor, por que é que o senhor não se candidata ao lugar de diretor? ... Vou dizer ao meu pai que o senhor é o melhor professor que temos [..]"
—A opinião de Draco sobre Severo Snape[fnt]

Severo Snape, seu professor favorito e ex-diretor de casa

O professor que Draco inicialmente mais respeitava era Severo Snape, Mestre de Poções e Diretor de Casa da Sonserina. Snape, por sua vez, pegou Draco como seu aluno favorito e mostrou-lhe indulgência imerecida em várias ocasiões, o que provavelmente tinha algo a ver com a relação de longa data entre Snape e Lúcio Malfoy, o pai de Draco, ou a pretexto disso, dado que Snape desertou dos Comensais da Morte. Draco até declarou que Snape deveria se candidatar ao cargo de diretor após Dumbledore ser suspenso.

Entretanto, após a prisão de Lúcio em Azkaban, Draco começou a se ressentir de Snape, acreditando que ele havia usurpado o lugar de seu pai nos Comensais da Morte, e que ele também estava tentando se aproveitar de sua chance de glória. Como tal, Draco evitou Snape na maior parte do ano, se recusando a qualquer ajuda e até o agredindo verbalmente. No entanto, Snape continuou a protegê-lo como quando Draco foi pego espreitando do lado de fora da Festa de Natal do Clube do Slugue, não o punindo quando o garoto se recusou a atender sua convocação em seu escritório, algo que outros alunos não fariam tão facilmente. Snape continuou a proteger Draco mesmo após sua fuga durante a Batalha da Torre de Astronomia; quando questionado por Voldemort sobre as ações de Draco durante sua tentativa de assassinar Dumbledore, Snape mentiu dizendo que Malfoy não havia abaixado sua varinha e enfatizou a habilidade do jovem estudante de colocar os Comensais da Morte em Hogwarts, bem como a encurralar Dumbledore, o que permitiu que Snape o matasse. A defesa de Malfoy por Snape salvou a vido do menino e convenceu Voldemort a libertar Lúcio Malfoy de Azkaban, fazendo Draco se reconciliar com Snape.

Não se sabe como Draco reagiu à morte de Snape por Lorde Voldemort em 1998, durante a Batalha de Hogwarts, ou de sua verdadeira lealdade com a Ordem da Fênix devido ao amor pela mãe nascida-trouxa de Harry Potter, Lílian Evans. Entretanto, dada a própria desilusão de Draco com a causa dos Comensais da Morte e subsequente a reaproximação com Harry, é provável que Draco se simpatizou com seu falecido professor. Além disso, é possível que a já mencionada distensão de Draco com Harry quando adultos possa ter sido motivada, pelo menos em parte, para evitar um relacionamento semelhante ao que Snape teve com o pai de Harry e seus amigos depois de seus próprios anos em Hogwarts.

Harry Potter

Draco: "Você não vai demorar a descobrir que algumas famílias de bruxos são bem melhores do que outras, Harry. Você não vai querer fazer amizades com as ruins. E eu posso ajudá-lo nisso."
Harry Potter: "Acho que sei dizer qual é o tipo ruim sozinho, obrigado."
Draco: "Eu teria mais cuidado se fosse você, Harry. A não ser que seja mais educado, vai acabar como os seus pais. Eles também não tinham juízo. Você se mistura com gentinha como os Weasley e aquele Rúbeo e vai acabar se contaminando."
— O encontro desagradável entre Harry e Draco no Expresso de Hogwarts, antes do primeiro ano[fnt]

Harry Potter, seu arquirrival de escola e que mais tarde se tornou seu aliado e salvador

