FANDOM


O Ministro da Magia é o líder do Mundo Mágico no Reino Unido e Irlanda e ao mais alto membro da classificação do Ministério da Magia, que ele controla. A posição de certa forma corresponde ao primeiro-ministro dos trouxas britânicos.

O ministro é aconselhada sobre questões bruxos por seus funcionários e pelos outros Chefes de Departamento. Eles também presidem à Suprema Corte para passar Leis bruxas, ou para audiências importantes (como o caso Harry Potter), embora o veredicto seja decidido por maioria de votos, incluindo o do ministro. Muitos outros países bruxos também têm Ministros e tem os sistemas governamentais similares, como o ministro búlgaro.

Apesar de ser o chefe da comunidade bruxa da Grã-Bretanha e Irlanda, é comum que o ministro mantenha uma fachada de paz e segurança para manter o controle e a satisfação do público, mesmo que isso signifique mentir descaradamente para os cidadãos, colocando-os em risco, e forçando a mídia para corroborar as alegações do Ministério. Este foi um sinal da corrupção durante os tempos da Segunda Guerra Bruxa.

O Ministro da Magia foi formalmente nomeado em 1707 quando Ulick Gamp foi eleito como o primeiro Ministro da Magia. O ministro é eleito democraticamente através de um voto público e não há limite fixo para a quantidade de mandatos de um ministro. No entanto, as eleições regulares devem ser realizadas em um intervalo máximo de sete anos.[1]

História

Alvo Dumbledore recusou-se a tornar-se ministro em pelo menos três ocasiões. Isto foi devido ao passado de Dumbledore, levando-o a crer que ele não era seria confiável com poder.

Depois que Millicent Bagnold estava se preparando para se aposentar, Bartô Crouch Sr foi o próximo candidato principal, devido a seus métodos cruéis, porém eficazes, de combater as Artes das Trevas durante a Primeira Guerra Bruxa, até que condenou seu filho a Azkaban por ser um Comensal da Morte. Foi depois da morte presumida de seu filho que o público começou a ter pena do menino e achou que Crouch era muito negligente como pai, o que levou a uma queda em sua popularidade, fazendo com que ele perdesse para Fudge.

Cornélio Fudge foi ministro de 1990 a 1996. Durante seus primeiros dias no cargo, ele não estava muito confiante e, como resultado, constantemente bombardeou Dumbledore com cartas para conselhos. Durante o último ano de seu mandato, Fudge foi superado por ilusões de perseguição autoinduzidas já que Dumbledore afirmou que Voldemort havia retornado e abusou de sua própria posição para evitar que essa notícia se espalhasse, a fim de proteger tanto sua posição de poder quanto a paz que o Ministério havia trabalhado tanto para manter. No final, quando Fudge foi forçado a aceitar que Voldemort realmente havia retornado, toda a comunidade bruxa pediu sua renúncia e, depois de uma quinzena de tentativas fúteis de permanecer no cargo, em julho de 1996, ele foi substituído por Rufo Scrimgeour.

O mandato de Scrimgeour durou um ano, no qual ele era um pouco melhor que Fudge, apesar de sua aura de experiência e pró-atividade; ele criou disfarces e deteve suspeitos incorretos para parecer que estava realizando alguma coisa. Cometendo os mesmos erros que seu antecessor, ele deu poucas chances de construir uma defesa eficaz como um todo, e acabou custando sua vida quando foi esmagado e morto em agosto de 1997, com a linha oficial dizendo que ele havia renunciado. Ele foi substituído pelo fantoche de Voldemort, Pio Thicknesse.

Thicknesse, sob a Maldição Imperius de Corban Yaxley, foi nomeado ministro, embora ele fosse realmente apenas o fantoche de Voldemort, com o Lorde das Trevas efetivamente se tornando o verdadeiro ministro. Enquanto Thicknesse lidava com os negócios quotidianos, o que incluía mudar o Ministério inteiro para se adequar à ideologia dos Comensais da Morte, Voldemort estava livre para estender seu reinado além do governo. Voldemort não se anunciou Ministro, mas manteve-se escondido nas sombras, a fim de plantar incerteza e dúvida dentro da comunidade bruxa, impedindo-os de confiar em alguém e de formar qualquer rebelião que possa ter subjugado o Ministério e os Comensais da Morte.

Até o final da guerra, Quim Shacklebolt foi nomeado como ministro temporário, a posição mais tarde se tornando permanente. Seu mandato levou ao revolucionamento de todo o Ministério, removendo toda e qualquer corrupção que a tivesse permeado antes e durante a tomada.

Em 2019, Hermione Granger sucedera Kingsley como Ministro da Magia.

Lista de ministros da magia britânicos

Século XVIII

Século XIX

Século XX

Século XXI

Relação com o primeiro-ministro trouxa

Um dos deveres do Ministro da Magia é se corresponder com o seu correspondente trouxa, o primeiro-ministro, sobre quaisquer acontecimentos em curso no mundo bruxo que afetem ou possam afetar o Reino Unido como um todo. Por exemplo, o retorno de Voldemort. Isto inclui se apresentar para o primeiro-ministro trouxa, quando houver uma mudança no cargo de cada lado.

Um pequeno retrato no canto do escritório do primeiro-ministro serve como um emissário entre os dois Ministros. Ele anuncia a chegada do Ministro da Magia, buscando resposta do primeiro-ministro (geralmente aquiescência à inevitável). Acredita-se que um Feitiço Adesivo Permanente devem ter sido colocados no retrato, pois nem o primeiro-ministro nem seus especialistas foram capazes de removê-lo da sua localização.

Conversas conhecidas

Por trás das cenas

Aparentement*e, o ministro deve obter a aprovação de uma maioria da Suprema Corte dos Bruxos para qualquer legislação.

Aparições

Notas e referências

  1. http://web.archive.org/web/20160222100618/https://www.pottermore.com/writing-by-jk-rowling/ministers-for-magic


Ministros(a) da Magia da Grã-Bretanha
Ministros da Magia:

{{Ministro da Magia e Serviços Auxiliares}

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.