Draco se tornou o arquirrival de Harry Potter quase imediatamente após se conhecerem, pouco antes de seu primeiro ano em Hogwarts. Draco inicialmente se interessou por Harry por ele ser muito famoso, entretanto Harry não se impressionou por seus modos arrogantes. Pelo resto de tempo na escola, Harry e Draco se odiavam e tentavam ao máximo provocar um ao outro sempre que possível, embora Harry em comparação à Rony fosse menos propenso a incorporar violência contra Draco. Isso atingiu o auge logo depois de Lúcio Malfoy ser enviado para Azkaban após a Batalha do Departamento de Mistérios. Depois de descobrir o que Draco havia passado durante o sexto ano, Harry começou a sentir pena, um sentimento intensificado ao testemunhar o uso que Lorde Voldemort o estava fazendo. Durante o mesmo ano, Harry quase matou Draco com uma das maldições do Príncipe Mestiço, Sectumsempra — que ele usou acidentalmente sem saber quais eram os efeitos da maldição. O próprio Harry se sentiu totalmente horrorizado e culpado pelo o que fez. Entretanto, apesar da certa inimizade entre os dois, deve-se notar que Draco mostrou grande relutância em identificar Harry e seus amigos enquanto eles estiveram presos em sua casa. Por sua vez, Harry salvou sua vida duas vezes durante a Batalha de Hogwarts. Notavelmente a razão principal por trás da inimizade de Draco e Harry era na verdade ciúmes de sua fama e amizades da parte de Draco.

Entrevistador: "Draco e Harry perderam sua animosidade um com o outro quando Voldemort morreu? ""
J. K. Rowling: "Não realmente. Haveria um tipo de reaproximação, em que Harry sabe que Draco odiava ser um Comensal da Morte e não teria matado Dumbledore; da mesma forma, Draco sentiria uma gratidão relutante por Harry por salvar sua vida. Amizade real estaria fora de questão, entretanto. Muita coisa aconteceu antes da batalha final."
J. K. Rowling sobre as atitudes de Harry e Draco um em relação ao outro[fnt]

Ao longo dos anos, Draco e Harry fizeram as pazes quando adultos, mas ainda não eram amigos quando Alvo e Escórpio começaram a escola. Mais tarde, isso se desenvolveu em um relacionamento mais cordial devido ao fato de Alvo e Escórpio serem melhores amigos. Draco passaria a confiar na sorte e nos instintos de Harry ao longo dos anos, sabendo que Harry sempre estava no meio de uma ação quando necessário. Malfoy cresceu para ter um profundo respeito e um relacionamento amigável com Alvo Potter, confiando nele para ajudar Escórpio a se curar da dor de perder a mãe. Durante os acontecimentos de Delphini, Draco confessou a Harry, discutindo a princípio de uma maneira bastante distante, alguns detalhes importantes sobre sua esposa antes e depois de sua morte, bem como o Vira-Tempo escondido de sua família, Draco e Harry finalmente chegaram a ter respeito mútuo um pelo outro, se vendo como amigos pela primeira vez, embora isso ainda não curasse tudo sobre seu passado arruinado. Draco até admitiu que sempre teve inveja da amizade entre Harrry, Rony e Hermione.

Draco é um primo distante de pelo menos um membro da família Potter, através da família Black. Embora não se saiba se ele tem algum parentesco com o próprio Harry, ou se eles sabem sobre esse fato.

Família Weasley

"Acha meu nome engraçado, é? Nem preciso perguntar quem você é. Meu pai me contou que na família Weasley todos têm cabelos ruivos e sardas e mais filhos do que podem sustentar"
—Draco para Rony Weasley quando se encontraram pela primeira vez[fnt]

A Família Weasley (sem Gui e Carlinhos)

A família Malfoy geralmente desprezava a família Weasley por sua falta de riqueza e por seu status de "traidores de sangue", um sentimento ao qual Draco deixou claro imediatamente após conhecer Rony Weasley a bordo do Expresso de Hogwarts no primeiro ano. Os dois tinham uma hostilidade que se espelhava a de seus pais, muitas vezes se insultando e propensos até mesmo a brigas físicas. Draco também escreveu a letra de uma canção humilhante chamada Weasley é o nosso rei, que estava destinada a minar as capacidades de Rony como o goleiro do time de Quadribol da Grifinória.

Quando Crabbe colocou fogo na Sala Precisa, Rony ajudou Harry e Hermione a salvar Draco e Goyle, mas com alguma relutância. Após o trio salvar a vida de Draco novamente naquele dia, Rony lhe deu um soco no rosto e o chamou de "filho da mãe de duas caras". Embora essa inimizade aparenta ter desaparecido com o tempo; Rony desencorajou sua filha Rosa de se tornar amiga do filho de Draco, Escórpio.

Draco possuía menos interação com outros membros da família Weasley. Fred e Jorge tentaram agredir Draco fisicamente duas vezes; A primeira vez foi quando ele chamou Hermione Granger de "sujeitinha de sangue ruim" e a segunda vez depois de Draco insultar o sr. e a sra. Weasley, bem como a mãe de Harry, Lílian Evans (fazendo os dois gêmeos, assim como Harry, ganhar um "banimento vitalício do Quadribol" de Dolores Umbridge). Eles também azararam Draco e outros membros da Brigada Inquisitorial. Gina também teve alguns encontros hostis com Draco, mais notavelmente o atingindo com a Azaração para Rebater Bicho-Papão quando a Brigada Inquisitorial tentou segurá-la, Rony, Neville Longbottom e Luna Lovegood em 1996. Draco também aparentava não gostar de Percy, não demonstrando nenhum respeito por ele, apesar do último ser monitor-chefe.

Hermione Granger

Draco: "Boas, não são? Mas quem sabe o time da Grifinória pode levantar um ourinho e comprar vassouras novas, também. Você podia fazer uma rifa dessas Cleansweep 5; imagino que um museu talvez queira comprá-las"
Hermione Granger: "Pelo menos ninguém do time da Grifinória teve de pagar para entrar. Entraram por puro talento."
Draco: "Ninguém pediu sua opinião, sua sujeitinha de sangue ruim"
— Após Draco se tonar apanhador da Sonserina e provocar o time da Grifinória[fnt]

Hermione Granger, sua inimiga e a quem ele era acostumado a intimidar

O relacionamento de Draco e Hermione Granger mudou antes mesmo de os dois se conhecerem, embora eles nunca tenham realmente interagido até o segundo ano. Draco foi criado para acreditar na inferioridade dos nascidos trouxas e, no segundo ano, seu pai lhe disse que ele deveria ter vergonha por Hermione ter tirado notas mais altas que ele. Assim, Draco frequentemente zombava de Hermione, a chamando pelo epíteto depreciativo "sangue-ruim"; ela se recusava a ser intimidada.

Durante o período em que o Basilisco de Salazar Slytherin estava atacando alunos nascidos trouxas, Malfoy disse aos amigos Crabbe e Goyle (que na verdade eram Harry e Rony usando a Poção Polissuco) que esperava que Granger fosse a próxima vítima. Embora Hermione geralmente ignorasse as provocações de Malfoy ao invés de se meter em brigas com ele como Harry e Rony faziam, os dois ocasionalmente trocavam palavras duras, e no terceiro ano, Hermione o deu tapa por insultar Hagrid. Quando ele encontrou o trio na Madame Malkin Roupas para Todas as Ocasiões antes do início do sexto, ele perguntou quem havia deixado Hermione com o olho roxo (resultado de um telescópio esmurrador) para que ele pudesse "enviar flores". Apesar de sua antipatia e preconceito com Hermione, Draco ainda aconselhou Harry e Rony para colocá-la em segurança durante o tumulto dos Comensais da Morte na Copa Mundial de Quadribol (embora de forma provocativa) e demonstrou relutância em identificá-la para sua tia Belatriz, evitando até mesmo olhar para ela.

Em 2017, quando Rony encorajou sua filha a não se associar com o filho de Draco, Hermione expressou uma atitude mais conciliatória. Draco e Hermione se tornaram primos distantes quando ela se casou Rony. O filho de Draco, Escórpio, eventualmente viria a desenvolver uma paixão profunda pela filha de Hermione, Rosa Weasley. Embora o relacionamento dos dois tenha melhorado ligeiramente após a guerra, Draco brincou algumas vezes durante a emboscada de Delphini em Godric's Hollow em 31 de outubro de 1981, que estava surpreso e gostando da ideia de receber comandos de batalha de Hermione, achando a situação sombriamente divertida.

Neville Longbottom

"Longbottom, se miolos fossem outro, você seria mais pobre do que Weasley, e isso já é muita coisa."
—Opinião de Malfoy sobre Neville[fnt]

Neville Longbottom, a quem ele costumava intimidar

O inicialmente tímido e desajeitado Neville Longbottom regularmente se encontrava recebendo insultos de Draco e seu grupo, e freqüentemente sendo o alvo de suas piadas e travessuras — um fato que servia apenas para tornar Neville mais desajeitado e menos confiante. Incentivado por Harry, Rony e Hermione a se defender, Neville cresceu e se tornou alguém mais difícil de intimidar em seus últimos anos em Hogwarts, resistindo não apenas aos alunos da Sonserina, mas também a Aleto e Amico Carrow e Severo Snape. Durante a Batalha de Hogwarts, Neville provou ter feito uma reviravolta impressionante e corajosa desde seus primeiros anos de humilhação e intimidação da parte de Draco, quando ele desafiou Lorde Voldemort abertamente e decapitou Nagini, efetivamente destruindo a Horcrux final do Lorde das Trevas.

Draco e Neville eram primos em quarto grau, mas provavelmente os dois não sabiam dessa relação.

Funcionários de Hogwarts

Alvo Dumbledore: "Draco, Draco você não é um assassino."
Draco: "Como é que o senhor sabe? O senhor não sabe do que sou capaz, o senhor não sabe o que eu fiz!"
Alvo Dumbledore e Draco em 1997[fnt]

Alvo Dumbledore, seu ex-diretor

Draco mostrou uma aversão particular por seu diretor Alvo Dumbledore, que era a favor da aceitação completa de nascidos-trouxas, uma visão contraditória com a dos Malfoy. Como tal, Draco frequentemente ridicularizava as ideias e escolhas de Dumbledore. Ele ficou animado a princípio quando recebeu a missão de matá-lo, com o desejo de resgatar o nome de família e vingar seu pai, e até mesmo ousando usar o termo depreciativo "sangue ruim" na frente do diretor, o qual desagradou Dumbledore. Entretanto, Alvo tinha pena de Draco por ter se tornado um Comensal da Morte, pois sabia que Voldemort havia o feito obedecer ao ameaçar seus pais. Além disso, quando Dumbledore se ofereceu para salvá-lo, Draco aparentou inclinado em aceitar a oferta antes de ser interrompido pela chegada de seus companheiros Comensais da Morte. Quando Draco testemunhou Snape matar seu diretor, ele pareceu horrorizado, o que provavelmente aumentou seu arrependimento de se tornar um Comensal da Morte.

Também em seu quarto ano, Draco julgou Dumbledore por "gostar muito de sangues ruins".

Dolores Umbridge, sua professora de Defesa Contra as Artes das Trevas

Acostumado ao tratamento preferência que recebia de Severo Snape, e colhendo os benefícios de suas conexões e status de sua família, Draco tentou usar o nome de seu avô para se aproximar de Horácio Slughorn, embora este o tenho mais do que ignorado. Entretanto, Dolores Umbridge, que era familiarizado com seu pai, tornou Draco e seus amigos membros da Brigada Inquisitorial, sendo rápida ao permitir que o time de Quadribol da Sonserina se reordenasse depois de dissolver as outras "Organizações Estudantis, Sociedade, Equipe, Grupo, ou Clube" com o Decreto Educacional Número Vinte e Quatro.

Draco demonstrou desprezo por professor que não possuíam status ou não se encaixavam em seus padrões de pureza de sangue, como Remo Lupin, um lobisomem e conseqüentemente tendia a parecer um maltrapilho e pobre; Rúbeo Hagrid, um meio-gigante despenteado; e Alastor Moody (disfarçado de Bartô Crouch Jr.) que era um Auror conhecido por sua extensa lista de Comensais da Morte capturados, assim como sua intensa paranoia. Draco se absteve de desprezar abertamente o ex-auror devido ao medo. Inicialmente, durante a campanha de difamação do Ministério contra Dumbledore, os mesmo três professores foram citados como "decisões excêntricas" feitas pelo diretor, e evidência de sua competência diminuindo com seu cargo. Draco frequentemente se encontrava em desacordo com a Diretora de Casa da Grifinória, Professora McGonagall, que nunca classificava seus alunos como favoritos, muitos menos Malfoy, embora ele demonstrasse a ela algum nível de respeito relutante, enquanto ela não aceitava as acusações de Harry contra os crimes de Draco sem evidências suficientes. Draco da mesma forma parecia sentir algum respeito por Fílio Flitwick. Ele também não gostava do zelador Argo Filch, por ser um aborto e nunca hesitar em punir Draco, embora trabalhassem juntos na Brigada Inquisitorial.

Murta Warren

"Não... me conte qual é o problema... posso ajudar você..."
—Murta Que Geme tentanto confortar Draco[fnt]

Murta Warren

Durante seu segundo ano, quando a Câmara Secreta foi aberta pela segunda vez, Draco contou à Harry e Rony (disfarçados de Crabbe e Goyle pela Poção Polissuco) que na primeira vez que ela foi aberta, um sangue ruim morreu — o "sangue ruim" era Murta.

Durante seu sexto ano, quando designado por Lorde Voldemort para matar Alvo Dumbledore, Draco ficou sob estrese com a dificuldade da missão e com as consequências do fracasso. Surpreendentemente, apesar de seus preconceitos contra nascidos trouxas, Draco aparentemente visitava Murta regularmente em seu banheiro, onde confiava e até chorava abertamente na frente dela. Por sua vez, ela tinha a impressão de que ele era um garoto sensível que estava sendo intimidado (o que na verdade, embora Murta não soubesse que era Voldemort que o estava intimidando). Este pode ser um dos raros momentos em que Draco mostrou algo além de desgosto pelos nascidos trouxas, embora não se saiba se ele estava ciente do status sanguíneo de Murta ou de sua conexão com a abertura da Câmara Secreta durante o tempo de Tom Riddle em Hogwarts.

Lorde Voldemort

"... Ele me mandou fazer isso ou me matará. Não tenho escolha."
—Draco sobre Lorde Voldemort e sua missão[fnt]

Lorde Voldemort, seu antigo mestre e ex-ídolo

Embora originalmente Draco admirasse e respeitasse Lorde Voldemort, ele passou a temê-lo depois de ter a segurança de sua família ameaçada.

Draco se juntou aos Comensais da Morte com dezesseis anos, quando o Lorde das Trevas ameaçou matar seus pais se ele falhasse na missão de assassinar Alvo Dumbleore. O que na verdade, Voldemort fez no intuito de punir Lúcio Malfoy por não ter recuperado uma profecia do Departamento de Mistérios, em sua suposição de que ele falharia e teria de ser punido de acordo. Draco lutou em várias batalhas por Voldemort, incluindo a Batalha da Torre de Astronomia e noConflito na Mansão Malfoy. Após a derrota final de Voldemort, Draco não foi preso, pois ele e sua família haviam desertado dos Comensais da Morte antes mesmo de sua derrota.

Embora não se saiba se Draco aprendeu isso, foi ironicamente em seu ato de desarmar Dumbledore antes de sua morte e, sem saber, dominar a Varinha das Varinhas, que impediu de Voldemort dominar totalmente o poder da varinha. Draco, por sua vez, foi desarmado por Harry Potter durante o conflito na Mansão Malfoy, dando assim a Harry o poder do domínio do objeto. Quando Potter contou a Voldemort sobre esse fato, o último simplesmente os descartou, argumentando que não faziam diferença alguma e que poderia "cuidar (ou seja, matar)" de Draco depois, provavelmente como punição por não apenas por sua intromissão involuntária, mas também por seus pais demonstrarem deslealdade para com Voldemort. Felizmente para os Malfoy, essa indiferença arrogante acabou resultando em sua derrota final nas mãos de Harry Potter.

Em 2020, Draco estava desiludido com a causa dos Comensais da Morte devido às suas experiências com Voldemort, ajudando o trio a derrotar Delphini Riddle, a filha do Lorde das Trevas, e seu plano em salvar o pai de sua primeira queda em 1981. O que foi bastante notável sobre o envolvimento de Draco nessa aventura foi que Delphini era a filha ilegítima de sua tia, Belatriz Lestrange, e portanto sua prima. O desafio de Delphini e Voldemort demonstrou que Draco queria tão pouco com seu antigo mestre que mesmo ela sendo a filha de Tom Riddle e uma parente de sangue, ela era uma noção repugnante para ele. Draco também pode ter sido motivado pelo desejo de se redimir de seu passado como Comensal da Morte. Durante este período de vida, Draco também começou a se referir à Voldemort por seu nome ao invés de "Lorde das Trevas" como fazia na juventude, o que pode ter sido derivado de sua autorredenção.

Time de Quadribol da Sonserina

Draco era o apanhador do Time de Quadribol da Sonserina, começando em seu segundo ano em Hogwarts. Malfoy parecia ser muito popular com o time. É mais provável que isso aconteceu porque durante o segundo ano seu pai comprou vassouras novas e ágeis para toda a equipe. Além disso, o restante do time parecia ter as mesmas opiniões que ele, pois sorriram quando Draco chamou Hermione Granger de "sujeitinha de sangue ruim" e riram quando uma azaração saiu pela culatra sobre Rony Weasley após esse desentendimento.

Draco também parecia ter algum parentesco com um dos membros do time — Marcos Flint — por meio de seu segundo bisavô materno, que se casou com Ursula Flint, uma puro-sangue da família Flint.

Etimologia

  • O nome de Draco, assim como o de muitos mebros de sua família materna, a Casa dos Black, é derivado de alguma constelação. Draco também conhecido como Dragão; Draco é a tradução de "dragão" em latim e "serpente" em grego. A constelação está conectada a várias lendas da mitologia grega, principalmente por simbolizar o dragão de cem cabeças que Hércules teve de passar durante seus Doze Trabalhos, ou o dragão morto por Cadmo antes de fundar a cidade de Tebas. Na lenda romana, Draco, o dragão, foi morto pela deusa da sabedoria, Minerva, e atirado para o céu. Outra conexão com ele sendo um Comensal da Morte, é o fato de que Lúcifer/Satanás é referido como um Dragão na teologia cristã. Além disso, Draco era o nome de um legislador grego antigo que simplesmente escreveu leis que já existiam. Essas leias severas já existiam na tradição oral. Ele não tentou mudar ativamente essas leis, pois foram escritas para o benefício de pessoas comuns. Isso reflete o papel de Draco quando ele nos apresenta a mania de puro-sangue, que é uma filosofia que ele herdou de sua família.
  • O seu nome do meio "Lúcio", pode vir do ditador romano Lúcio Cornélio Sula, que executou com extrema cautela seus rivais. Seu nome também pode ser uma referência ao imperador roma Lúcio Domício Enobarbo, também conhecido como Nero. Lúcio é um nome que se deriva do latim que significa "brilhante" ou "inteligente" e está relacionado ao nome Lúcifer, o primeiro nome de Satanás, que pode fazer referência à Lúcio Malfoy sendo brilhante, mas mal, ou simplesmente mal.
  • Seu sobrenome, Malfoy, em francês (mal foi) significa "má-fé".

Por Trás das Cenas

Draco retratado na arte de um capítulo em Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Tom Felton como Draco Malfoy

Draco em Harry Potter: Wizards Unite


  • Draco é tecnicamente e parcialmente francês, visto que seu ancestral Armand Malfoy era da França.
  • Tecnicamente, Draco foi o responsável por Harry perder duas de suas três Taças de Quadribol em Hogwarts. Em seu quinto ano, Harry foi banido do time de Quadribol por Umbridge após bater em Malfoy que havia insultado sua mãe e a família Weasley. Na segunda vez, no sexto ano, Harry foi forçado a perder a última partida de Quadribol por ficar em detenção com Snape por ter usado a maldição Sectumsempra em Malfoy.
  • A primeira vez que Draco viu Voldemort foi na Floresta Proibida, quando o último estava compartilhando um corpo com o Professor Quirrell. Draco fugiu horrorizado, apesar do fato de seu pai ter servido a Voldemort na Primeira Guerra Bruxa. Presume-se que ele não sabia quem Draco era na época, ou pois estava na parte de trás da cabeça do professor, e ainda encapuzado.
  • Draco teria frequentado o Instituto Durmstrang, uma escola que não admite estudantes nascidos-trouxas e que ensina Artes das Trevas, mas sua mãe questionou por não o querer tão longe de casa.
  • Ironicamente, foi a varinha de Draco que Harry usou em seu duelo final contra Voldemort, embora ela estivesse mudado sua lealdade para Harry naquele ponto. Entretanto, como o feitiço de repercussão da Varinha das Varinhas que derrotou Voldemort, e não a varinha de Draco.
  • Ele é retratado pelo ator britânico Tom Felton em todas as adaptações cinematográficas, sendo assim um dos 14 personagens a aparecerem todos os 8 filmes para o cinema.
  • Draco é interpretado pelo ator britânico Alex Price na produção original do West End de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada.
  • Nos primeiros rascunhos de J. K. Rowling de Harry Potter e a Pedra Filosofal, o sobrenome de Draco era "Spungen", "Spinks", ou "Smart".
  • A varinha de Draco é notável pois sua varinha é uma das poucas que possuem a mesma aparência durante todos os filmes.
  • Rowling expressou preocupação com os fãs de Draco: "As pessoas têm sido líricas [nas cartas] sobre Draco Malfoy, e acho que foi a única vez que isso parou de me divertir e começou a quase me preocupar. Estou tentando distinguir claramente entre Tom Felton, que é um menino bonito, e Draco, que, seja lá como for, não é um homem bom. É romântico, mas doentio ... "
  • Em Harry Potter e a Câmara Secreta (filme), Draco percebe o Pomo de Ouro depois de Harry o fazer correr atrás dele apenas para ser derrubado de sua vassoura e ferido, ao contrário do livro onde ele nunca o percebe pois não estava prestando atenção em seu entorno.Também no filme, os ferimentos de Draco o fazem ser enviado para a Ala Hospitalar, embora Madame Pomfrey diga impacientemente a ela que seus ferimentos não foram graves o suficiente para que ele tivesse de ser mantido lá durante a noite.
  • Na adaptação cinematográfica de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, a lesão no braço de Draco não dura tanto quanto no livro.
  • É mostrado que ele é um pouco mais "respeitoso" nos filmes do que nos livros. Em Harry Potter e o Cálice de Fogo (filme), Draco é visto na Festa Memorial de Cedrico Diggory. Porém, ao invés de desrespeitar festa, ele é visto olhando para baixo solenemente, lamentando por Cedrico.
  • Nos filmes:
  • Draco aparenta ser menos antagônico com Hagrid do que nos livros.
  • Draco parece gostar de maçãs verdes, já que ele é visto comendo uma em Prisioneiro de Azkaban e colocando uma no Armário Sumidouro em Enigma do Príncipe.
  • Em Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2
    • Draco recebe um abraço de Voldemort e é o único seguidor dele conhecido a receber esta "homenagem". Esta cena foi improvisada por ambos os atores, adicionando um elemento "estranho".
      • Essa atmosfera realmente faz sentido, já que Voldemort nunca conheceu o amor, e um abraço pareceria estranho para ele.
    • Na batalha climática final, ele e sua família partem e não são vistos no Grande Salão durante a recuperação da batalha.
  • Na adaptação para videogame de Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, Draco aparenta devolver sua varinha a Harry para duelar contra Lorde Voldemort. Isso também foi filmado para o filme, mas foi cortado na versão final.
  • Ele nunca se referiu a Rony e Hermione por seus primeiros nomes durante o curso dos sete livros originais. Ele, no entanto, se referiu a ambos por seus primeiros nomes em Criança Amaldiçoada.

Comentários da Autora

"Ele fechou a compaixão - de que outra forma você se tornaria um Comensal da Morte? Então ele suprime praticamente todo o seu lado bom. Mas então ele está brincando com os meninos grandes, como diz a frase, e de repente, depois de falar o que ele fala, ele pede para andar pela primeira vez e é absolutamente aterrorizante. E eu acho que essa é uma descrição precisa de como algumas pessoas caem nesse tipo de vida e percebem o que estão por vir. Eu senti pena de Draco . Bem, eu sempre soube que isso ia acontecer com Draco, obviamente, por mais desagradável que ele fosse."
J. K. Rowling sobre Draco[fnt]

Draco na edição ilustrada de Harry Potter e a Pedra Filosofal por Jim Kay

J. K. Rowling comentou que Draco não é muito capaz de compartimentar sua vida, o que o torna hábil em Oclumência e em intimidar os outros.

Ela também comparou Draco a seu primo, Régulo Black, no sentido de que ambos foram inicialmente atraídos pelos Comensais da Morte, mas "a realidade do que isso significava era demais para lidar ". Rowling também comparou Draco a Duda Dursley; além de ambos serem valentões, Draco também foi "criado como um filho único mimado, doutrinado com as crenças de seus pais ". Ela afirmou que existe "uma verdadeira covardia moral para Draco", mas que ele não é "totalmente mau".

Aparições

Draco como um POP!Vinil

Draco como uma minifigura LEGO (nova versão)

Notas e Referências


Comensais da Morte
Marca Negra.gif
Líder:
Lord Voldemort
Comensais da Morte:
Aleto Carrow | Amico Carrow | Antônio Dolohov | Augusto Rookwood | Avery (I) | Avery (II) |
Bartô Crouch Jr. | Belatriz Lestrange | Crabbe | Evan Rosier | Gibbon | Goyle |
Jugson | Lestrange | Múlciber (I) | Múlciber (II) | Nott | Pyrites (possivelmente) | Rabastan Lestrange | Rodolfo Lestrange | Rosier | Selwyn | Thorfinn Rowle | Travers | Walden Macnair | Wilkes | Corban Yaxley
Comensais da Morte que desertaram:
Draco Malfoy | Igor Karkaroff | Lúcio Malfoy | Pedro Pettigrew | Régulo Black | Severo Snape</small.
Aliados dos Comensais da Morte:
Albert Runcorn | Borgin | Dolores Umbridge | Fenrir Greyback | Golgomate | Gregório Goyle | John Dawlish | Mafalda Hopkirk | Narcisa Malfoy (desertou) | Pansy Parkinson | Quirino Quirrell | Scabior | Vicente Crabbe
Outras afiliações:
Gigantes (sob o controle de Golgomate) | Comissão de Registro dos Nascidos-Trouxas | Dementadores | Lobisomens | Sequestradores



Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts
Casas de Hogwarts
Gryffindor ClearBG.png
Hufflepuff ClearBG.png
Ravenclaw (Símbolo Corvinal).png
Slytherin ClearBG.png
Fundadores
Godric Gryffindor · Helga Hufflepuff · Rowena Ravenclaw · Salazar Slytherin
Diretores de Casa
Minerva McGonagall · Pomona Sprout · Fílio Flitwick · Horácio Slughorn
Fantasmas
Nick Quase Sem Cabeça · Frei Gorducho · Dama Cinzenta · Barão Sangrento
Proprietários Conhecidos das Relíquias da Morte
Símbolo das Relíquias da Morte.png
Varinha das Varinhas:

Morte (Fabricante) | Antíoco Peverell | Assassino de Antíoco Peverell | Emerico, o Mal | Egberto, o Notável | Godelot | Hereward | Barnabás Deverill | Loxias | Arco e/ou Lívio | Mykew Gregorovitch | Gerardo Grindelwald | Alvo Dumbledore | Draco Malfoy (Mestre) | Tom Servolo Riddle (apenas proprietário) | Harry Potter | Sepultada

Pedra da Ressurreição:
Morte (fabricante) | Cadmo Peverell | Servolo Gaunt | Morfino Gaunt | Tom Servolo Riddle | Alvo Dumbledore | Harry Potter | Perdida
Capa da Invisibilidade:
Morte (fabricante) | Ignoto Peverell | Filho de Ignoto Peverell | Iolanthe Peverell | Gerações de Potter | Tiago Potter | Alvo Dumbledore | Harry Potter | Tiago Sirius Potter | Alvo Severo Potter
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.